A formação de professores para a Educação Básica

reflexões e experiências sobre a prática docente e a interdisciplinaridade na disciplina História Medieval II

Palavras-chave: Educação Básica, Formação de professores, História Medieval, Interdisciplinaridade

Resumo

Neste artigo, apresentamos as nossas reflexões e experiências sobre a formação de professores através da nossa prática docente na disciplina História Medieval II no Ensino Superior, seguindo as propostas e reflexões dos seguintes autores: Fernándes (1999), Figueiredo Nogueira (2002), Macedo (2016), Lima (2019) Cruz e Hobold (2018), Fagundes (2016), Fazenda (2012), Japiassú (1976), Lück (1995), Pimenta (2005), Santos (2012), Guimarães (2018) e Silva e Guimarães (2017). Neste sentido, abordamos brevemente a trajetória da disciplina História Medieval no âmbito universitário brasileiro, apresentamos e problematizamos a proposta da disciplina História Medieval II, problematizamos o conteúdo sobre História Medieval na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e refletimos sobre os aspectos interdisciplinares da disciplina na formação de professores. Como conclusão, destacamos a necessidade de considerar a relação entre a práxis docente, o conteúdo da BNCC e o conteúdo curricular em nossa prática de sala de aula, assim como a importância da interdisciplinaridade na formação docente.

Biografia do Autor

Luciano José Vianna, Universidade de Pernambuco (UPE) - Campus Petrolina

Professor Adjunto de História Medieval na Universidade de Pernambuco/campus Petrolina. Professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Formação de Professores e Práticas Interdisciplinares (PPGFPPI) da Universidade de Pernambuco/campus Petrolina. Doutor em Cultures en contacte a la Mediterrània pela Universitat Autònoma de Barcelona (UAB). Pós-Doutor em História pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Membro do Institut d’Estudis Medievals (UAB-IEM). Coordenador do Spatio Serti – Grupo de Estudos e Pesquisa em Medievalística (UPE/campus Petrolina). E-mail: luciano.jose.vianna@gmail.com. ORCID: http://orcid.org/0000-0001-7355-7609. O presente trabalho foi realizado com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – Brasil (CAPES) – Código de Financiamento 001. 

Referências

AURELL, Jaume. La historiografía medieval: siglos IX-XV. In: Comprender el pasado. Una historia de la escritura y el pensamiento histórico (Aurell, Jaume; Balmaceda, Catalina; Burke, Peter; Soza, Felipe). Madrid: Ediciones Akal, 2013, p. 95-133.

BARTHÉLEMY, Dominique. Senhorio. In: LE GOFF, Jacques e SCHMITT, Jean-Claude (eds.). Dicionário Temático do Ocidente Medieval. v. 2. São Paulo: Edusc, 2002, p. 465-476.

BASCHET, Jérôme. A civilização feudal. Do ano mil à colonização da América. Rio de Janeiro: Globo, 2006.

BLOCH, Marc. A sociedade feudal. Lisboa: Edições 70, 2001.

BLOCH, Marc. Introdução à História. Lisboa: Publicações Europa-América, 1965.

BOURDÉ, Guy e MARTIN, Hervé. Las escuelas históricas. Madrid: Akal, 2004.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Educação é a Base. Brasília: MEC/CONSED/UNDIME, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 24 mar. 2021.

CÂNDIDO DA SILVA, Marcelo; SOBREIRA, Victor. O Laboratório de Estudos Medievais: balanço e perspectivas. In: AMARAL, Clinio; LISBÔA, João. A historiografia medieval no Brasil: de 1990 a 2017. Curitiba: Editora Appris, 2019, p. 251-279.

COSTA, Jéssica Pereira da. O estudo de História do Islã e dos muçulmanos na educação básica: conceitos e representações. Dissertação de Mestrado, UCS: 2016, 107 p. Disponível em: https://repositorio.ucs.br/xmlui/handle/11338/1794. Acesso em: 24 mar. 2021.

CRUZ, E. P. da.; LEITE, C. R.; LÖHR, S. S. O cinema em sala de aula: uma ferramenta pedagógica a serviço do professor. Imagens da Educação, v. 1, n. 2, p. 23-30, 2014.

CRUZ, Giseli Barreto da; HOBOLD, Márcia. Prática formativas de professores de cursos de licenciatura: diferentes estratégias para ensinar. In: ANDRÉ, Marli (Org.). Práticas inovadoras na formação de professores. Campinas: Papirus, 2018, p. 237-262.

Dicionário de História e Cultura da Era Viking. Johnni Langer (Org.). São Paulo: Hedra, 2018.

ERLANDE-BRANDENBURG, Alain. Catedral. In: LE GOFF, Jacques e SCHMITT, Jean-Claude (eds.). Dicionário Temático do Ocidente Medieval. v. 1. São Paulo: Edusc, 2002, p. 173-184.

FAGUNDES, Tatiana Bezerra. Os conceitos de professor pesquisador e professor reflexivo: perspectivas do trabalho docente. Revista Brasileira de Educação, v. 21, n. 65, p. 281-298, 2016.

