Masculinidades Dissidentes no Medievo Ibérico: um estudo sobre a sodomia no discurso jurídico de Alfonso X (1252-1284)

Palavras-chave: Gênero, Direito Medieval, Sodomia

Resumo

Na Idade Média, vários são os corpos que não importam. Diversos são os sujeitos classificados como abjetos, a quem se nega até mesmo o direito de viver. Neste período, é totalmente proibido e punido todas as práticas sexuais consideradas ilícitas e pecaminosas. A sodomia, como um desvio de gênero e classificada como um pecado “contra naturam”, insere-se dentro deste quadro de gênero e sexualidades desviadas. Além de ser uma conduta condenada conforme a época, o conceito de sodomia adquiriu diversas definições em diferentes contextos históricos e culturais. Neste sentido, esta dissertação objetiva-se analisar os discursos jurídicos sobre a sodomia durante o reinado de Alfonso X (1252-1284), a partir da perspectiva de gênero e da análise do discurso.

Biografia do Autor

Cassiano Celestino de Jesus, Universidade Federal da Bahia

Doutorando em História Social pela Universidade Federal da Bahia (PPGH/UFBA)

Integrante do Laboratório de Estudos sobre a Transmissão e História Textual na Antiguidade e no Medievo (LETHAM/CNPq/UFBA)

Bolsista FAPESB

cassianohistoria@gmail.com

Referências

Fontes documentais:

FUERO REAL DEL REY DON ALONSO EL SABIO. Opúsculos legales del Rey Don Alfonso El Sabio, publicados y cotejados com varios códices antiguos por la Real Academia de la Historia. Tomo II. Madrid: En la Imprenta Real, 1886.

BERNÍ Y CATALÁ, J. Las Siete Partidas... Edición de Valencia: Imprenta de Benito Monfort, 1767. Edição disponível na Biblioteca Virtual de Pensamento Político Hispânico Saavedra Fajardo.

Textos teóricos e historiográficos:

ALVARO, Bruno Gonçalves. A Construção das Masculinidades em Castela no Século XIII: Um Estudo Comparativo do Poema de Mio Cid e da Vida de Santo Domingo de Silos. Rio de Janeiro, 2008. Dissertação (Mestrado em História Comparada) – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

BÁZAN DÍAZ, Iñaki. La construcción del discurso homofóbico en la Europa cristiana medieval. En la España medieval, N. 30, 2007, p. 433-454.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

FORTES, Carolina Coelho. É Possível Uma História Medieval de Gênero? Considerações a Respeito da Aplicação do Conceito Gênero em História Medieval. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero, 07., 2006, Florianópolis. Anais... Florianópolis: Ufsc, 2006. p. 01 - 07.

FOUCAULT, Michel. Subjetividade e Verdade: curso no Collége de France (1980-1981). São Paulo: WMF Martins Fontes, 2016.

GUASCH, Oscar. Sodomia: do pecado ao delito. In: GUASCH, Oscar. La crisis de la heterosexualidad. Laerte: Barcelona, 2007, p. 39-61.

HERGEMÖLLER, Bernd. Sodom and Gomorrah: on the everyday reality and persecution of homosexuals in the Middle Ages. London: Free Association Books, 2001.

JESUS, Cassiano Celestino de. O que é a teoria queer? Notas introdutórias de um saber subalterno, subversivo e contra-hegemônico. Veredas da História, v. 9, n. 2, p. 21-34, dez, 2016.

KANTOROWICZ, E. Os Dois Corpos do Rei - um estudo sobre Teologia Política Medieval. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

LACARRA LANZ, Eukene. Representaciones de homoerotismo feminino en algunos textos literarios medievales. Estudios humanísticos. Filología, n. 32, 2010, p, 81-103.

LIMA, Marcelo Pereira. O Gênero do adultério no discurso jurídico do governo de Afonso X (1252-1284). 2010. 361 f. Tese (Doutorado) – Programa de pós-graduação em História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2010.

