ENSINO DE LITERATURA, LEITURA LITERÁRIA E LETRAMENTO LITERÁRIO: UMA DESAMBIGUAÇÃO

Resumo

O ensino de literatura, embora possa ser rastreado em textos que remontam à Antiguidade, somente a partir da segunda metade do século XX passa a receber maior atenção de estudiosos, constituindo-se em um espaço de reflexão na confluência das áreas de Educação e Letras. Nessas duas primeiras décadas do século XXI, esse espaço tem se expandido e já parece indicar um campo de estudo específico, o que tem levado ao uso frequente e polissêmico dos termos ensino de literatura, leitura literária e letramento literário como sinônimos ou, pelo menos, intercambiáveis. Neste estudo, propomos realizar uma desambiguação desses três termos e estimular a discussão sobre seus limites conceituais por meio de uma reflexão crítico-bibliográfica.

PALAVRAS-CHAVES: Ensino de literatura. Leitura literária. Letramento literário. Desambiguação.

Biografia do Autor

Rildo Cosson, Universidade Federal da Paraíba - UFPB

Doutor em Letras pela UFRGS e Educação pela UFMG; Professor visitante do Programa de Pós-Graduação em Letras da UFPB; Researcher ID: H-6621-2017; Scopus Author: 56351635600.

Referências

ALVES, M. A ratio studiorum jesuítica no espírito do trivium. Revista de Cultura Teológica, [S.l.], n. 89, p. 198-218, set. 2017. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/culturateo/article/view/rct.i89.34460/23673. Acesso em: 17 jun. 2020.

BRADSHAW, T. Reading at risk: a survey of literary reading in America. Washington: National Endowment for the Arts, 2004. Disponível em: https://www.arts.gov/sites/default/files/ReadingAtRisk.pdf. Acesso em: 10 jun. 2017.

BUZEN, C. A fabricação da disciplina escolar Português. Revista Diálogos Educacionais, v. 11, n. 34, p. 885-911, 2011.

CABEZUDO, M. A. S. Investigação de métodos de desambiguação lexical de sentidos de verbos do português do Brasil. 2015. Dissertação. Mestrado em Ciências de Computação e Matemática Computacional. Universidade de São Paulo, São Carlos, 2015. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.11606/D.55.2016.tde-07012016-112043. Acesso em: 28 abr. 2020.

CAMBI, F. História da pedagogia. São Paulo: Unesp, 1999.

CARNEIRO, R. e GORDON, J. Warranting our future: literacy and literacies. European Journal of Education, n. 48, p. 476-497, 2013. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/ejed.12055. Acesso em: 15 abr. 2020.

CHAPANSKI, G. Uma tradução da tékhne grammatike de Dionísio Trácio para o português. Dissertação. Mestrado em Letras. Universidade Federal do Paraná. 2003.

COSSON, R. Letramento Literário: uma localização necessária. Letras & Letras, v. 31, n. 3, p. 173-187, 29 jun. 2015. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/view/30644 Acesso em: 10 abr. 2020.

COSSON, R. Círculos de leitura e letramento literário. São Paulo: Contexto, 2014.

COSSON, R. Mother tongue education in Brazil: a battle of two worlds. L1-Education Studies in Language and Literature, v. 7, n. 1, p. 37-52, 2007. Disponível em: https://doi.org/10.17239/L1ESLL-2007.07.01.04. Acesso em: 13 out. 2020.

COSSON, R. O apagamento da literatura na escola. Investigações - Linguística e Teoria Literária, v. 15, p. 113-120, jul. 2002.

COSSON, R. Paradigmas do ensino da literatura. São Paulo: Contexto, 2020.

COSSON, R. e PAULINO, G. Letramento literário: para viver a literatura dentro e fora da escola. In: RÖSING, T. M.K; ZILBERNAM, R. (Orgs.). Escola e leitura: velha crise, novas alternativas. São Paulo: Global, 2009, p. 61-79.

CULLER, J. Literary competence. In: FREEMAN, D. C. (Ed.). Essays in Modern Stylistics. London & New York: Routledge Library Editions, 1981.

EZQUERRO, A. M. De la retórica y poética a la literatura: contexto educativo, disciplinas y manuales en el siglo XIX. Dicenda. Cuad Filol. Hisp. 35, p. 185-203, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5209/DICE.57707. Acesso em: 15 abr. 2020.

FAILLA, Z. (Org.). Retratos da leitura no Brasil 4. Rio de Janeiro: Sextante, 2016.

FARIAS, E. M. P. Uma breve história do fazer lexicográfico. Trama, v. 3, n. 5, p. p. 89-97, out. 2007. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/trama/article/view/961. Acesso em: 18 abr. 2020.

FISH, S. Is there a text in this class?: the authority of interpretive communities. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 1995.

FRANCA, L. O método pedagógico dos jesuítas. Rio de Janeiro: Agir, 1952.

GEE, J. P. Social linguistics and literacies: ideology in discourses. 2 ed. London: Taylor & Francis, 1996.

