“TUDO AQUI É POESIA”: A PRAGMÁTICA CULTURAL COMO PESQUISA PARTICIPANTE COM MOVIMENTOS SOCIAIS E COLETIVOS JUVENIS EM TERRITÓRIOS DE VIOLÊNCIA URBANA

Resumo

Com o objetivo de enfrentar a violência contra as juventudes, o “Programa Viva a Viva: circuitos de linguagem, paz e resistência da juventude negra da periferia de Fortaleza” tem procurado fortalecer os movimentos sociais e coletivos culturais juvenis da periferia de Fortaleza. Este trabalho tem como ponto de partida as cartografias das práticas políticas dos jovens da periferia realizadas no Viva Palavra, utilizando-se da pragmática cultural como pesquisa participante. Ao analisar os dados presentes nessas cartografias, percebemos que os diversos coletivos e movimentos sociais da periferia agregam sentidos de afeto às formas construídas que se articulam para criar localidades/translocalidades urbanas.

Palavras-chave: Pragmática Cultural. Pesquisa participante. Movimentos sociais. Juventude. Violência urbana.

Referências

ABRAMO, H. W. Condição juvenil no Brasil contemporâneo. In: BRANCO, P. M. (org.). Retratos da juventude brasileira. Análise de uma pesquisa nacional. São Paulo: Perseu Abramo, 2005.

ALENCAR, C. N.; CARVALHO, S. M. G. Juventude(s): enfrentamentos e re-existências. In: THEMELIS, S. (org.). Palavras perigosas (no prelo).

ALENCAR, C. N.V Marcha da Periferia: recontextualizações de sentidos de paz e gramáticas de resistência na luta contra o extermínio de crianças e jovens em Fortaleza. In: COSTA, M. F. V.; PEREIRA, J.A.; SILVA, M. S. ASTIGARRAGA, A.; SANTOS, N. A. C. (org.). Infância e relações etnorraciais em pesquisa. Fortaleza: Expressão Gráfica Editora, 2017, p. 246-266.

______. Pragmática cultural: uma visada antropológica sobre os jogos de linguagem. In: SILVA, D. N.; MARTINS FERREIRA, D. M.; ALENCAR, C. N. (org.) Nova pragmática. Modos de fazer. São Paulo: Cortez, 2014, p. 78-100.

______. Por uma pragmática cultural: cartografias descoloniais e gramáticas culturais em jogos de linguagem do cotidiano. Projeto de Pesquisa. Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Universidade Estadual do Ceará. Fortaleza, 2013.

______. Programa Viva a Palavra circuitos de linguagem, paz e resistência da juventude negra na periferia de Fortaleza. Projeto de pesquisa. Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Estadual do Ceará. Fortaleza, 2014.

______. Linguagem e medo da morte: uma introdução à linguística integracionista. Fortaleza: EDUECE, 2009. APPADURAI, A. Soberania sem territorialidade: notas para uma geografia pós-nacional. Novos Estudos Cebrap, 1997, 33-46.

AUSTIN, J. Quando dizer é fazer. Porto Alegre, Artes Médicas, 1990 [1962].

BARROS, J. P. P; ACIOLY, L. F; RIBEIRO, J. A. D. Re-tratos da juventude na cidade de Fortaleza: direitos humanos e intervenções micropolíticas. Revista de Psicologia, Fortaleza, v. 7, n. 1, p. 115-128, jan./jun. 2016.

BARROS, J. P. P.; PAIVA, F. F. S.; RODRIGUES, J. S.; SILVA, D. B.; LEONARDO, C. dos S. Pacificação nas periferias: discursos sobre as violências e o cotidiano de juventudes em Fortaleza. Revista de Psicologia, Fortaleza, v. 9, p. 117-128, 2018.

BARROS, R. D. B.; PASSOS, E. A experiência cartográfica e a abertura de novas pistas. In: Eduardo Passos; Virginia Kastrup; Silvia Tedesco. (org.). Pistas do método de cartografia: a experiência da pesquisa e o plano comum. Porto Alegre: Sulina, 2014, p. 7-14.

BAUMAN, R.; BRIGGS, C. L. Poetics and performance as critical perspectives on language and social life. Annual Review of Anthropology , v. 19, Bernard J. Siegel, Ed. Palo Alto, Annual Reviews, Inc, 1990.

BAUMAN, Z. Globalização: as consequências humanas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

BOURDIEU, P. A juventude é apenas uma palavra. In: Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1984.

CALDEIRA, T. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. Rio de Janeiro: Editora 34, 2000.

CALVO, E. G. El envejecimiento de la juventud. Revista de Estudios de Juventud, v. 71, n. 1, p. 11-19, 2005.

