É SÓ MIMIMI? DISPUTAS METAPRAGMÁTICAS EM ESPAÇOS PÚBLICOS ONLINE

Resumo

Este artigo visa evidenciar o status central da metalinguagem no funcionamento da linguagem como ação social, discutindo as metapragmáticas na vida cotidiana. Para isso, atividades linguísticas em espaços públicos online submetidas a disputas metapragmáticas e de enquadre são analisadas como evidências da centralidade metalinguística cotidiana. Tais atividades são uma prática heterogênea nominalizada como “mimimi” e seu objetivo central é deslegitimar um ato de fala prévio ou potencial, buscando controlar o futuro enquadre de avaliação metapragmática ou projetá-lo como ilegítimo desde antes de sua realização.

Palavras-chave: Metalinguagem. Metapragmática. Enquadre. Espaço público. Virtual.

Referências

BLOMMAERT, J. Contexto é/como crítica. In: SIGNORINI, I. (Org.). Situar a linguagem. 2008. p. 91-115.

BUTLER, J. Excitable speech. A politics of performative. New York: Routledge, 1997.

CATON, S. C. Contributions of Roman Jakobson. Annual Review of Anthropology, v. 16, p. 223-20, 1987.

FERREIRA, D. M. M.; ALENCAR, C. N. Contexto: problemáticas ad infinitum. In: SILVA, Daniel et al (org.). Nova Pragmática: modos de fazer. São Paulo: Cortez, 2014. p. 190-204.

GOFFMAN, E.. Frame Analysis: an essay on the organization of theexperience. New York: Harper & Row, 1974.

GONZALEZ, C.; MOITA LOPES, L. P. Reflexividade metapragmática sobre o cinema de Almodóvar numa interação online: indexicalidade, escalas e entextualização. Trabalhos em linguística aplicada, v. 57, n. 2, p. 1102-1136, ago. 2018.

MOITA LOPES, L. P.; FABRICIO, B. F. Viagem textual pelo sul global: ideologias linguísticas queer e metapragmáticas translocais. Linguagem em (dis)curso, v. 18, n. 3, p. 769-784, dez. 2018.

PINTO, J. P. Contradições e Hierarquias nas Ideologias Linguísticas do Conselho Nacional de Imigração. Domínios de Lingu@Gem, v. 8, p. 108-134, 2014.

______. Corpo como contexto-de-ocorrência de metapragmáticas sobre o português em socializações de estudantes migrantes para o Brasil. Linguagem em (Dis)curso, v. 18, n. 3, p. 751-768, dez. 2018a.

______. De diferenças e hierarquias no quadro Adelaide às análises situadas e críticas na Linguística Aplicada. DELTA. Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada, v. 31, p. 199-221, 2015.

______. Ideologias linguísticas e a instituição de hierarquias raciais. Revista ABPN, v. 10, p. 704-720, 2018b.

______. On languages, bodies and epistemic violence. In: SILVA, Daniel N. (Org.). Language and Violence: Pragmatic perspectives. Amsterdam: John Benjamins, 2017. p. 171-188.

______. Pragmática – versão revista e ampliada. In: MUSSALIM, Fernanda; BENTES, Anna Christina. (Org.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. 8ªed. São Paulo: Cortez, 2012, v. 2, p. 55-79.

______.; AMARAL, D. Corpos em trânsito e trajetórias textuais. Revista da ANPOLL, v. 1, p. 151-164, 2016.

POVINELLI, E. Pragmáticas íntimas: linguagem, subjetividade e gênero. Trad.: Joana Plaza Pinto. Revista de Estudos Feministas, v. 24, n. 1, p. 205-237, 2016.

RAJAGOPALAN, K. A “dadidade” dos ditos dados na/da Pragmática. In: GONÇALVES, A. V.; GÓIS, M. L. S. (org.). Ciências da linguagem: o fazer científico. v. 2. Campinas: Mercado das Letras, 2014. p. 67-103.

______. Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

REVISTA FÓRUM. Criadores do “mimimi” criticam mau uso do termo. 07 out. 2017. Disponível em: https://www.revistaforum.com.br/criadores-do-mimimi-criticam-mau-uso-do-termo/. Acesso em: 15 jan. 2019.

RORTY, R. A filosofia e o espelho da natureza. Tradução: Antônio Trânsito. Rio de Janeiro, Relume-Dumará, 1994.

SALER JR. R. Democracia racial: o não-dito racista.Tempo Social, v. 18, n. 2, p. 229-258, 2006.

SIGNORINI, I. Metapragmáticas da língua em uso: unidades e níveis de análise. In: Situar a linguagem. São Paulo: Parábola, 2008.p. 117-147.

______. Por uma teoria da desregulamentação linguística. BAGNO, Marcos. (Org.). Linguística da norma. São Paulo: Edições Loyola, 2002. p. 93-125.

SILVA, D. N. Introduction: The pragmatics of discourse circulation. Pragmatics and Society, v. 6, n. 2, p. 161-174, 2015.

______. O texto entre a entextualização e a etnografia: um programa jornalístico sobre belezas subalternas e suas múltiplas recontextualizações. Linguagem em (Dis)curso, v. 14, p. 67-84, 2014.

______.; FACINA, Adriana; LOPES, Adriana. Complex territories, complex circulations: the ‘pacification’ of Complexo do Alemão in Rio de Janeiro. Pragmatics and Society, v. 6, n. 2, p. 175-196, 2015.

SILVERSTEIN, M. Indexical order and the dialectics of sociolinguistic life. Language & Communication, n. 23, p. 193-229, 2003.

______. Language Structure and Linguistic Ideology. In: CLYNE, P. R.; HANKS, W. F.; HOFBAUER, C. L. (Ed.). The Elements: a Parasession on Linguistic Units and Levels. Chicago: Chicago Linguistic Society, 1979. p. 193-247.

______. Metapragmatic discourse and metapragmatic function. In: LUCY, John (Ed.). Reflexive language, reported speech and metapragmatics. Cambridge: Cambridge University Press, 1993. p. 33-58.

______. The uses and utility of ideology: some reflections. Pragmatics, v. 2, n. 3, p. 311-323, 1992.

WITTGENSTEIN, L. Investigações filosóficas. 2. ed. Trad. Lourenço M. S. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1995. p. 157-205.

Publicado
2019-06-12
Seção
Dossiê 2: Pragmáticas da vida social: perspectivas em linguagem e sociedade