SILÊNCIO E TRANSGRESSÃO NO CONTO DE CONCEIÇÃO EVARISTO, “MACABÉA, FLOR DE MULUNGU”

Palavras-chave: Literatura afro-brasileira, Silenciamento, Resistência

Resumo

O artigo em questão pretende discutir questões relacionadas ao silêncio e silenciamento das identidades pertencentes a grupos não hegemônicos da sociedade para a compreensão da capacidade de subversão que a palavra literária pode alcançar no que diz respeito à manutenção ou reversão dos estereótipos ligados a essas identidades. Assim, partiremos da leitura do conto de Conceição Evaristo, “Macabéa, flor de Mulungu” e do romance de Clarice Lispector, A hora da estrela para evidenciar o que denominamos poéticas do silêncio ora como negação, nos processos de silenciamento, e ora como transgressão, num gesto de denúncia.

Biografia do Autor

Cristiane Côrtes, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

CÔRTES, Cristiane. Doutora em Literatura Comparada pela UFMG, professora do departamento de Linguagens, CEFET MG, campus Nepomuceno. Pesquisadora dos grupos de pesquisa GELLDIS e LLEME, CEFET MG; NEIA, UFMG. Lattes: http://lattes.cnpq.br/2327495957407220.

Referências

EVARISTO, C. Gênero e etnia: uma escre(vivência) da dupla face. MOREIRA, N. M. B.; SCHNEIDER, L. (Org.). Mulheres no mundo, etnia, marginalidade e diáspora. João Pessoa: Idéia, 2005. p. 201-212.

EVARISTO, C. Macabéa, Flor de Mulungu. In: GUIMARÃES, M. R.; MAFFEI, L. (Org.). Extratextos 1: Clarice Lispector, personagens reescritos. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2012. p. 13-23.

LISPECTOR, C. A hora da estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 1999a.

MOREIRA, T. T. Silêncio, trauma e escrita literária. In: DUARTE, C. L.; CÔRTES, C.; PEREIRA, M.R. A. Escrevivências: identidade, gênero e violência na obra de Conceição Evaristo. Belo Horizonte: Idea, 2016. p. 109-119.

DALCASTAGNÈ, R. Entre silêncios e estereótipos: relações raciais na literatura brasileira contemporânea. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea. Brasília. UnB, n. 31, p. 87-110, 2008. Disponível em: http://repositorio.unb.br/handle/10482/9620. Acesso em: 9 junho de 2021.

DERRIDA, J. A escritura e a diferença. Trad. Maria Beatriz da Silva. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1995.

DERRIDA, J. Força de lei. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

DUARTE, E. d. A. Por um conceito de literatura afro-brasileira. In: Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica. v. 4 (História, teoria, polêmica). Belo Horizonte: Editora UFMG.

FIGUEIREDO, E. Representação de etnicidade: perspectivas interamericanas de literatura e cultura. Rio de Janeiro: 7Letras, 2010.

ISER, W. Teoria da recepção: reação a uma circunstância histórica. In: ROCHA, J. C. (Org.). Teoria da ficção: indagações à obra de Wolfgang Iser. Trad. Bluma Waddington e João César de Castro Rocha. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 1999.

MARTINS, L. Lavrar a palavra: uma breve reflexão sobre Literatura afro-brasileira. In: MARTINS, L. (Org.). Um tigre na floresta de signos: estudos sobre poesia e demandas sociais no Brasil. Belo Horizonte: Mazza, 2010. p. 132-141.

ORLANDI, E. As formas do silêncio. Capinas: Editora da Unicamp, 1995.

PERROT, M. As mulheres ou os silêncios da história. Trad. de Viviane Araújo. São Paulo: Edusc, 2005.

SCHECHNER, R. O que é performance? O Percevejo, ano 11, n. 12, p. 25-50, 2003.

Publicado
2021-11-20
Seção
Literatura de autoria feminina entre revisões e enfrentamentos