ESCRITA COMO PROCESSO DE RESISTÊNCIA

Palavras-chave: Escrita, Identidade, Resistência

Resumo

O presente artigo lança um olhar sobre o romance Quarenta Dias (2014), de Maria Valéria Rezende, em que a escrita é utilizada como ferramenta de libertação de si e construção de identidade. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica-descritiva baseada em teóricos como: Bourdieu (1989), Mary Del Priori (2004), Michelle Perrot (2012), Regina Zilberman e Mariza Lajolo (2011), entre outros. Sem capital simbólico, as mulheres não puderam contar sua própria história. Contudo, a partir do momento em que passam a dominar a escrita, tem início seu processo de identificação pessoal e libertação social.

Biografia do Autor

Luciana Bessa Silva, Universidade Federal do Ceará - UFC

Doutora em Letras pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professora do Centro Universitário Dr. Leão Sampaio.

Referências

BÍBLIA SAGRADA. São Paulo: Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil: 1994.

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Trad. João Wanderley Geraldi. Jan/Fev/Mar/Abr nº 19. Rio de Janeiro: ANPED, 2002.

BOURDIE, P. Sobre o poder simbólico. In: O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand, 1989, p. 7-16.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 11. ed. – Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HEIDEGGER, M. A caminho da linguagem. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Universitária São Francisco, 2003.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. 14. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2005.

LAJOLO, M.; ZILBERMAN, R. A formação da leitura no Brasil. São Paulo: Ática, 2011.

PERROT, M. Os excluídos da História: operários, mulheres e prisioneiros. 2 Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1992.

PERROT, M. Escrever uma história das mulheres: relato de uma experiência. Cadernos Pagu - fazendo história das mulheres, n. 4, p .9-28, 1995.

PRIORE, M. História das mulheres no Brasil. Carla Bassanezi (Coord. de textos). 7. ed. São Paulo: Contexto, 2004.

REZENDE, M. V. Quarenta Dias. Rio de Janeiro: Objetiva, 2014.

ROGERS, C. Um jeito de ser. São Paulo: EPU, 1983.

TOMÉ, D. C; QUADROS, R. S. A educação feminina durante o Brasil colonial . In: Anais da Semana da pedagogia da UEM, 1, 2012, Maringá.

Publicado
2021-11-20
Seção
Literatura de autoria feminina entre revisões e enfrentamentos