https://seer.ufs.br/index.php/interdisciplinar/issue/feed Interdisciplinar - Revista de Estudos em Língua e Literatura 2021-11-21T12:58:33-03:00 Carlos Magno Gomes calmag@bol.com.br Open Journal Systems <p><strong>Escopo</strong>: A<strong> Interdisciplinar - Revista de estudos em língua e literatura - ISSN 1980-8879 -&nbsp; </strong>foi fundada em 2006,&nbsp; com a criação do primeiro curso de Pós-Graduação em Letras (<em>Lato Sensu</em>) &nbsp;do Campus de Itabaiana da UFS, com o objetivo de divulgar pesquisas interdisciplinares. &nbsp;Com o tempo, a revista se expandiu e passou a divulgar trabalhos de diversos Programas de Pós-Graduação (<em>Stricto Sensu</em>. O Conselho Editorial é composto por pesquisadores do Brasil, dos Estados Unidos, Portugal, Espanha e França. Os volumes são organizados em parcerias e colaborações nacionais e internacionais com dossiê e seção livre, que podem ser divididos em Estudos Literários, Estudos Linguísticos e Interdisciplinares, de acordo com a temática proposta<strong>. </strong>Tanto o Dossiê, quanto a Seção Livre recebem artigos inéditos com ênfase em estudos interdisciplinares da área dos Estudos Literários e Linguísticos.&nbsp;<br><strong>DOI</strong>: <a href="https://doi.org/10.47250/intrell">10.47250/intrell</a><br><strong>E-ISSN</strong>: 1980-8879&nbsp;<br><strong>Qualis</strong>: B2 - <strong>Linguística e Literatura <span style="font-size: 10px;">(Quadriênio 2013-2016)</span></strong></p> https://seer.ufs.br/index.php/interdisciplinar/article/view/16748 Expediente 2021-11-20T15:10:31-03:00 2021-11-20T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Interdisciplinar - Revista de Estudos em Língua e Literatura https://seer.ufs.br/index.php/interdisciplinar/article/view/16747 Apresentação 2021-11-21T12:44:55-03:00 Carlos Magno Gomes calmag@bol.com.br 2021-11-20T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Interdisciplinar - Revista de Estudos em Língua e Literatura https://seer.ufs.br/index.php/interdisciplinar/article/view/16749 ESCRITA COMO PROCESSO DE RESISTÊNCIA 2021-11-21T12:46:32-03:00 Luciana Bessa Silva bessaluciana@hotmail.com <p>O presente artigo lança um olhar sobre o romance <em>Quarenta Dias</em> (2014), de Maria Valéria Rezende, em que a escrita é utilizada como ferramenta de libertação de si e construção de identidade. Trata-se de uma pesquisa bibliográfica-descritiva baseada em teóricos como: Bourdieu (1989), Mary Del Priori (2004), Michelle Perrot (2012), Regina Zilberman e Mariza Lajolo (2011), entre outros. Sem capital simbólico, as mulheres não puderam contar sua própria história. Contudo, a partir do momento em que passam a dominar a escrita, tem início seu processo de identificação pessoal e libertação social.</p> 2021-11-20T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2021 Interdisciplinar - Revista de Estudos em Língua e Literatura https://seer.ufs.br/index.php/interdisciplinar/article/view/16766 SILÊNCIO E TRANSGRESSÃO NO CONTO DE CONCEIÇÃO EVARISTO, “MACABÉA, FLOR DE MULUNGU” 2021-11-21T12:47:17-03:00 Cristiane Côrtes crisfelipecortes@gmail.com <p>O artigo em questão pretende discutir questões relacionadas ao silêncio e silenciamento das identidades pertencentes a grupos não hegemônicos da sociedade para a compreensão da capacidade de subversão que a palavra literária pode alcançar no que diz respeito à manutenção ou reversão dos estereótipos ligados a essas identidades. Assim, partiremos da leitura do conto de Conceição Evaristo, “Macabéa, flor de Mulungu” e do romance de Clarice Lispector, <em>A hora da estrela</em> para evidenciar o que denominamos poéticas do silêncio ora como negação, nos processos de silenciamento, e ora como transgressão, num gesto de denúncia.