As raízes africanas de uma doença brasileira – o banzo em Angola nos séculos XVII e XVIII

Kalle Kananoja

Resumo


Este artigo examina a doença do banzo ou melancolia no mundo atlântico português. O banzo surgiu no fim do século XVII em Angola, de onde o conceito se espalhou para o Brasil e Portugal. Inicialmente, era visto como uma doença mental que poderia ser contraída por qualquer pessoa, mas na segunda metade do século XVIII ela se transformou em uma doença dos negros. Esta transformação foi mais evidente nos escritos do médico português Francisco Damião Cosme, cujo manuscrito sobre as doenças da África Central tratou do banzo em detalhe. As respostas dramáticas dos escravos a sua condição, como o suicídio e o infanticídio, foram tratadas frequentemente na historiografia como formas de resistência dos escravos, mas este artigo sugere que, no estudo da escravidão, os historiadores poderiam enfocar mais as questões de saúde mental do que a resistência.

Palavras-chave: Banzo - Angola - Mundo atlântico - tráfico de escravos - história da medicina


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


                                                 Publicado em 31.12.2018


 

  ISSN 1982-193X

Você é o visitante n.ºcontador de acesso

 Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.