NARRATIVAS DO AGORA E O ESPETÁCULO DO EU

Palavras-chave: Espetacularização, Autoficção, Literatura contemporânea brasileira

Resumo

Este trabalho discute algumas estratégias de autoexibição presentes nas narrativas do agora com base nos estudos contemporâneos sobre autoficção e terá como objetos os romances O filho eterno, de Cristovão Tezza (2008), e Divórcio, de Ricardo Lísias (2013). Ambos acentuam a ideia de que vivemos uma exacerbação de vários Eus (TÜRCKE, 2010; ARFUCH, 2010; KLINGER, 2012), ou de várias personas. Isso está cada vez mais intrínseco às práticas literárias e cotidianas de nossas relações interpessoais, dentro e fora do mundo virtual. A presença do escritor na mídia, acessível e cada vez mais em contato com seu leitor, fomenta o jogo entre real e ficcional presente nas escritas sobre si.

Biografia do Autor

Everton Vinicius de Santa, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Doutor. Pesquisador de Pós-doutorado no Programa de Pós-graduação em Literatura, da Universidade Federal de Santa Catarina. Integrante do Núcleo de Pesquisas em Informática, Literatura e Linguística (UFSC/NuPILL). Este trabalho tem apoio da CAPES – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior.

Referências

ALMEIDA, V. A vida na obra: O filho eterno. Revista Científica Ciência em Curso, Palhoça, v. 1, n. 2, p. 95-107, jul./dez. 2013. Disponível em: http://www.portaldeperiodicos.unisul.br/index.php/ciencia_curso/article/view/1433/1166. Acesso em: 16 set. 2021.

ARFUCH, L. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro: UERJ, 2010.

SCHOLLHAMMER, K. E. Ficção brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

GALINDO, C. Vivemos na era do narcisismo. Como sobreviver no mundo do eu, eu, eu. EL País, Cultura, 4 fev. 2017. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/02/03/cultura/1486128718_178172.html. Acesso em: Acesso em: 16 set. 2021.

KLINGER, D. I. Escritas de si, escritas do outro: autoficção e etnografia na narrativa latino-americana contemporânea. Rio de Janeiro: 7Letras, 2012.

LIMA, R. A. A autoficção na construção da crítica literária de Silviano Santiago. In: COLÓQUIO DE ESTUDOS LITERÁRIOS, 8., 2014, Londrina. Anais [...]. Londrina: UEL, 1994, p. 394-404.

LÍSIAS, R. Divórcio. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013.

MALLOY, A. T. P. Ricardo Lísias: um contraponto ao establishment. Entrevista - Voz da Literatura, n. 10, fev. 2019. Disponível em: https://www.vozdaliteratura.com/post/entrevista-ricardo-l%C3%ADsias. Acesso em: Acesso em: 16 set. 2021.

MARTINS, A. F. Autoficções: do conceito teórico à prática na literatura brasileira contemporânea. 2014, 251f. Tese (Pós-graduação em Letras) — Pontifícia Universidade Católica. Rio Grande do Sul. 2014. Disponível em: http://repositorio.pucrs.br/dspace/bitstream/10923/5746/1/000456796-Texto%2bCompleto-0.pdf. Acesso em: Acesso em: 16 set. 2021.

PERRONE-MOISÉS, L. Mutações da literatura no século XXI. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

SANTA, E. V. Sobre paratextos autorreferenciais e a literatura atual. Texto Digital, Florianópolis, v. 16, n. 1, p. 217-232, jan./jul. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/textodigital/article/view/1807-9288.2020v16n1p217/43935. Acesso em: 16 set. 2021.

SANTOS, B. S. 2017. 57 f. Autoficção e contemporaneidade: lendo Divórcio, de Ricardo Lísias. Rio de Janeiro, 2017. Monografia (Graduação em Comunicação Social/ Jornalismo) – Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, Escola de Comunicação – ECO, Rio de Janeiro, 2017.

SOUZA, A. P. A. Escrituras expandidas, referencialidade e espetacularização na literatura latino-americana contemporânea (Mario Bellatin, Daniel Link, Ricardo Lísias e Jacques Fux). 2020. 218 f. Dissertação (Programa de Pós-graduação em Literatura e Interculturalidade) - Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 2020. Disponível em: http://tede.bc.uepb.edu.br/jspui/handle/tede/3668. Acesso em: 16 set. 2021.

TÜRCKE, C. Sociedade excitada: filosofia da sensação. Campinas: Unicamp, 2010.

TEZZA, C. O filho eterno. Rio de Janeiro: Best Bolso, 2011.

TEZZA, C. O espírito da prosa. Rio de Janeiro: Record, 2012.

Publicado
2021-11-20