</p> 2021-11-20T13:07:06-03:00 Copyright (c) 2021 Interdisciplinar - Revista de Estudos em Língua e Literatura https://seer.ufs.br/index.php/interdisciplinar/article/view/16767 A MULHER E O SAGUIM: A RUPTURA DO COTIDIANO NO ENCONTRO COM ANIMAIS EM CLARICE LISPECTOR 2021-11-21T12:48:11-03:00 Tânia Sandroni taniasandroni@terra.com.br <p>Em vários contos clariceanos, a estrutura básica do enredo se configura com o encontro da protagonista, em geral uma mulher de classe média, com um outro que lhe causa estranhamento. Muitas vezes, trata-se de um animal. Esse encontro inesperado provoca, na personagem, questionamentos em relação à sua vida. Neste trabalho, será apresentada uma leitura do conto “Uma tarde plena”, que tem origem em uma crônica publicada na seção “Entre mulheres”, produzida pela escritora sob a máscara de Tereza Quadros no jornal <em>Comício</em> em 1952. Pretende-se avaliar como a presença de um saguim no meio de transporte abala, ainda que momentaneamente, a vida domesticada da protagonista; objetiva-se, também, identificar traços da sociedade patriarcal na narrativa e no comportamento da mulher.</p> 2021-11-20T13:20:31-03:00 Copyright (c) 2021 Interdisciplinar - Revista de Estudos em Língua e Literatura https://seer.ufs.br/index.php/interdisciplinar/article/view/16768 MORTE, VIOLÊNCIA E DEVASTAÇÃO EM O PESO DO PÁSSARO MORTO, DE ALINE BEI 2021-11-21T12:49:52-03:00 Jocelaine Oliveira dos Santos jocelaine.santos@ifs.edu.br <p>O aclamado romance inaugural de Aline Bei, <em>O peso do pássaro morto</em> (2017), nos catapulta, abrupta e poeticamente, para a vida e as perdas de uma mulher dos seus 08 aos 52 anos. Por essa história, penso na escrita feminina (BRANCO, 2004), aportando-me na crítica feminista e de base psicanalítica, para cotejar uma provocação em torno do conceito de Devastação a partir de Lacan (1972/2008) e Marie-Helène Brousse (2004), e existência desvitalizada em Kristeva (1989), para discutir os significantes da morte, do estupro e da violência enquanto marcas constitutivas da personagem central, que tensionam o feminino por meio da destruição e ruína.</p> 2021-11-20T13:30:23-03:00 Copyright (c) 2021 Interdisciplinar - Revista de Estudos em Língua e Literatura https://seer.ufs.br/index.php/interdisciplinar/article/view/16769 PERFORMANCES DO FEMININO: O SUJEITO POÉTICO MÚLTIPLO DE GILKA MACHADO 2021-11-21T12:50:32-03:00 Suzane Morais da Veiga Silveira sumveiga@gmail.com <p>Este artigo tem como objetivo investigar a composição de um sujeito poético múltiplo em Gilka Machado, estabelecendo uma reflexão sobre o feminino enquanto resistência e contradiscurso. Como referencial teórico, recorremos aos estudos de Lauretis (1994), Butler (2003) e Massaud Moisés (1984) para examinar essa forma inovadora da poetisa/ mulher se autoinscrever no poema como um sinal da modernidade de sua obra. Como resultado, verificamos que as tensões entre as imagens femininas da tradição cultural e as formas de (auto)representação do sujeito poético feminino gilkiano surgem como confronto e encenação.