GREEN, B. A Literacy Project of Our Own? English in Australia, n. 134, June, p. 25-32. 2002. Disponível em: https://search.informit.com.au/documentSummary;dn=565490488940709;res=IELHSS. Acesso em: 05 jan. 2020.

GREEN, B. English, Rhetoric, Democracy; or, Renewing English in Australia. English in Australia, v. 43, n.3, p. 35-44, 2008. Disponível em: https://search.informit.com.au/documentSummary;dn=599658635025681;res=IELHSS. Acesso em: 10 abr. 2020.

HOUDART-MÉROT, V. e ALBANESE, R. Literary Education in the “Lycée”: Crises, Continuity, and Upheaval since 1880. Yale French Studies, n. 113, p. 29-45, 2008. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/20479399. Acesso em: 11 maio 2020.

ISER, W. The act of reading: a theory of aesthetic response. London: Routledge & Kegan Paul, 1978.

LUKOSEVICIUS, A. P.; MARCHISOTTI, G. G.; SOARES, C. A. P. Panorama da complexidade: principais correntes, definições e constructos. Sistemas & Gestão, v. 11, n. 4, p. 455-465, 2017. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.20985/1980-5160.2016.v11n4.1157 Acesso em: 20 jun. 2020.

LUNA, T. S.; MARCUSCHI, B. Letramentos literários: o que se avalia no exame nacional do ensino médio?. Educ. Rev., v. 31, n. 3, p. 195-224, set. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-46982015000300195&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 26 jun. 2020.

MARTINS, S. M. D. A definição em terminologia: perspectivas teóricas e metodológicas. Tese. Doutorado em Linguística. Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2015. Disponível em: http://hdl.handle.net/10362/16283. Acesso em: 18 abr. 2020.

MELO, M. A. e SILVA, L. H. O. O leitor atrapalhado e a formação docente. Revista Brasileira de Literatura Comparada, n. 35, p. 63-75, 2018. Disponível em: http://revista.abralic.org.br/index.php/revista/article/view/493. Acesso em: 18 abr. 2020.

PIEPER, I. el al. Text, literature and “Bildung”. Strasbourg: Language Policy Division: Council of Europe, 2007. Disponível em: http://www.scholarism.net/FullText/2013195.pdf. Acesso em: 20 out. 2019.

PLUTARCO. Vidas paralelas. Tomo V. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=6711. Acesso em: 09 maio 2013.

RAZZINI, M. P. G. O espelho da nação: a antologia nacional e o ensino de português e de literatura (1838-1971). Tese de doutorado. São Paulo, UNICAMP, 2000. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/270144. Acesso em: 10 jun. 2016.

RAZZINI, M. P. G. História da Disciplina Português na Escola Secundária Brasileira. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 4, p. 43-58, jan./jun. 2010. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revtee/article/download/2218/1889. Acesso em: 14 jun. 2019.

REYNOLDS, S. Medieval Reading: grammar, rhetoric and the classical texts. Cambrigde: University Cambrigde Press, 2004.

RINCON, F. La lengua y la literatura en la enseñanza secundaria. Revista Interuniversitaria de Formación del Profesorado, v. 18, p. 141-153, 1993. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=117798. Acesso em: 10 jun. 2019.

RODENBECK, J. Literary Alexandria. The Massachusetts Review, v. 42, n. 4, p. 524–572, 2001. Disponível em: www.jstor.org/stable/25091800. Acesso em: 17 jun. 2020.

RODRIGO, L. M. Platão contra as pretensões educativas da poesia homérica. Educ. Soc., Campinas,v. 27, n. 95, p. 523-539, agosto 2006. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-73302006000200010. Acesso: 16 jun. 2020.

ROSENBLATT, L. La literatura como exploración. México, DF: Fondo de Cultura Económica, 2002. Edição original: 1938.

SCHOLES, R. Protocolos de leitura. Lisboa: Edições 70, 1991.

SILVA, V. S. da. Desambiguação automática de substantivos em corpus do português brasileiro. 2016. Dissertação. Mestrado em Semiótica e Linguística Geral. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.11606/D.8.2016.tde-13122016-131107. Acesso em: 28 abr. 2020.

SOARES, M. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica. 1998.

SOARES, M. Português na escola – História de uma disciplina curricular. In: BAGNO, Marcos (Org.). Linguística da norma. São Paulo: Loyola, 2002.

SPECIA, L. Uma abordagem híbrida relacional para a desambiguação lexical de sentido na tradução automática. 2007. Tese. Doutorado em Ciências de Computação e Matemática Computacional. Universidade de São Paulo, São Carlos, 2007. Disponível em: DOI: https://doi.org/10.11606/T.55.2007.tde-05122007-205308. Acesso em: 28 abr. 2020.

STREET, B. Literacy in theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

STREET, B. What’s “new” in New Literacy Studies? Critical approaches to literacy in theory and practice. Current Issues in Comparative Education, v. 5, n. 2, p. 77-91, 2003. Disponível em: http://www.tc.columbia.edu/cice/Archives/5.2/52street.pdf. Acesso em: 28 jun. 2007.

Publicado
2021-05-20
Seção
Leituras temáticas: da ficção contemporânea à lírica feminina