(DES)CONSTRUÇÃO DE FACE DA MULHER NOS TÍTULOS DE NOTÍCIAS SOBRE FEMINICÍDIO

Resumo

O Brasil possui diversas políticas de proteção à mulher, mas ainda convive com casos alarmantes de feminicídios e a mídia é responsável por informar a população sobre esses crimes, constituindo-se uma fonte importante para construção de conhecimento sobre o tema. Nosso objetivo é analisar de que maneira três casos de feminicídio viraram notícia e como os atores sociais são descritos nos títulos. A metodologia é quali-interpretativa e encontra respaldo na proposta teórica-metodológica dos Estudos Críticos do Discurso. Os resultados demonstram que os títulos das notícias reforçam estereótipos e crenças machistas sobre a imagem da mulher na sociedade.

Palavras-chave: Feminicídio. Estudos Críticos do Discurso. Polarização Discursiva. Notícias.

Referências

A TRIBUNA. Mulher de 21 anos é baleada no rosto e morre, em Vila Velha. Jornal A Tribuna. Polícia. 06 de março de 2016. Acesso em: https://www.folhavitoria.com.br/policia/noticia/03/2016/mulher-de-21-anos-e-baleada-no-rosto-e-morre-em-vila-velha. Acesso em: 29 jan. 2019.

A GAZETA. Preso acusado de matar a namorada por ir a baile funk. Jornal A Gazeta. Cidades. 10 de março de 2016. Disponível em: https://www.gazetaonline.com.br/noticias/cidades/2016/03/preso-acusadode-matar-a-namorada-por-ir-a-baile-funk-1013932853.html. Acesso em: 29 jan. 2019.

A GAZETA. Mulher é morta pelo ex com 3 tiros no meio da rua. 23 de julho de 2014. Edição Impressa.

A GAZETA. Marido bebe e mata mulher a facadas depois de briga. Jornal A Gazeta. Cidades. Edição Impressa: Vitória/ES. 04 de março de 2018.

BOLDT, R. Criminologia midiática: do discurso punitivo à corrosão simbólica do Garantismo. Curitiba: Juruá, 2013.

BOURDIEU, P. Ce que parler veut dire. Paris: Fayard, 1982.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei nº. 11.340, de 07 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília: DF, 8 ago. 2006. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2006/lei/l11340.htm. Acesso em: 10 mar. 2014.

BRASIL. Decreto nº 1.973, de 1º de agosto de 1996. Promulga a Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher, concluída em Belém do Pará, em 9 de junho de 1994. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília: DF, 1 ago. 1996. Disponível em: http://legis.senado.gov.br/legislacao/ListaTextoIntegral.action?id=122009. Acesso em: 10 mar. 2014.

BRASIL. Congresso Nacional. Comissão Parlamentar Mista de Inquérito da Violência Contra a Mulher. Brasília: DF, jun. 2013. Disponível em: http://www.senado.gov.br/atividade/materia/getPDF.asp?t=130748&tp=1. Acesso em: 20 ago. 2014.

BRASIL. Lei nº 13.104, de 9 de março de 2015. Altera o art. 121 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal, para prever o feminicídio como circunstância qualificadora do crime de homicídio, e o art. 1o da Lei no 8.072, de 25 de julho de 1990, para incluir o feminicídio no rol dos crimes hediondos. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília: DF, 15 mar. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13104.htm. Acesso em: 30 mar. 2015.

BROWN, P.; LEVINSON, S. Politeness: some universals in language use. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

CULPEPER, J. Towards an anatomy of impoliteness. Journal of Pragmatics, n.25, 1996, p. 349-367.

DEMONER, T; TOMAZI, M. M. A violência contra mulher no cenário jornalístico: análise discursiva de notícias. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero, 2018, Florianópolis. Anais do XI Seminário Internacional Fazendo Gênero [recurso eletrônico]: 13th. Womens Worlds Congress. Florianópolis: UFSC, 2017. v. 1. p. 1-12.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e Mudança social. Brasília: Editora da UNB, 2001.

FERNANDES, V. D. S. Lei Maria da Penha: o processo penal no caminho da efetividade. São Paulo: Atlas, 2015.

GRICE, P. Logic and conversation. In.: COLE, P.; MORGAN, J. (Ed.). Syntax and semanticcs, v. 3. Speech Acts. New York: Academic Press, 1975, p. 41-58.

GOFFMAN, E. La mise em scêne de la vie quatidienne: les relations em public. Paris: Les édtions de minuit, v. 2, 1973.

GOFFMAN, E. Ritual de interação: ensaios sobre o comportamento face a face. Petrópolis: Vozes 2011.

GOMES, M. A. Mídia e sistema penal: as distorções da criminalização nos meios de comunicação. 1ed. Rio de Janeiro: Revan, 2015.

HAVERKATE, H. La cortesia verbal. Estudio pragmalinguístico. Madrid: Gredos, 1994.

PASINATO, W. Feminicídios e as mortes de mulheres no Brasil. Cadernos Pagu, n. 37, p. 219-224, jul./dez. 2011.

KERBRAT-ORECCHIONI, C. Les interactions verbales. Paris: Armand Colin, 1992.

KERBRAT-ORECCHIONI, C. Abordagem intercultural da polidez linguística: problemas teóricos e estudo de caso. In.: CABRAL, A. L. T.; SEARA, I. R.; GUARANHA, M. F. (orgs.). Descortesia e cortesia: expressão de culturas. Trad. Ana Lúcia Cabral Tinoco. São Paulo: Cortez, 2017, p. 17-56.

