PERFORMANCES DO FEMININO: O SUJEITO POÉTICO MÚLTIPLO DE GILKA MACHADO

Palavras-chave: Gilka Machado, Sujeito poético múltiplo, Feminino

Resumo

Este artigo tem como objetivo investigar a composição de um sujeito poético múltiplo em Gilka Machado, estabelecendo uma reflexão sobre o feminino enquanto resistência e contradiscurso. Como referencial teórico, recorremos aos estudos de Lauretis (1994), Butler (2003) e Massaud Moisés (1984) para examinar essa forma inovadora da poetisa/ mulher se autoinscrever no poema como um sinal da modernidade de sua obra. Como resultado, verificamos que as tensões entre as imagens femininas da tradição cultural e as formas de (auto)representação do sujeito poético feminino gilkiano surgem como confronto e encenação.

Biografia do Autor

Suzane Morais da Veiga Silveira, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Professora da prefeitura da cidade do Rio de Janeiro. Doutora em Letras Vernáculas, com ênfase em Literatura Brasileira, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. Integrante do NIELM-UFRJ (Núcleo Interdisciplinar de Estudos da Mulher na Literatura).

Referências

BARROS, F. M. O decadentismo inglês e o Conde Eric Stenbock. In: Coutinho, L. E. B.; Mucci, L. I. (Org.). Dândis, estetas e sibaritas. Rio de Janeiro: Confraria do Vento, 2006.

BARROS, F. M. O decadentismo na poesia brasileira da Belle Époque. Cadernos do CNLF (CIFEFIL), vol. XIV, n. 04, tomo 4, 2010. Disponível em: http://www.filologia.org.br/xiv_cnlf/tomo_4/2927-2934.pdf. Acesso em 27 jul. 2020.

BARROS, F. M. d. Parnasianismo brasileiro: conservador e transgressor. Fólio – Revista de Letras. Vertentes & Interfaces I: Estudos literários e comparados, Vitória da Conquista, v. 3, n.1, p19-32, jan-jun. 2011. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/download/3556/2937. Acesso em: 28 mar. 2020.

BATAILLE, G. O erotismo. Tradução de Antônio Carlos Viana. Porto Alegre: L & PM, 1987.

DOTTIN-ORSINI, M. A mulher que eles chamavam fatal: textos e imagens da misoginia fin-de-siècle. Tradução de Ana Maria Scherer. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.

EULALIO, A. Sobre Mocidade Morta. In: Sobre o pré-modernismo. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1988.

FOUCAULT, M. História da sexualidade III: o cuidado de si. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e revisão técnica de J.A. Guilhon Albuquerque. 23. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2013.

LAURETIS, T. A tecnologia do gênero [1986]. In: HOLLANDA, H. B. de. (Org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

LYRA, P. Sensual, espiritual, social. In: O real no poético: textos de jornalismo literário. Rio de Janeiro: Livraria Editora Cátedra, 1980, p. 162-164.

MACHADO, G. Poesias completas. Organização e apresentação de Eros Volúsia Machado. Rio de Janeiro: Léo Christiano: FUNARJ, 1991 (reedição comemorativa do centenário de nascimento da escritora).

MACHADO, G. A FACEIRA. O nosso inquérito literário-feminino e a poetisa Gilka da Costa – uma entrevista d’A faceira. Ano III, Rio de Janeiro, 1913, p. 10-11.

MERQUIOR, J. G. De Anchieta a Euclides: breve história da literatura brasileira (V. 1). 2. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1979.

MOISÉS, M. História da Literatura Brasileira – Simbolismo. São Paulo: Cultrix, 1984.

OLIVEIRA, A. F. Aspectos do poema em prosa de Cruz e Sousa e Ruben Darío. Dissertação (Mestrado em Estudos Literários). Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara-SP, 2014.

PRAZ, M. A Carne, a Morte e o Diabo na Literatura Romântica. São Paulo: Editora Unicamp, 1996.

SALGADO, M. R. A vida vertiginosa dos signos: recepção do idioleto decadista na Belle Époque tropical. Dissertação (Mestrado em Letras Vernáculas) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, 2006.

SANTOS, D. d. Florbela e Gilka Machado: do tatear paredes ao vacilo do pêndulo. In: Cordiviola, A.; Santos, D.; Araújo, V. C. (Org.). As margens da letra: sujeito e escrita na teoria da literatura. 1. ed., João Pessoa: Ideia Editora Ltda, 2004, p. 15-28.

SILVA, C. N. d. A busca da identidade feminina na poesia de Gilka Machado e Florbela Espanca. Tese (Doutorado em Letras) - Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP, Assis-SP, 2004.

SILVEIRA, T. Definição do Modernismo. Rio de Janeiro: Forja, 1932.

Publicado
2021-11-20
Seção
Literatura de autoria feminina entre revisões e enfrentamentos