LIMA, Marcelo. Da Sodomia Feminina: revisitando a ejecutoria sobre Catalina de Belunce. In: LIMA, Marcelo (Org.). Estudos de Gênero e História: transversalidades. Salvador: UFBA, 2018.

MACEDO, José Rivair. Afonso, o sábio, e os Mouros: uma leitura das Siete Partidas. Anos 90, Porto Alegre, n. 16, p. 71-92, 2001.

MACDONALD, Robert. Problemas políticos y derecho alfonsino considerados desde três puntos de vista. Anuario de Historia del Derecho Español. Tomo IV, 1984, p. 25-53.

MOTA, Bruna Oliveira. E por esta razon conuino que fuessen los Reyes, e lo tomassen los omes por Señores: Uma análise da Legitimidade, Autoridade e Poder no reinado de Alfonso X através das suas redes de negociações senhoriais (1252-1284). São Cristóvão, 2018. Dissertação – Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2018.

PEDRO, Joana Maria. Traduzindo o debate: o uso da categoria gênero na pesquisa histórica. História. vol. 24, n.1, p.79, 2005.

PÉREZ-PRENDES, J. M. La obra jurídica de Alfonso X el sabio. In: FACI, J (Dir.) Alfonso X. Toledo: Ministerio da Cultura, 1984. p. 49-62.

PINSKY, Carla Bassanezi. Estudos de Gênero e História Social. Revista Estudos Feministas, Santa Catarina, vol.17, no.1, p.159-189, abr. 2009.

PISNITCHENKO, Olga. O rei e a lei. Algumas reflexões em torno das obras jurídicas de Alfonso X. Faces da História, v. 2, n. 2, p. 6-26, ago. 2017.

REIS, Jaime Estevão dos. Território, legislação e monarquia no reinado de Alfonso X, o Sábio (1252 – 1284). Tese de Doutorado – Faculdade de Ciências e Letras de Assis – Universidade Estadual Paulista. Assis, 2007.

SALIH, Sara. Judith Butler e a teoria Queer. Trad. Guacira Lopes Louro. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul/dez. 1995.

SILVA. Andréia Cristina Lopes Frazão da. Reflexões sobre o uso da categoria gênero nos estudos de História Medieval no Brasil (1990-2003). Caderno Espaço Feminino, Uberlândia, v. 11, n. 14, p. 88-107, 2004.

SILVA, Andréia Cristina Lopes Frazão da; LIMA, Marcelo Pereira. Gênero e vida religiosa feminina nas Siete Partidas. Revista Territórios e Fronteiras, v. 01, n. 02, p. 46-68, 2008.

SILVA, Daniele Gallindo Gonçalves e. “wîp unde man ze rehte prüeven”. A construção do feminino e do masculino em Parzival de Wolfram von Eschenbach: Gahmuret e suas “esposas”. Rio de Janeiro, 2005. Dissertação (Mestrado em História Comparada) – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

SOUZA, Elaine de Jesus. Educação Sexual “além do biológico”: problematização dos discursos acerca de sexualidade e gênero no currículo de licenciatura em Biologia. 2018. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

TOLSON, Andrew. Os Limites da Masculinidade. Lisboa: Assírio e Alvim, 1983.

TOMÁS Y VALIENTE, F. El crimen y pecado contra natura. TOMÁS Y VALIENTE, F. et al., Sexo barroco y otras transgresiones modernas. Madrid: Alianza, 1990, p. 33-55.

VARELLA, Laura Beck. Breve panorama sobre a obra jurídica do reinado de Afonso X de Castela. Anos 90, n. 16, p. 125-129, 2001.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault & a Educação. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

Publicado
2021-01-27
Como Citar
CELESTINO DE JESUS, C. Masculinidades Dissidentes no Medievo Ibérico: um estudo sobre a sodomia no discurso jurídico de Alfonso X (1252-1284). Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura, v. 14, n. 27, p. 260 - 278, 27 jan. 2021.