O Ilu quando bate não tem coração que não vibre: o som que se desloca do terreiro para espaços profanos

Palavras-chave: música de terreiros, ogã, religiões afro-brasileiras, hibridismo, diálogo

Resumo

Temos como objetivo demonstrar a presença da religião afro-brasileira em espaços não-consagrados através do deslocamento que o ilu realiza entre o terreiro até os palcos. Esse deslocamento é feito por meio de um ogã que exerce duas funções: uma como músico de cerimônias sagradas; e outra como membro de uma banda de um artista que trabalha com a tradição popular. Para isso, foi realizada entrevista com um pai de santo no bairro do Morro da Conceição no município do Recife, PE, e com um músico e ogã. A finalidade da pesquisa é também demonstrar uma conexão híbrida que o instrumento realiza entre os toques sagrados aos orixás e as canções da cultura contemporânea, uma reconfiguração do toque do terreiro inserido em outro campo musical, ao mesmo tempo em que as mesmas conexões entre esses “dois mundos” apontam para um diálogo possível.

We aim to demonstrate the presence of Afro-Brazilian religion in non-consecrated spaces through the displacement that Ilu performs between from the terreiro to the stage. This displacement is done through an ogã who performs two functions: one as a musician of sacred ceremonies and another as a member of a band of an artist who works with the popular tradition. An interview was conducted with a father of a saint in the neighborhood of Morro da Conceição in the city of Recife, PE, and with a musician and ogã. The purpose of the research is also to demonstrate a hybrid connection made by the instrument between the sacred touches to the orixás and the songs of the contemporary culture, a reconfiguration of the touch of the terreiro inserted in another musical field, at the same time that these same connections between these "two worlds "point to a possible dialogue.

Keywords: terreiros music; ogã; afro-brazilian religions; hybridism; dialogue.

Biografia do Autor

Silvério Leal Pessoa , UNICAP

Doutor em Ciências da Religião pela Universidade Católica de Pernambuco

Professor da Escola de Educação  Humanidades de UNICAP

Zuleica Dantas Pereira Campos, UNICAP

Doutora em História do Brasil pela Universidade Federal de Pernambuco

Professora do Programa de Pós-graduação em Ciências da Religião da UNICAP

Referências

ALVES, Marileide. Nação Xambá: do terreiro aos palcos. Olinda: Ed. do Autor, 2007.

ANDRADE, Mário. Pequena história da música. Belo Horizonte, Ed. Itatiaia Limitada, 1987

BARROS, José Flávio Pessoa de. “XANGÔ... a História que a escola ainda não contou”. In. VALLA, Victor Vicente (org.). Religião e cultura popular. Rio de Janeiro: DP&A, 2001

BOURDIEU, Pierre. Economia das trocas simbólicas. São Paulo: Editora Perspectiva, 2002.

BURKE, Peter. Cultura Popular na Idade Moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

CANCLINI, Néstor Garcia. Culturas Híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

CAMPOS, Roberta Bivar C., SILVA, Carmem Lúcia; LIMA, Greilson José de; SILVA, Eliane Anselmo. “Os desafios de Xambá, um terreiro que “virou” quilombo: sincretismo e africanidade em análise”. In. BRANDÃO, Sylvana; MARQUES, Luiz Carlos Luz, CABRAL, Newton, D. de Andrade Cabral. (Orgs.). História das religiões no Brasil. Recife: Bagaço, v. 6, 2012.

CAMPOS, Zuleica Dantas P. “Religião e espetacularização: das Tias do Pátio do Terço a Noite dos Tambores Silenciosos”. In. BRANDÃO, Sylvana; MARQUES, Luiz Carlos Luz, CABRAL, Newton, D. de Andrade Cabral. (Orgs.). História das religiões no Brasil. Recife: Bagaço. v. 6, 2012..

LODY, Raul. Santo também come. 2. ed. – Rio de Janeiro: Pallas, 1998.

RIBEIRO, René. Cultos afro-brasileiros do Recife: um estudo de ajustamento social. 2ed. Recife: Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais, 1978.

SALLES, Sandro Guimarães de. À sombra da jurema encantada: mestres juremeiros na umbanda de Alhandra. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2010.

SOBRAL, Gilmar Vicente. 2015b “Depoimento” [jul. 2015]. Entrevistador: PESSOA, Silvério leal. Recife:. 1 arquivo .mp3 (30:26 min).

TEIXEIRA, Luiz Carlos. 2015a “Depoimento” [jul. 2015]. Entrevistador: PESSOA, Silvério Leal. Recife. 1 arquivo .mp3 (35:20 min)

Publicado
2021-07-21
Como Citar
LEAL PESSOA , S.; DANTAS PEREIRA CAMPOS, Z. O Ilu quando bate não tem coração que não vibre: o som que se desloca do terreiro para espaços profanos. Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura, v. 15, n. 28, p. 16 - 30, 21 jul. 2021.