</p> 2021-11-20T13:40:27-03:00 Copyright (c) 2021 Interdisciplinar - Revista de Estudos em Língua e Literatura https://seer.ufs.br/index.php/interdisciplinar/article/view/16770 O ROMANCE DE FORMAÇÃO NERVOSO EM TSITSI DANGAREMBGA 2021-11-21T12:51:20-03:00 Lauro Iglesias Quadrado lauroiq@gmail.com <p>Este artigo apresenta um estudo teórico-crítico do arco de desenvolvimento da personagem Tambudzai, protagonista do romance <em>Nervous Conditions</em> (1988), de autoria da escritora zimbabuana Tsitsi Dangarembga. O recorte reunido parte da ideia de subversão, por parte da autora, do romance de formação tradicional com bases em fundações romanescas europeias. Por fim, discutem-se as formas com que Dangarembga narra as tensões de uma história de amadurecimento e o que ela entrega a seu público leitor, em livro que amarra as contradições da experiência literária pós-colonial com a obra de estudiosos como Franco Moretti, Simon Hay e Frantz Fanon.</p> 2021-11-20T13:59:01-03:00 Copyright (c) 2021 Interdisciplinar - Revista de Estudos em Língua e Literatura https://seer.ufs.br/index.php/interdisciplinar/article/view/16771 HISTÓRIA NATURAL E ESCRITA DE VIAGEM: A VOZ DE ELIZABETH CABOT CARY AGASSIZ 2021-11-21T12:52:02-03:00 Natália Fontes de Oliveira nataliafontes@ufv.br <p>A história natural e as narrativas de viagens, muito populares entre os séculos XVI e XIX, são marcadas pela exploração científica de culturas e territórios estrangeiros. Muitas vezes marginalizadas pela cultura impressa, viajar pelos mares concedia às mulheres a autoridade para serem detentoras da palavra. Elizabeth Cabot Cary Agassiz foi uma mulher pioneira que viajou ao Brasil com a Expedição Thayer ao lado do marido durantes os anos de 1865 a1866. Após um ano de retorno aos EUA, Elizabeth e o marido publicaram em coautoria a narrativa de viagem, <em>A Journey to Brazil</em>. Apesar da publicação em conjunto, há uma falta de estudos que reconheçam a voz autoral de Elizabeth. Este artigo propõe uma análise da obra <em>A Journey in Brazil</em> para resgatar a contribuição de Elizabeth Cary Cabot Agassiz para a disseminação do conhecimento no século XIX. O referencial teórico, numa abordagem interdisciplinar, baseia-se em estudos sobre a escrita de viagens e a crítica literária feminista. Elizabeth dialoga com as principais vozes masculinas do século e com os discursos da história natural para criar um espaço literário único e inserir sua voz na cultura impressa.</p> 2021-11-20T14:11:35-03:00 Copyright (c) 2021 Interdisciplinar - Revista de Estudos em Língua e Literatura https://seer.ufs.br/index.php/interdisciplinar/article/view/16772 NARRATIVAS DO AGORA E O ESPETÁCULO DO EU 2021-11-21T12:53:05-03:00 Everton Vinicius de Santa evertonvs9@gmail.com <p>Este trabalho discute algumas estratégias de autoexibição presentes nas narrativas do agora com base nos estudos contemporâneos sobre autoficção e terá como objetos os romances <em>O filho eterno</em>, de Cristovão Tezza (2008), e <em>Divórcio</em>, de Ricardo Lísias (2013). Ambos acentuam a ideia de que vivemos uma exacerbação de vários Eus (TÜRCKE, 2010; ARFUCH, 2010; KLINGER, 2012), ou de várias <em>personas</em>. Isso está cada vez mais intrínseco às práticas literárias e cotidianas de nossas relações interpessoais, dentro e fora do mundo virtual. A presença do escritor na mídia, acessível e cada vez mais em contato com seu leitor, fomenta o jogo entre real e ficcional presente nas escritas sobre si.