DISCURSO E DIÁSPORA AFRICANA: CABELO E IDENTIDADE ENTRE ESTUDANTES DA UNILAB-BRASIL

Resumo

Este artigo tem foco no campo da linguagem, especificamente na Lingüística Aplicada Transgressiva e estabelece relações entre Identidades, Africanidades e Diáspora. Discutiremos sobre um grupo do Facebook dentro da Unilab, criado em 2015, na cidade de Redenção. O grupo acrescentou estudantes de diferentes países africanos em torno do tema do cabelo e do uso em seu estado natural. Mais do que identificação com o movimento entre jovens mulheres negras para ter seus afros cabelos, havia uma necessidade de procurar responder o que significava ser uma estudante negra africana em uma cidade conhecida por ser a primeira a "abolir" a escravidão no Brasil.

Palavras-chave: Linguagem. Discurso. Identidades. Diáspora. Migração.

Referências

AUSTIN, J. L. How to do things with words. 2.ed. Cambridge: Harvard University Press, 1975.

BLOMMAERT, J. Context is/as critique. Critique of Anthropology, v. 21, n. 13, p.13-32, 2001.

BUTLER, J. Excitable speech: a politics ofthe performative. London and New York: Routledge, 1997.

CRENSHAW, K. Background paper for the expert meeting on gender related aspects of race discrimination. 2002. Disponível em: www.wuceh.addr.cin/wcar_docs/crenshaw.html. Acesso em: 22 fev. 2018.

DE CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

GOMES, N. L. Educação, identidade negra e formação de professores/as: um olhar sobre o corpo negro e o cabelo crespo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 29, n.1, p. 167-182, jan./jun. 2003.

HALL, S. Da Diáspora: Identidades e Mediações Culturais. Belo Horizonte: EDUFMG, 2003.

hooks, bel. Teaching to transgress: education as the practice of freedom. New York: Routledge, 1994.

hooks, bel. “Straightening Our Hair” in Talking Back: Thinking Feminist, Thinking Black. New York: South End Press, 1989.

MATTOS, G. I. Estética afro-diaspórica e o empoderamento crespo. Pontos de Interrogação, Revista do Programa de Pós-Graduação em Crítica Cultural, Alagoinhas, BA, v. 5, n. 2, jul./dez., 201.5.

MOITA LOPES, L. P. (org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

MUNIZ, K. Linguagem e Identificação: uma contribuição para o debate sobre ações afirmativas para negros no Brasil. 2009. 204f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, 2009.

PENNYCOOK, A. Critical applied linguistics: a critical introduction. Londres: Routledge, 2001.

PENNYCOOK, A. Uma linguística aplicada transgressiva. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

PINTO, J. P. De diferenças e hierarquias no quadro Adelaide às análises situadas e críticas na Linguística Aplicada. DELTA, v. 31, n. especial, p. 199-221, 2015.

RAJAGOPALAN, K. Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola, 2003.

SOUZA, A. L. S. Letramento da reexistência. Poesia, grafite, música, dança: hip-hop. São Paulo: Parábola, 2011.

SOUZA, L. F. Migração e identidade racial: experiências de jovens estudantes luso-africanos em universidades goianas. In: Anais do XI ENCONTRO NACIONAL DA ANPEGE. Porto Alegre: UFRGS, 2015. p. 6129-6137.

WALSH, C. Interculturalidad Crítica/Pedagogia decolonial. Memórias del Seminário Internacional Diversidad, Interculturalidad y Construcción de Ciudad, Bogotá: Universidad Pedagógica Nacional, abr. 2007.

Publicado
2019-06-12
Seção
Dossiê 2: Pragmáticas da vida social: perspectivas em linguagem e sociedade