INDÍCIOS DE AUTORIA EM MEDIAÇÕES COM TEXTOS POÉTICOS

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar produções textuais de alunos do 7º ano do Ensino Fundamental de uma escola pública do município de Uberaba/MG, visando identificar indícios de autoria que resultaram do trabalho de leitura e interpretação de poesias. As produções analisadas compõem os resultados de uma pesquisa que focou a constituição de leitor com base na leitura significativa, contextualizada e colaborativa nas aulas de Língua Portuguesa. A proposta de intervenção, realizada para pesquisa e escrita da dissertação de mestrado para obtenção do título de mestre, pela primeira autora deste artigo, no Profletras da UFTM, foi composta pela produção e aplicação de uma sequência didática, tal como proposta por Cosson (2014). Além das poesias, foram usados, para despertar a identificação dos alunos com a proposta de leitura, vídeos, músicas e imagens. A base teórica de análise está composta por Possenti (2002), Bakhtin (2003), Geraldi (2013) e Zilberman (2009). Com as análises, concluímos que o diálogo e trabalho com os recursos linguísticos, desenvolvidos pelo aluno com o texto poético, são constitutivos de um sujeito que, ao interpretar, deixa importantes indícios sobre a constituição da autoria.

Palavras-chave: Poesia. Mediação. Leitura. Escrita. Autoria.

Biografia do Autor

Íris Procópio Dias Santana, UFTM, Prefeitura Municipal de Guaíra-SP

Mestre em Letras pela Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Professora e Psicopedagoga da Prefeitura Municipal de Guaíra-SP. Orcid.org/0000-0002-4118-7057. E-mail: irisprocopio@hotmail.com.

Marinalva Vieira Barbosa, Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM

Doutora em Linguística pela Unicamp, professora do Departamento de Linguística e Língua Portuguesa da UFTM. Orcid.org/0000-0002-3538-8821. E-mail: marinalva.barbosa@uftm.edu.br.

Referências

AZEVEDO, R. Você diz que sabe muito, borboleta sabe mais! São Paulo: Moderna, 2007.

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. 4.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BANDEIRA, M. Berimbau e outros poemas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

BANDEIRA, M. Palavras de encantamento. São Paulo: Moderna, 2001.

BARROS, Manoel de. Memórias inventadas: a infância. São Paulo: Planeta, 2003.

BILAC, O. Palavras de encantamento. São Paulo: Moderna, 2001.

BRASÍLIA Rádio Justiça de. Programa Entretexto: Entrevista com Fátima Miguez. 11’21’’. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=cJtXIxMnQgM>. Acesso em 10 de agosto de 2017.

CANTON, K. Poema para dali. São Paulo: Nova Escola, 2007. Disponível em: <https://novaescola.org.br/conteudo/7285/poema-pra-dali>. Acesso em 11 de fev. 2020.

CAPARELLI, S. Come vento. Porto Alegre: L&PM, 1988.

CARVALHO, L. F. de. Poesia na sala de aula: as contribuições da poesia à formação do leitor literário. In: Anais, 2010, Natal, RN. Anais (on-line). Natal: UFRN, 2010. Disponível: <http://www.cchla.ufrn.br/shXIX/anais/GT12/POESIA_ARTIGO_HUMANIDADES.pdf>. Acesso em 10 de fev. 2020.

CERTEAU, M. De. A invenção do Cotidiano – Artes de fazer. 4ª ed. Petropolis: Editora Vozes, 1999.

COSSON, R. Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2014.

CULTURA Quintal da. Histórias de Papel: A Boneca. Olavo Bilac. 05/12/2014. 3’01’’. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=mZZyACMf7bw>. Acesso em 19 de agosto de 2017.

ESTRALO Banda. Estralos Poéticos: Convite. José Paulo Paes. 2’10’’ de 2016. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=GXvIAtCxSHs>. Acesso em 13 de fevereiro de 2020.

GENIAL, Cultura. Disponível em: <https://www.culturagenial.com/a-persistencia-da-memoria-de-salvador-dali/>. Acesso em 12 de fevereiro de 2020.

GERALDI, W. Leitura e mediação. In: BARBOSA, J. B.; BARBOSA, M.V. (Orgs.) Leitura e mediação: reflexões sobre a formação do professor. Campinas: Mercado das Letras, 2013. p. 25-48.

GULLAR, F. Palavras de encantamento. São Paulo: Moderna, 2001.

JOSÉ, E. E sempre era uma vez. São Paulo: Escala Educacional, 2008.

JOSÉ, E. Palavras de encantamento. São Paulo: Moderna, 2001.

LEMINSKI, P. Na onda dos versos. São Paulo: Ática, 2003.

MEIRELES, C. Poesia completa. 4 ed. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1993.

MIGUEZ, F. Paisagens brasileiras. São Paulo: DCL, 2003.

MORAES, V. A arca de noé. São Paulo: Companhia das letrinhas, 2004.

PAES, J. P. Poemas para brincar. São Paulo: Ática, 1991.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

PESSOA, F. O almirante louco. São Paulo: Comboio de Corda, 2007.

PETIT, M. Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva. São Paulo: Editora 34, 2008.

POSSENTI, S. Indícios de autoria. In: Perspectiva 20 (1). Expressando a língua portuguesa e seu ensino. Florianópolis: Editora da UFSC, 2002. pp.104-123.

QUINTANA, M. Palavras de encantamento. São Paulo: Moderna, 2001.

RAFAEL Juh. A Bailarina: Cecília Meireles. Stop Motion. 1’29’’. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=iqrs6s15IcQ>. Acesso em 10 de agosto de 2017.

ROCHA, R. Quem tem medo de dizer não? São Paulo: Salamandra, 2012.

SCHULZ, R. A. (2007). The challenge of assessing cultural understanding in the context of foreign language instruction. Foreign Language Annals, 2007, p. 9-26.

VEVO ChicoVinicius. MPB4: O Pato. Vinícius de Moraes. 2’07’’ de 2016. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=CmEjwZMR1E4>. Acesso em 12 de fevereiro de 2020 e convertido em mp3.

ZIGG, I. Eu hein!: canção e ilustração gótica aterrorizante. São Paulo: Nova Escola, 2007. Disponível em: <https://novaescola.org.br/conteudo/3184/eu-hein>. Acesso em 11 fev. 2020.

ZILBERMAN, R. Que literatura para a escola? Que escola para a literatura? Passo fundo: Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Passo Fundo – V. 5, n. 1, p. 9-20, jan/jun, 2009.

ZISKIND, H. O elefante e a joaninha. São Paulo, 2011. (Álbum).

Publicado
2020-07-31
Seção
Leituras literárias compartilhadas