</p> 2021-11-20T14:22:50-03:00 Copyright (c) 2021 Interdisciplinar - Revista de Estudos em Língua e Literatura https://seer.ufs.br/index.php/interdisciplinar/article/view/16774 A EPIDEMIA DO CÓLERA EM A MORTE EM VENEZA, DE THOMAS MANN 2021-11-21T12:53:43-03:00 Denise Rocha rocha.denise57@gmail.com <p>O objetivo do estudo é mostrar a viagem externa e interna de Gustav Aschenbach, um escritor alemão, viúvo, famoso e rico, protagonista de <em>A morte em Veneza</em>, de Thomas Mann, o qual vivenciou e ficcionalizou na novela, a epidemia do cólera, ocorrida na Itália, em 1911. Com partida de Munique, o autor segue até Veneza, a fim de descansar durante o verão. Hospedado no Grande Hotel dos Banhos, ele desenvolve um amor platônico pelo ideal da juventude e da beleza, personificada por Tadeus (Tadzio), que tinha 14 aos de idade. A análise da paisagem física e abstrata de Veneza, imersa na rápida propagação de uma enfermidade letal, que, inicialmente, foi ocultada dos turistas e atingiu mortalmente Aschenbach, será baseada nos conceitos de ‘lugar concreto’ e de ‘espaço abstrato’, de Tuan.</p> 2021-11-20T14:37:12-03:00 Copyright (c) 2021 Interdisciplinar - Revista de Estudos em Língua e Literatura https://seer.ufs.br/index.php/interdisciplinar/article/view/16775 FARIA E SOUSA, A FORTUNA E O DISCURSO INCRIMINATÓRIO 2021-11-21T12:54:57-03:00 Mauricio Massahiro Nishihata mauricio.nishihata@alumni.usp.br <p>Na década de 1640, Manuel de Faria e Sousa (1590-1649) compôs a sua <em>Fortuna</em> (...), relato de <em>vida</em> em que o escritor narra em primeira pessoa a sua corrente de trabalhos, estribado na condição de secretário de notáveis senhores da corte de Filipe IV. Nela, o letrado português apronta uma defesa de conduta que, ao mesmo tempo, desata numa contundente acusação contra Manuel de Moura Corte Real, embaixador de Espanha em Roma, a quem o escritor atribui a autoria de uma série de delitos e torpezas contra o bem comum. O presente texto visa a estudar parte dos recursos retóricos aplicados no papel seiscentista, na exposição dos supostos crimes cometidos pelo aristocrata luso-espanhol.</p> 2021-11-20T14:48:43-03:00 Copyright (c) 2021 Interdisciplinar - Revista de Estudos em Língua e Literatura https://seer.ufs.br/index.php/interdisciplinar/article/view/16776 ENTRE DENÚNCIAS E DISPUTAS: AS NOTÍCIAS E OS TEXTOS LITERÁRIOS SOBRE/DO AMAPÁ EM JORNAIS OITOCENTISTAS 2021-11-21T12:58:33-03:00 Valdiney Valente Lobato de Castro valdineyvalente@hotmail.com <p>Durante a segunda metade do século XIX, a distância geográfica do Amapá, em relação aos principais centros urbanos, produzia uma imagem de terra remota, inóspita e exótica, que se propagou por muitos anos. No entanto, essa história da região pode ser recomposta por meio dos jornais brasileiros oitocentistas, capazes de auxiliar a desvendar a compreensão acerca da história da região e das produções literárias escritas sobre ou nas terras amapaenses, que, à época, pertenciam ao Grão-Pará. Repousa nesse intuito o objetivo deste artigo: analisar, a partir de publicações, principalmente literárias, saídas nos jornais oitocentistas, como se desenhou, de 1850 a 1900, a imagem do Amapá. Para tanto, foram coligidas publicações de textos literários e notas relativas ao desenvolvimento da população, as quais podem ajudar também a compor um cenário sobre a circulação da literatura. Assim, a partir da pesquisa, será possível relacionar a evolução da identidade da sociedade com as produções literárias saídas nos jornais, bem como ampliar o entendimento sobre a relação que o Amapá, no Oitocentos, mantinha com os demais estados do país por meio da circulação dos impressos.</p> 2021-11-20T15:05:56-03:00 Copyright (c) 2021 Interdisciplinar - Revista de Estudos em Língua e Literatura