A passagem para a Pós-modernidade na Literatura Sergipana

Palavras-chave: Crítica literária, literatura sergipana contemporânea, revisões críticas

Resumo

No findar da modernidade, manifestações literárias, como frutos de fenômenos sociais insurgentes, cobraram do aparato teórico-crítico revisões sobre a compreensão do fenômeno literário. Em relação à literatura sergipana, as poesias de Santo Souza, Mário Jorge e Araripe Coutinho, de diferentes maneiras, apontaram para esse contexto de entrada na pós-modernidade.  Nesse sentido, o objetivo deste estudo é apontar como objetos estéticos da literatura sergipana contemporânea exigiram da crítica literária uma urgência de fala plural dantes ainda não experimentada. Para isso, discussões teóricas sobre os estudos literários foram resgatadas para contextualizar a consolidação e o desgaste da modernidade literária – com uma ilustração de autores sergipanos no momento de declínio da modernidade. Como resultado, nota-se como exemplares da literatura sergipana contemporânea condizem com as atuais emergências teóricas da crítica literária.    

Palavras-chave: Crítica literária; literatura sergipana contemporânea; revisões críticas.

ABSTRACT

By the end of modernity, as a result of social phenomena, rising literary movements demanded the critics to revise their comprehension of what was literature. Regarding Sergipe’s literature, the poetry of Santo Souza, Mário Jorge and Araripe Coutinho, points towards the transitions into post-modernity. Bearing this in mind, this paper aims at highlighting how Sergipe’s literary object posed to the literary critics an urge for plural speaking that had not been experienced before. For this purpose, we revised theoretical literary discussions regarding the rise and fall of modernity in literature - alluding to Sergipe’s authors regarding the fall of modernity. The result of this endeavor suggests that the Sergipe’s literary works examined here are in consonance with the emerging literary theories.

Keywords: Literary criticism, Sergipe’s contemporary literature, Critical reviews.

Biografia do Autor

Thiago Martins Prado, Universidade do Estado da Bahia

Professor Adjunto da Universidade do Estado da Bahia e Membro Correspondente da Academia de Letras de Aracaju, Thiago Martins Prado é pós-doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Literatura, Cultura e Contemporaneidade da PUC-Rio (2019), doutor em Letras pela UFBA (2011), possui mestrado em Letras pela UFBA (2005) e graduou-se em Letras Vernáculas (licenciatura e bacharelado) pela mesma universidade (2002). Integra a equipe de permanentes do corpo docente do Programa de Pós-Graduação em Estudo de Linguagens (PPGEL-Uneb) e do Programa de Doutorado Multi-institucional e Multidisciplinar em Difusão do Conhecimento (DMMDC-UFBA/UNEB/IFBA/UEFS/LNCC/SENAI-CIMATEC), compõe a equipe de professores do Curso de Letras do DCHT XXIII no Campus de Seabra-Uneb. É membro titular do Comitê Institucional de Iniciação Científica da Uneb, responsável pela Área de Letras, Linguística e Artes. Como poeta, autor de A inutilidade das (p)arcas (FUNCEB, 2002) e de A reutilização das pedras (Editora UFS, 2010); como estudioso da Literatura, autor de Utopia política, vanguarda e ritual: linguagem e temporalidade na poesia de Mário Jorge (Editora UFS, 2008) e de Deus morto, Deus posto: o sagrado e a sexualidade na poesia de Araripe Coutinho (Editora UFS, 2014). Coordenou a pesquisa Análise dos Descritores da Prova Brasil (2010) e coordenou a atividade de extensão Avaliação Diagnóstica em Língua Portuguesa (2013-2014). Coordenou a pesquisa O Romance de Palahniuk como Narrativa Alegórica da Crise Econômica Contemporânea (2014-2016) e a pesquisa Análise da Personagem Polônio em William Shakespeare e em John Updike (2014-2016). Atualmente, desenvolve a pesquisa Estratégias literárias em discursos contemporâneos sobre crise. Coordenador da Linha 1 de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Estudo de Linguagens: Leitura, Literatura e Identidades. Líder do Grupo de Pesquisa Estudos Interdisciplinares sobre Contemporaneidades e participante dos Grupos TRADCULT e Estudos de Produção e Recepção em Culturas e Linguagens.

Referências

ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2006.
BAUDRILLARD, Jean. À sombra das maiorias silenciosas: o fim do social e o surgimento das massas. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1985.
BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1985. (Obras Escolhidas v.1)
CHKLOVSKI, Viktor. A arte como procedimento. In: JAKOBSON, Roman et al. Teoria da literatura – I. Lisboa: Edições 70, 1999. p.72-95.
COUTINHO, Araripe. Obra poética reunida. Aracaju: J. Andrade, 2011.
COUTINHO, Araripe. Sede no escuro. São Paulo: João Scortecci Editora, 1994.
ELIOT, T. S. Ensaios. Rio de Janeiro: Art Editora, 1989.
FISH, Stanley. Is there a text in this class?, Alfa, São Paulo, n.36, p.189-206, 1992.
FOUCAULT, Michel. Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. (Ditos e Escritos IV)
GILFRANCISCO. Flor em Rochedo Rubro: o poeta Enoch Santiago Filho. Aracaju: Secretaria de Estado da Cultura, 2005.
GREENBLATT, Stephen. O novo historicismo: ressonância e encantamento, Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v.4, n.8, p.244-261, 1991.
ISER, Wolfgang. O jogo do texto. In: LIMA, Luiz Costa (org). A literatura e o leitor: textos de Estética da Recepção. São Paulo: Paz e Terra. p.105-118.
LAKOFF, George; JOHNSON, Mark. Metáforas da vida cotidiana. Campinas-SP: Mercado das Letras; São Paulo: EDUC, 2002.
LISBOA, Jane Ribeiro. Além do vitral. Aracaju: Segrase, 1994.
MARX; ENGELS. Sobre literatura e arte. São Paulo: Global Editora, 1980.
PASTERNAK, Boris. Doutor Jivago. Rio de Janeiro: BestBolso, 2013.
PLEKHANOV, George. A arte e a vida social. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1965.
PORTO, Austrogésilo Santana. O realismo social na poesia em Sergipe. Aracaju: Livraria Regina, 1960.
PRADO, Thiago Martins. Estratégias literárias em discursos econômicos, Revista Philologus, v.76, p.282-301, 2020.
RAMALHO, Cybele. Sedução poética II. Aracaju: Ed. do autor, 1989
SOUZA, Santo. A construção do espanto. Aracaju: Fundação Augusto Franco; Sociedade Editorial de Sergipe, 1998.
SOUZA, Santo. Obra escolhida. Aracaju: Fundação Augusto Franco, 1989.
VIERA NETO, José. Teatro quase integral v.2. Aracaju: Segrase, 2006.
WHITE, Hayden. Trópicos do discurso: ensaios sobre a crítica da cultura. São Paulo: EDUSP, 1994.
ZHDANOV, Andrei. Escritos. São Paulo: Edições Nova Cultural, 2018.
Publicado
2021-07-21
Como Citar
MARTINS PRADO, T. A passagem para a Pós-modernidade na Literatura Sergipana. Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura, v. 15, n. 28, p. 140 - 162, 21 jul. 2021.