Templo, Espetáculo e Consumo: formas reducionistas de pertencimento religioso

Palavras-chave: Religião, Capitalismo, Pertencimento Religioso

Resumo

A compreensão da "atividade religiosa" no domínio e na prática das religiões, especialmente do tipo neopentecostal, tem vindo a sofrer alterações, porque, pelo menos durante as últimas três décadas, a "atividade religiosa" tem soado como uma atividade econômica ou tem sido alargada a esta compreensão. É inegável que as mudanças políticas, econômicas e sobretudo culturais, por exemplo, na questão da identidade, tiveram e continuam a ter um impacto relevante na sensibilidade religiosa e no comportamento das pessoas. Chama a atenção, nos mais variados aspectos religiosos, para o quanto a renovação de sentimentos e pertenças se exprime de forma redutora do ponto de vista econômico, em que os serviços e as atividades são meros produtos que respondem às exigências de uma sociedade em que o mercado se tornou uma referência absoluta, e que contém eficiência. Tanto para uma análise teórica como empírica desta questão, uma abordagem das Ciências Sociais e da Religião reveste-se de uma importância fundamental. Este estudo pretende refletir sobre a natureza da relação entre religião, sociedade e economia, a fim de identificar no discurso religioso um ethos de expressão induzida: o consumismo associado à prosperidade como condição de pertença religiosa.

Biografia do Autor

Drance Elias da Silva, Universidade Católica de Pernambuco

Doutorado em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

professor adjunto da Universidade Católica de Pernambuco

Adriana Figueirêdo, Universidade Católica de Pernambuco

Doutoranda em Ciências da Religião na Universidade Católica de Pernambuco.

Mestre em Ciências da Religião pela UNICAP/PE. Possui graduação em Pedagogia (UFPE). Especialista em Administração Escolar e Planejamento Educacional (UFPE), Especialista em Docência na Educação Infantil (CEEL/UFPE).

Referências

BALANDIER, G. O contorno, poder e modernidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997. pp. 137-215.

BARBER, Benjamin R. Consumido. Como o mercado corrompe crianças, infantiliza adultos e engole cidadãos. Rio de Janeiro: Record, 2009.

BAUMAN, Z. Vida para consumo. A transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Zahar, 2008, pp. 107-148.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas. Sobre a teoria da ação. Campinas, SP: Papirus, 1996, pp. 157-197.

CAMPBELL, C. A Ética Romântica e o Espírito do Consumismo Moderno. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

CARRANZA, Brenda. Catolicismo midiático. In: TEIXEIRA, F.; MENESES, R. (org.). As religiões no Brasil. Continuidades e rupturas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006, pp. 69-87.

DANTAS, Zuleica. Axós em evidência: uma análise da indumentária litúrgica afro-brasileira no Recife. In: 28º Congresso Internacional da SOTER, 2015.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo: comentários sobre a sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

HOONAERT, Eduardo; AZZI, Riolando; VAN DER GRIJP, Klaus; BROD, Brenno. História da Igreja no Brasil: ensaio de interpretação a partir do povo, primeira época. 4. ed. História geral da Igreja na América Latina. Tomo II/1. Petrópolis, RJ: Vozes; São Paulo: Paulinas, 1992.

LIPOVETSKY, Gilles; SERROY, Jean. A cultura-mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

LIPOVETSKY, Gilles; SERROY, Jean. A estetização do mundo. Viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MACEDO, Edir; OLIVEIRA, Carlos. Plano de poder: Deus, os cristãos e a política. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2008.

PASSOS, J. Décio. Crítica ético-teológica da cultura de consumo. In: VILHENA, Maria Ângela; PASSOS, João Décio (Org.). Religião e Consumo: Relações e discernimentos. São Paulo: Paulinas, 2012.

PIERUCCI, Antonio Flávio. Reencantamento e dessecularização. a propósito do autoengano em Sociologia da Religião. Novos estudos CEBRAP. n. 49, nov. 1997. Disponível em: <http://novosestudos.uol.com.br/v1/contents/view/779>. Acesso em: 28 dez. 2015.

PRANDI, Reginaldo. Hipertrofia ritual das religiões afro-brasileiras. Novos estudos CEBRAP. n. 56, mar. 2000. Disponível em: <http://www.novosestudos.com.br/v1/contents/view/902>. Acesso em: 28 dez. 2015.

RIBEIRO, Cláudio de Oliveira. Um olhar sobre o atual cenário religioso brasileiro: possibilidades e limites para o pluralismo. Estudos da Religião. v. 27, n. 2, p. 53-71, jul-dez. 2013. Disponível em: <http://www.bibliotekevirtual.org/revistas/Metodista-SP/ER/v27n02/v27n02a03.pdf>. Acesso em: 25 dez. 2015.

RIVERA, P. Barrera; FILHO, Edemir Antunes. Religião e consumo na Igreja Comunidade da Graça em São Bernardo do Campo. In: VILHENA, Maria Ângela; PASSOS, João Décio (Org.). Religião e Consumo: Relações e discernimentos. São Paulo: Paulinas, 2012.

SILVA, Drance Elias da. Religião, dinheiro, fé e ansiedade no discurso teológico de prosperidade. Revista de Teologia e Ciências da Religião, UNICAP, Recife, v. 1, n. 2012.

SILVA, Drance Elias da. Consumo, Prosperidade e Pertencimento Religioso. In: ANDRADE, Péricles (Org.). Polifonia do Sagrado: Pesquisas em Ciências da Religião no Brasil. São Cristóvão, SE: Editora da UFS, 2015, p. 109-136.

STOLL, Sandra Jaqueline. O espiritismo na encruzilhada. Mediunidade com fins lucrativos? Revista USP, São Paulo, n. 67, p. 176-185, setembro/novembro 2005.

TASCHNER, Gisela. Raízes da Cultura de Consumo. Revista USP – Dossiê Sociedade de Massa e Identidade, São Paulo, n. 32, dez.- fev. de 1996-97.

Publicado
2021-07-21
Como Citar
SILVA, D. E. DA; FIGUEIRÊDO, A. G. D. DA S. Templo, Espetáculo e Consumo: formas reducionistas de pertencimento religioso. Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura, v. 15, n. 28, p. 70 - 89, 21 jul. 2021.