BREVES ANÁLISES DO DISCURSO SOBRE LGBT NA IMPRENSA

Resumo

Este estudo consiste na análise de como homossexuais – lésbicas e gays –, bissexuais e pessoas transgêneras – travestis, transexuais e intersexuais – (LGBT), indivíduos historicamente excluídos de seus direitos sociais, são representados/as no jornal impresso de maior circulação do Brasil, a Folha de S. Paulo. O material que serviu de corpus ao trabalho foi composto por notícias sobre a realização do evento denominado Parada do Orgulho LGBT, ação coletiva organizada na cidade de São Paulo por pessoas que defendem a garantia da igualdade de direitos a LGBT.

Palavras-chave: LGBT. Folha de S. Paulo. Representação dos atores sociais.

Referências

BAKHTIN, M. (VOLOCHÍNOV, V. N.) Marxismo e filosofia da linguagem. Problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 11. Ed. Tradução Michel Lahud, Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Hucitec, 2004.

BORGES NETO, J. Ensaios de filosofia da linguística. São Paulo: Parábola, 2004.

CHOULIARAKI, L.; FAIRCLOUGH, N. Discourse in late modernity. Rethinking critical discourse analysis. Edinburgh: Edinburgh University Press, 1999.

FAIRCLOUGH, N. Analysing discourse: textual analysis for social research. Londres: Routledge, 2003.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Tradução Maria Izabel Magalhães (org.). Brasília: UNB, 2001.

LEAL, M. C. D. Quem são eles? A questão da identidade em manifestações de rua. In: SILVA, D. H. G.; LEAL, M. C. D.; PACHECO, M. C. N. (orgs.) Discurso em questão. Representação, gênero, identidade, discriminação. Goiânia: Cânone Editorial, 2009. p. 115-126.

MAGALHÃES, I. Análise de discurso crítica: questões e perspectivas para a América Latina, In: RESENDE, V.; PEREIRA, F. H. Práticas socioculturais e discurso. Debates transdisciplinares. (orgs.) LabCom Books, 2010. p. 09-28.

MELO, I. F. Análise crítica do discurso. Um estudo da representação de LGBT em jornais de Pernambuco. Recife: EDUFPE, 2010.

PEDRO, E. R. Análise crítica do discurso: aspectos teóricos, metodológicos e analíticos. In: ______. (org.). Análise crítica do discurso: uma perspectiva sociopolítica e funcional. Lisboa: Caminho, 1997. p. 19-46. (Coleção universitária. Série Linguística)

PEDROSA, C. E. F. Gênero textual “frase”: marcas do editor nos processos de retextualização e (re)contextualização. 2004. 185f. Tese (Doutorado em Letras) – Departamento de Letras, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2004.

SOUSA SANTOS, B. Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social. São Paulo: Boitempo, 2009.

SPIVAK, G. C. The new subaltern: a silent interview. In: CHATURVEDI, V. Mapping sublatern studies and the postcolonial. Londres: Verso, 2000. p. 324-340.

VAN DIJK, T. A. Multidisciplinarity CDA: a plea for diversity. In: WODAK, R..; MEYER, M. (orgs.) Methods of critical discourse analysis. 2. ed. Londres: Sage, 2005, p. 95-120.

VAN DIJK, T. A. Discurso e poder. Tradução Judith Hoffnagel. São Paulo: Contexto, 2008.

Publicado
2019-06-12
Seção
Dossiê 2: Pragmáticas da vida social: perspectivas em linguagem e sociedade