DIREITOS HUMANOS E LITERATURA: A DITADURA PELOS OLHOS DAS MULHERES

Resumo

Neste artigo, discuto como as narrativas pós-ditatoriais escritas por mulheres revelam as perseguições de gênero e problematizam as violações dos direitos humanos ontem e hoje no Brasil. Para isso, a análise se centra na literatura de Adriana Lisboa, Azul Corvo (2014), e de Maria Pilla, Volto semana que vem (2015). No desenvolvimento das reflexões, uso um conjunto de estudos, destaco as considerações de Elizabeth Jelin (2002), de Eurídice Figueiredo (2017) e Lilia Schwarcz (2019). A partir da relação da literatura com a memória e a história, podemos conhecer mais os horrores que sofreram as mulheres no contexto ditatorial, a partir da lógica repressora que considerava o gênero em violências verbais e físicas, por exemplo, no momento de deter, torturar e assassinar não apenas militantes, mas também as mulheres da rede familiar das pessoas acossadas pelo Estado.      

Palavras-chave: Mulher e ditadura. Literatura brasileira contemporânea. Adriana Lisboa. Maria Pilla.

Biografia do Autor

Thays Keylla de Albuquerque, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB

Doutora pelo PPGL/UFPE, em 2020. Professora efetiva de Língua Espanhola Da UEPB (Campina Grande). Integra o Grupo de Estudos de Literatura e Crítica Contemporâneas (GELCCO, CNPq/UEPB).

Referências

ASSMANN, Aleida. Espaços da Recordação: formas e transformações da memória cultural. Tradução de Paulo Soethe. Campinas: Editora da Unicamp, 2011.

BRASIL. Comissão Nacional da Verdade. Depoimentos de vítimas civis. Brasília: CNV, 2014. Disponível em: http://cnv.memoriasreveladas.gov.br/todos-volume-1/653-v%C3%ADtimas-civis.html Acesso em: 25 nov. 2018.

FIGUEIREDO, Eurídice. A Literatura como arquivo da ditadura brasileira. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2017.

GINZBURG, Jaime. Escritas da Tortura. IN: TELES, Edson; SAFATLE, Vladimir. (Orgs.). O que resta da ditadura? A exceção brasileira. São Paulo: Boitempo, 2010.

GINZBURG, Jaime. Crítica em tempos de violência. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo (FAPESP), 2012.

AVELAR, Idelber. Figuras da violência: ensaios sobre narrativa, ética e música popular. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

JELIN, Elizabeth. Los trabajos de la memoria. Madrid: Siglo Veintiuno Editores, 2002.

LEAL, Beatriz. Mulheres que mordem. Rio de Janeiro: Motor, 2015.

LISBOA, Adriana. Azul Corvo. Rio de Janeiro: Objetiva, 2014.

PAIVA, Marcelo Rubens. Ainda estou aqui. Rio de Janeiro: Objetiva, 2015.

PILLA, Maria. Volto semana que vem. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alain François et.al. Campinas: Editora da UNICAMP, 2007.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria de análise histórica. Educação e Realidade, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995. Disponível em: <https://docs.google.com/file/d/0B1cHNDJbqFSpSWw2blFLWElSOG16MmdwU05mNEFNUQ/edit?pli=1>. Acesso em: 29 ago. 2016.

Publicado
2020-11-30
Seção
Leituras literárias compartilhadas