CAMINHOS DA PESQUISA EM PRAGMÁTICA: POLIDEZ, VIOLÊNCIA E GÊNERO

Resumo

Com o objetivo de ilustrar algumas perspectivas epistemológicas emergentes da pesquisa no campo dos estudos pragmáticos no Brasil, este artigo apresenta uma cartografia teórico-analítica de duas pesquisas desenvolvidas no âmbito da linha “Pragmática e Minorias Sociais”, do Grupo do de Estudos em Linguagem, Interação e Sociedade da Universidade Federal de Sergipe (Gelins/ UFS), Brasil, entre os anos de 2016 e 2018. Grosso modo, tais pesquisas revisitam questões atinentes às discussões sobre face, polidez e violência linguística, levantadas a partir da análise de eventos interacionais online nos quais a violência de gênero é linguisticamente praticada/disputada. Ao final do trabalho, sinalizam-se algumas problematizações que tais pesquisas ensejam oferecer ao polissêmico campo de estudos da linguagem em uso, bem como assinalamos caminhos possíveis para um pesquisa em Pragmática Linguística efetivamente social e crítica.

Palavras-chave: Pragmática. Interações online. Violência Linguística. Polidez. Gênero.

Referências

ALENCAR, C. N. FERREIRA, D. M. M. Rajagopalan interpretando Austin: descolonialidades na nova pragmática do hemisfério sul. Delta, n. 32, v. 3, p. 613-632, 2016.

AUSTIN, J. L. How to do things with words. 2.ed. Oxford: Oxford University Press, 1962.

BENTO, B. A (re)invenção da transexualidade: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

BORBA, R.; OSTERMANN, A. C. Gênero ilimitado: a construção discursiva da identidade travesti através da manipulação do sistema de gênero gramatical. Estudos Feministas, v. 16, p. 409-432, 2008.

BROWN, P.; LEVINSON, S. Politeness: some universals in language use. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, J. Excitable speech: a politics of the performative. London: Routledge, 1997.

DERRIDA, J. Limited Inc. Campinas: Papirus, 1991.

DURANTI, A.; GOODWIN, C. Rethinking context. Language as an interactive phenomenon. Studies in the social and cultural foundations of language. Cambridge: Cambridge University Press, 1992.

FIORIN, J. L.; FLORES, V. N.; BARBISAN, L. B. B. Saussure: a invenção da Linguística. São Paulo: Contexto, 2013.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

GOFFMAN, E. A elaboração da face: uma análise dos elementos rituais na interação social. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1980.

GOFFMAN, E. Interaction Ritual: essays on face-to-face behavior. New York: Pantheon Books, 1967[1955], p. 5-45.

GUMPERZ, J. Convenções de contextualização. In: RIBEIRO, B. T.; GARCEZ, P. M. (orgs.) Sociolinguistica Interacional. Porto Alegre: Age, 1998 [1982], p. 149-182.

HANKS, W. F. Língua como prática social: das relações entre língua, cultura e sociedade a partir de Bourdieu e Bakhtin. São Paulo: Cortez, 2008.

KERBRART-ORECCHIONI, C. Análise da conversação: princípios e métodos. São Paulo: Parábola, 2006.

LAKOFF, R. The logic of politeness: or, Minding your P’s and Q’s. Papers from the Ninthe Regional Meeting of the Chicago Linguistic Society, 1973.

LEECH, G. Principles of pragmatics. London: Longman, 1983.

LOURO, G. L. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

MEY, J. Pragmática, sociedade (e a alma), uma entrevista com Jacob Mey. Delta, v. 30, n. 1, p. 161-179. 2012. Entrevista concedida a Daniel do Nascimento e Silva.

PINTO, J. P. Pragmática. In: MUSSALIM, F.; BENTES, A. C. (orgs.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, 2012, p. 55-80.

RJAGOPALAN, K. Linguagem, sociedade e política: um diálogo com Kanavillil Rajagopalan sobre a Nova Pragmática. Polifonia, no prelo. Entrevista concedida a Danillo da Conceição Pereira Silva.

RJAGOPALAN, K. Nova pragmática: fases e feições de um fazer. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

RIBEIRO, V. A. F. Estratégias de construção de face no ciberespaço: o assédio sexual em cena. 2018. 90f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2018.

SEARLE, J. Speech acts: an essay in the philosophy of language. Cambridge: Cambridge University Press, 1969.

SILVA, D. C. P. Atos de fala transfóbicos no ciberespaço: uma análise pragmática da violência linguística. 2017. 200f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2017.

SILVA, D. N. Investigating violence in language: an introduction. In: SILVA, D. N. Language and violence: pragmatic perspectives (org.). Amsterdan: John Benjamins Publishing Company, 2017b, p. 1-28.

SILVA, D. N.; ALENCAR, C. N. A propósito da violência na linguagem. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 55, n. 2, p. 129-146, 2013.

SILVA, D. N.; ALENCAR, C. N.; FERREIRA, D. M. M. Nova Pragmática: modos de fazer. São Paulo: Cortez, 2014.

SILVESTREIN, M. Metapragmatic discourse and metapragmatic function. In: LUCY, J. (org.) Reflexive language: reported speech and metapragmatics. Cambridge: Cambridge University Press, 1993, p. 33-58.

WHATTS, R. J. Politeness. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.

Publicado
2019-06-12
Seção
Dossiê 2: Pragmáticas da vida social: perspectivas em linguagem e sociedade