Do curandeirismo à medicina científica: a transição médica estampada na Gazeta do Rio de Janeiro

Palavras-chave: Medicina, Rio de Janeiro joanino, Século XIX

Resumo

O Brasil se transformou com a chegada da Família Real em 1808. Entre as primeiras medidas impactantes esteve a criação dos primeiros cursos superiores de Medicina da então colônia portuguesa, primeiro na Bahia e a seguir no Rio de Janeiro. Este artigo analisa, a partir das páginas da Gazeta do Rio de Janeiro, os hábitos médicos de uma sociedade em transição entre a medicina arcaica e a medicina tradicional acadêmica que surgiria posteriormente com a consolidação das escolas médico-cirúrgicas, procurando mostrar que doenças como a varíola e a sífilis emprestaram desafios à sociedade carioca às vésperas da Independência do país.

Biografia do Autor

João Victor Ribeiro Pires, ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa

Mestre em História Moderna e Contemporânea pelo ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa.

Referências

Gazeta do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Imprensa Régia, 1808-1822.

Gazeta de Notícias. Rio de Janeiro: Typographia da Gazeta de Notícias, 1889.

ALMEIDA, Manuel Antônio de. Memórias de um sargento de milícias. Brasília: Edições Câmara, 2019 (1854).

ALMEIDA, Maria José S. S. P. A heredosífilis no Brasil do século XIX: estigmas, valores e comportamentos. Florianópolis: XXVIII Simpósio Nacional de História, 2015.

CANDIDO. Mariana P. An African Slaving Port and the Atlantic World: Benguela and Its Hinterland. New York: Cambridge University Press, 2013.

CHALHOUB, Sidney. Cidade febril: Cortiços e epidemias na corte imperial. 2ª ed. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 1996.

DEBRET. Jean Baptiste. Voyage pittoresque et historique au brésil. Vol. 2. Paris: Firmin didot Féres, 1835.

LIMA, Oliveira. D. João VI no Brasil: 1808-1821. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1945.

LUCCOCK, John. Notes of Rio de Janeiro, and the southern parts of Brazil. London: Samuel Leigh, 1820.

MARTIUS, C. F. Phil Von e SPIX, J. Baptist von. Viagem pelo Brasil: 1817-1820. São Paulo: Edições Melhoramentos, 1976 [1823].

MORAES Silva, Antonio de. Diccionario da Língua Portuguesa. Lisboa: Officina de Simãe Thaddeo Ferreira, 1789.

MOURA, Clovis. Dicionário da escravidão negra no Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004.

NOGUEIRA, André. “Universos coloniais e 'enfermidades dos negros' pelos cirurgiões régios Dazille e Vieira de Carvalho”. In: História, Ciências, Saúde-Manguinhos. Vol. 19, Rio de Janeiro Dec. 2012.

NORTON, Luís. A Corte de Portugal no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1979.

PARIS, John Ayrton. Pharmacologia; or the history of medicinal substances. Londres: W. Phillips, 1820.

PEREIRA, Júlio César Medeiros da Silva. À flor da terra: o Cemitério dos Pretos Novos no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Garamond, 2007.

PIMENTA, Tânia Salgado. “Terapeutas populares e instituições médicas na primeira metade do século XIX”. In: Chalhoub, Sidney (org.). Artes e ofícios de curar no Brasil. Campinas: Ed. Campinas, 2003.

PIMENTA, Tânia Salgado. “Curandeiro, parteira e sangrador: ofícios de cura no início do oitocentos na corte imperial”. In: Khronos, Revista de História da Ciência, nº 6, dezembro 2008.

PIMENTA, Tania Salgado. “Doenças”. In: Schwarcz, Lilia M. e Gomes, Flávio (org.). Dicionário da escravidão e liberdade: 50 textos críticos. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

PIMENTA, Tânia Salgado. O discurso médico sobre escravidão no Rio de Janeiro da primeira metade do século XIX. Curitiba: Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional, 2009.

PRIORE, Mary del. Histórias íntimas: sexualidade e erotismo na história do Brasil. São Paulo: Planeta do Brasil, 2011.

SÁ, Magali Romero. “A ‘peste branca’ nos navios negreiros: epidemias de varíola na Amazônia colonial e os primeiros esforços de imunização”. In: Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental. Vol. 11, nº 4. São Paulo, 2008.

SCHULTZ, Kirsten, “Perfeita civilização: a transferência da corte, a escravidão e o desejo de metropolizar uma capital colonial. Rio de Janeiro, 1808-1821”. In: Revista Tempo. Vol. 12. Nº 24, 2008.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. Vida privada e quotidiano no Brasil na época de D. Maria I e D. João VI. Lisboa: Editorial Estampa, 1993.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. A Cultura Luso-Brasileira – Da reforma da Universidade à independência do Brasil. Lisboa, Editorial Estampa, 1999.

WILCKEN, Patrick. Império à Deriva: A Corte Portuguesa no Rio de Janeiro, 1808-1821. Rio de Janeiro: Objetiva, 2004.

Publicado
2021-01-27
Como Citar
RIBEIRO PIRES, J. V. Do curandeirismo à medicina científica: a transição médica estampada na Gazeta do Rio de Janeiro. Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura, v. 14, n. 27, p. 123 - 143, 27 jan. 2021.