CEARÁ. Cada Vida Importa: Relatório final do Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência. Fortaleza, 2016.

DAS, V. et al. (orgs.) Violence and subjectivity. Berkeley: University of California Press, 2004.

DELEUZE, G. A literatura e a vida. In: ______. Crítica e clínica. São Paulo: Ed. 34, 2011, p. 11-17.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília, Editora da UnB, 2001.

FELTRAN, G. A atualidade de A espoliação urbana. In: A espoliação urbana: impactos e desdobramentos (Debate), Ciclo “Cebrap 50 anos, obras fundamentais”. Novos Estudos Cebrap, 2017.

FERREIRA, I. C. B.; PENNA, N. A. Território da violência: um olhar geográfico sobre a violência urbana. GEOUSP - Espaço e Tempo, n. 18, p. 155-168, 2005.

FREITAS, G. J. ; PAIVA, L. F. S. Ecos da violência nas margens de uma sociedade democrática: o caso da periferia de Fortaleza. Sociedade e Cultura, v. 1, p. 115-128, 2016.

GORCZEVSKI, D. (org). Arte que inventa afetos. Fortaleza, Editora da UFC, 2017.

GROPPO, L. A. Teorias críticas da juventude: geração, moratória social e subculturas juvenis. Em Tese, v. 12, n. 1, p. 4-33, jan./jul., 2015.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. 2. Ed. Rio de janeiro: Ed. 34, 1994.

MACIEL, T. W. N.; ALENCAR, C. N.; SOUSA, A. O. B. Entextualizações em eventos de letramentos de arte e reexistência das juventudes: ressignificar para reexistir em contextos periféricos. Revista ABPN, v. 10, p. 651-676, 2018.

MAFFESOLI, M. O tempo das tribos. O declínio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1987.

MATURANA, H. R. Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: EDUFMG, 2002.

MOURA, R. Mapa da criminalidade e da violência em Fortaleza: Perfil da SER IV Disponível em: http://www.uece.br/covio/dmdocuments/regional_IV.pdf. Acesso em: 11 nov. 2017.

PAIS, J. M.. Culturas juvenis. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1993.

PASSOS, E. et al. (orgs.) Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015.

RAJAGOPALAN, K. Nova pragmática: fases e feições de um fazer. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. São Paulo: Hucitec, 1996.

SILVA, D. N.; ALENCAR, C. N. A propósito da violência na linguagem. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 55, n. 2, p. 129-146, jul./dez. 2013.

SILVA, R.; FREITAS, G. J. Práticas poéticas: juventude, violência e insegurança em Fortaleza. Tensões Mundiais, v. 14, n. 26, p. 129-155, jan./jun. 2018.

SILVA, R. Rede de afetos: práticas de re-existências poéticas na cidade de Fortaleza (CE). 2019. 212f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada). Programa de Pós-graduação em Sociologia. Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2019.

SILVA, D.; MARTINS FERREIRA, D.; ALENCAR, C. Nova pragmática. Modos de fazer. São Paulo: Cortez, 2014.

SOUSA SANTOS, B. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SOUSA SANTOS, B.; MENESES, M. P. (orgs.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Editora Almedina, p. 23-71, 2009.

SOUZA, A. L. S. Letramentos de reexistência: poesia, grafite, música, dança: Hip-Hop. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

SOUZA, F. Ceará sob ataque: como facções locais e nacionais se juntaram para dominar o crime no Estado. BBC News Brasil, São Paulo, 08 jan, 2019.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. O nativo relativo. Mana, v. 8, n. 1, p. 113-148, 2002.

WILLIAMS, R. Palavras-chave: um vocabulário de cultura e sociedade. São Paulo: Boitempo, 2007.

WINKIN, Y. A nova comunicação: da teoria ao trabalho de campo. Papirus: Campinas, 1998.

WITTGENSTEIN, L. Investigações Filosóficas. São Paulo: Nova Cultural, 1989 (Os Pensadores).

ZALUAR, A.Condomínio do Diabo: as classes populares urbanas e a lógica do ferro e do fumo,. In: PINHEIRO, P. S. (org.). Crime, violência e poder. São Paulo, Brasiliense, 1983.

_____.Teleguiados e chefes: juventude e crime. Religião e sociedade. ISER., v. 15, n. 1, p. 54-67, 1990.

_____. A criminalização de drogas e o reencantamento do mal. Revista do Rio de Janeiro. UERJ/Ayuri., v. 1, n. 8, p. 8-15, jan../jun. 1993.

_____.Juventude Violenta: Processos, Retrocessos e Novos Percursos, Dados, v. 55, p. 327-365, 2012.

Publicado
2019-06-12
Seção
Dossiê 2: Pragmáticas da vida social: perspectivas em linguagem e sociedade