A PALAVRA ECOPOÉTICA DE CECÍLIA MEIRELES

Resumo

Este ensaio pretende refletir sobre as relações entre poesia, educação e compromisso social de Cecília Meireles, percorrendo a visão ecopoética na leitura de sua obra. Objetiva-se, com isso, destacar sua ética pacifista tanto como educadora quanto como poeta, tomando como ponto principal de análise comparativa os poemas “Lamento do oficial por seu cavalo morto”, do livro Mar absoluto (1945), e “Elegia a uma pequena borboleta”, de Retrato natural (1949).

PALAVRAS-CHAVE: Cecília Meireles. Ecopoesia. Lírica social. Pacifismo.

Referências

ARENDT, H. Sobre a violência. Trad. André Duarte. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

GOUVÊA, L. V. B. Pensamento e “lirismo puro” na poesia de Cecília Meireles. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

MEIRELES, C. Asas de borboletas. In: ______. Crônicas de educação. 2ª. ed. São Paulo: Global, 2017, v. 4, p. 61-62.

______. Notícia biográfica. In: ______. Obra poética. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Aguilar, 1967, p. 75-89.

______. Poesia completa:edição do centenário. Organização de Antonio Carlos Secchin. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001, 2 v.

MOURA, M. M. O mundo sitiado: a poesia brasileira e a segunda guerra mundial. São Paulo: Editora 34, 2016.

PAZ, O. Poesia de solidão e poesia de comunhão. In: ______. A busca do presente e outros ensaios. Trad. Eduardo Jardim. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2017, p. 11-37.

SADLIER, D. J. Imagery and theme in the poetry of Cecília Meireles. Madrid: Studio Humanitatis, 1983.

Publicado
2020-01-05
Seção
Parte 1 - (Eco)Feminismos e intersecções