MORTE, VIOLÊNCIA E DEVASTAÇÃO EM O PESO DO PÁSSARO MORTO, DE ALINE BEI

Palavras-chave: Violência, Crítica Feminista, Psicanálise

Resumo

O aclamado romance inaugural de Aline Bei, O peso do pássaro morto (2017), nos catapulta, abrupta e poeticamente, para a vida e as perdas de uma mulher dos seus 08 aos 52 anos. Por essa história, penso na escrita feminina (BRANCO, 2004), aportando-me na crítica feminista e de base psicanalítica, para cotejar uma provocação em torno do conceito de Devastação a partir de Lacan (1972/2008) e Marie-Helène Brousse (2004), e existência desvitalizada em Kristeva (1989), para discutir os significantes da morte, do estupro e da violência enquanto marcas constitutivas da personagem central, que tensionam o feminino por meio da destruição e ruína.

Biografia do Autor

Jocelaine Oliveira dos Santos, Instituto Federal de Sergipe - IFS/Estância

Professora da área de Letras do Instituto Federal de Sergipe (IFS/ Campus Estância). Doutora em Ciências Sociais. Vice-Líder do Grupo de Pesquisa em Estudos de Texto, Leitura e Linguagem (GETELL/IFS/CNPq).

Referências

ANDRADE, V. M. B. (org). Novo dicionário de migalhas da psicanálise literária [recurso eletrônico] /– Belo Horizonte: Cas’a’screver, 2016.

BARROS, R. M. M. A escrita feminina. In RINALDI, D. COSTA, A. Escrita e Psicanálise. Rio de Janeiro: Cia de Freud, 2007.

BEI, A. O peso do pássaro morto. São Paulo: editora Nós, Edith, 2017.

BRANCO, L. C.; B, R. S. A Mulher Escrita. Rio de Janeiro: Lamparina Editora, 2004.

BROUSSE, M. H. Uma dificuldade na análise das mulheres. In MILLER, J. Ornicar? – de Lacan a Lewis Carroll. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.

FIGUEIREDO, E. Violência e sexualidade em romances de autoria feminina. Revista Interdisciplinar. São Cristóvão: UFS, volume 32, jul-dez, p. 137-149, 2019.

FIGUEIREDO, E. Por uma crítica feminista: leituras transversais de escritoras brasileiras. Porto Alegre: Zouk, 2020.

FREUD, S. O inquietante (1919). In FREUD, S. História de uma neurose infantil: além do princípio do prazer e outros textos (1917-1920). Obras Completas, volume 14. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

GOMES, C. M. O femicídio na ficção de autoria feminina brasileira. Revista Estudos Feministas. Florianópolis, UFSC, n. 22, v. 3, p. 781-794, set/dez, 2014.

GOMES, C. M. O corpo feminino como intertexto moral do feminicídio. Revista Fronteira Z: Revista do Programa de Estudos Pós-graduado em Literatura e Crítica Literária da PUC-SP, n. 26, p. 150-164, julho de 2021.

KRISTEVA, J. Sol Negro: depressão e melancolia. Tradução de Carlota Gomes. Rio de Janeiro: Rocco, 1989.

LACAN, J. Seminário 20: mais, ainda (1972). Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

NAVES, E. T. A mulher e a violência: uma devastação subjetiva. Revista Subjetividades. Fortaleza, 14 (3): 454-462, dezembro, 2014.

NERI, R. A psicanálise e o feminino: um horizonte da modernidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

VALLE, A. M. Beirar o impossível: a escrita de Clarice Lispector e o Real. In RINALDI, D. COSTA, A. Escrita e Psicanálise. Rio de Janeiro: Cia de Freud, 2007.

XAVIER, E. Que corpo é esse? o corpo no imaginário feminino. Rio de Janeiro: Oficina Raquel, 2021.

Publicado
2021-11-20
Seção
Literatura de autoria feminina entre revisões e enfrentamentos