IPEA. Atlas da Violência, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2018.

KOCH, I. V.; BENTES, A. C. Aspectos da cortesia na interação face a face: In.: PRETTI, D. (org.). Cortesia verbal. São Paulo: Humanitas, 2008, p. 19-48.

LAKO FF, R. T. The logic of politeness: mindign your p’s and q’s. In: CORUM, C; SMITH-STARK, T.C.; WEISER, A. (Ed.). Papers from the 9th Regional Meeting of the Chicago Linguistic Society. Chicago Linguistic society, 1973, p. 295-305.

LEECH, G. Principles of Pragmatics. London:/New York: Longman, 1983.

MELLO, A. R. de. Feminicídio: uma análise sociojurídica da violência contra a mulher no Brasil. 2. ed., Rio de Janeiro: LMJ Mundo Jurídico, 2017.

MONTENEGRO, M. M. Lei Maria da Penha: uma análise criminológico-crítica. 1.ed. Rio de Janeiro: Revan, 2015.

OSTERMANN, A. C. Comunidades de prática: gênero, trabalho e face. In.: HEBERLE, V.M, OSTERMANN, A.C.; FIGUEIREDO, D. C. (orgs.). Linguagem e gênero no trabalho, na mídia e em outros contextos. Florianópolis: Editora da UFSC, 2006, p. 15-47.

PRADO, D.; SANEMATSU, M. Feminicídio #InvisibilidadeMata. (editor) Fundação Rosa Luxemburg, São Paulo: Instituto Patrícia Galvão, 2017.

SABINO, M. Feminicídio: uma tragédia brasileira. 1.ed. Rio de Janeiro: Autografia, 2018.

SAFFIOTI, H.. Gênero, patriarcado, violência. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular: Fundação Perseu Abramo, 2015.

SEARA, I. R. Contributo para o estudo da (des)cortesia verbal: estratégias de atenuação e de intensificação nas interações. In.: CABRAL, A. L. T.; SEARA, I. R.; GUARANHA, M. F. (orgs.). Descortesia e cortesia: expressão de culturas. São Paulo: Cortez, 2017, p. 233-265.

SPENCER-OATEY, H. (Im)politeness, face and perceptions of rapport: Unpackaging their bases and interrelationships, Journal of Politeness Research, v.1, p. 95-119, 2005.

TOMAZI, M. M.; NATALE, R. (Des)caminhos da violência de gênero no Brasil: discurso, mídia e representação social. In: DA SILVA, D. G.; PARDO, M. L. (orgs). Pasado, presente y futuro de los Estudios em América Latina: homenaje a los 20 años de la Associación Latino americana de Estudios del Discurso. Brasília: Universidade de Brasília, 2015, p. 137-155.

TOMAZI, M. M.; NATALE, R. Violência de gênero e polarização discursiva. In: Gustavo Ximenes Cunha; Ana Larissa A. Marciotto Oliveira. (org.). Múltiplas perspectivas do trabalho de face nos estudos da linguagem. 1ed. Belo Horizonte: Núcleo de Análise do Discurso/Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, Faculdade de Letras, 2018, v. 1, p. 129-146.

TOMAZI, M. M.; ROCHA, L. H. P.; ORTEGA, J. C. Violência machista em manchetes jornalísticas. In: TOMAZI, M. M.; ROCHA, L. H. P.; POMPEU, J. C. Estudos discursivos em diferentes perspectivas: mídia, sociedade e direito. São Paulo: Editora Terracota, 2016, p. 43-64.

TOMAZI, M. M.; CUNHA, G. X. O papel da polarização discursiva no processo de negociação de faces em processo judicial de violência contra a mulher. In.: PINTO, R.; CABRAL, A. L. T.; SOARES, M. das G.; CARVAHO, P. de Barros... et al.]. Linguagem e direito: perspectivas teóricas e práticas. São Paulo: Contexto, 2016, p. 145-164.

TOMAZI, M. M. A cortesia no contexto da violência contra a mulher: o papel da linguagem na (des)construção da face agredida. In: CABRAL, A. L. T.; SEARA, I. R.; GUARANHA, M. F. (orgs.). Descortesia e cortesia: expressão de culturas. São Paulo: Cortez, 2017, p. 175-208.

TOMAZI, M. M.; ALMEIDA, L. P. A mulher no direito penal em face da Constituição Federal e da Lei Maria da Penha. In.: CABRAL, A. L. T.; BUENO, F. de G. (orgs.). Direito e linguagem: a Constituição de 1988. Londrina: Paraná, Thoth, 2019. p. 159-178.

VAN DJIJK, T. Discurso e Poder. Tradução Rodolfo Ilari. São Paulo: Contexto, 2010.

VAN DJIJK, T. Discurso e Contexto: uma abordagem sociocognitiva. Tradução Rodolfo Ilari. São Paulo: Contexto, 2012.

VAN DJIJK, T. Discourse and Knowledge: A Sociocongnitive Approach. Cambridge: Cambridge University Press, Barcelona, 2016.

VAN DJIJK, T. Discurso, notícia e ideologia: estudos na análise crítica do discurso. Portugal: Edições Húmus, 2017.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da Violência 2012. Atualização: homicídios de mulheres no Brasil. CEBELA. FLASCO/Brasil, 2012.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência 2015: mortes matadas por armas de fogo. Brasília, DF: Unesco, 2015.

Publicado
2019-06-12
Seção
Dossiê 2: Pragmáticas da vida social: perspectivas em linguagem e sociedade