FAZENDA, Ivani C. Arantes. Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa. Campinas: Papirus, 2012.

FERNÁNDES, Raúl Cesar Gouveia. Reflexões sobre o Estudo da Idade Média. LAUAND, Luiz Jean (coord.). Revista VIDETUR, v. 6, São Paulo, 1999, p. 7-14.

FIGUEIREDO NOGUEIRA, Carlos Roberto. Os estudos medievais no Brasil de hoje. Medievalismo, n. 12, p. 291-297, 2002.

FLORI, Jean. Guerra Santa. Formação da ideia de cruzada no Ocidente cristão. Unicamp: Editora da Unicamp, 2013.

FRANCO JÚNIOR, Hilário. A Idade Média. Nascimento do Ocidente. São Paulo: Brasiliense, 2001.

FRANCO JÚNIOR, Hilário; MONGELLI, Lenia Márcia de Medeiros; VIEIRA, Yara Frateschi. Estudos Medievais no Brasil. Revista de poética medieval, n. 21, p. 177-219, 2008.

FRANCO JÚNIOR, Hilário. Somos todos da Idade Média. Reflexões de História. Disponível em: https://reflexoesdehistoria.wordpress.com/2011/01/31/somos-todos-da-idade-media-por-hilario-franco-junior/ . Acesso em: 24 mar. 2021.

GUIMARÃES, Selva. A pesquisa e a produção de conhecimentos em sala de aula. In: GUIMARÃES, Selva. Didática e prática de ensino de História. Campinas: Papirus, 2018, p. 205-234.

HODGETT, Gerald A. J. História social e econômica da Idade Média. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975.

JAPIASSU, Hilton. Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1976.

JIMÉNEZ ALCÁZAR, Juan Francisco. De la edad de los imperios a la guerra total: Medievo y Videojuegos. Murcia: Compobell, 2016.

LE GOFF, Jacques. A história nova. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

LEÃO, A. V. Os estudos medievais na atualidade brasileira: região sudeste. In: MALEVAL, Maria do Amparo Tavares. (Org.). Encontro Internacional de Estudos Medievais, 3, 1999, Rio de Janeiro. Atas do III Encontro de Estudos Medievais. Rio de Janeiro: Ágora da Ilha, 2001, p. 138-145.

LEFEBVRE, Henri. La producción del espacio. Madrid: Capitan Swing Libros, 2013.

LEME, Elaine Cristina Senko. História e historiografia medieval oriental. Curitiba: Intersaberes 2019.

LIMA, Douglas Mota Xavier de. Uma história do porvir: a medievalística brasileira em terras amazônicas. In: AMARAL, Clinio; LISBÔA, João. A historiografia medieval no Brasil: de 1990 a 2017. Curitiba: Editora Appris, 2019, p. 61-90.

LOPES, Nei e MACEDO, José Rivair. Dicionário de História da África. Séculos VII a XVI. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

LÜCK, Heloisa. Pedagogia interdisciplinar: fundamentos teórico-metodológicos. Petrópolis: Vozes, 1995.

MACEDO, José Rivair. Repensando a Idade Média no Ensino de História. In: História na sala de aula: conceitos, práticas e propostas. Leandro Karnal (Org.). São Paulo: Contexto, 2016, p. 109-125.

MIATELLO, André Luis Pereira. A História Medieval na graduação em História: da pesquisa à docência. Revista Chilena de Estudios Medievales, n. 11, p. 68-90, enero-junio 2017.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez; Brasília: UNESCO, 2000.

OPTIZ, Claudia. O quotidiano da mulher no final da Idade Média (1250-1500). In: KLAPISCHZUBER, Christiane. História das Mulheres. A Idade Média. Porto: Edições Afrontamento, 1993, p. 353-435.

PEDRERO-SÁNCHEZ, M. G. Los estudios medievales en Brasil. Medievalismo, n. 4, p. 223-228, 1994.

PIMENTA, Selma Garrido. Professor-pesquisador: mitos e possibilidades. Contrapontos, v. 5, n. 1, p. 09-22, jan/abr 2005.

Quando os mouros dominaram a Europa. (título original: When the Moors Ruled in Europe). Direção: Timothy Copestake. Reino Unido. 2005. 102 min.

RUIZ-DOMÈNEC, José Enrique. Entre historias de la Edad Media. Granada: Editorial Universidad de Granada, 2011.

SANTOS, Lucíola Licinio de C. P. Formação do professor e pedagogia crítica. In: FAZENDA, Ivani C. Arantes. A pesquisa em educação e as transformações do conhecimento. Campinas: Papirus, 2012, p. 17-28.

São Francisco de Assis (título original: Francis of Assisi). Direção: Michael Curtiz. Local: Estados Unidos. Play Entertainment, 1961. 105 min.

SCHÜTZ, Jenerton Arlan; FUCHS, Cláudia; DA COSTA, Carlos Odilon. Universidade, pesquisa e docência: reflexões críticas sobre os abusos do atual governo. Revista Tempos e Espaços em Educação, n. 32, v. 13, p. 1-19, 2020.

SILVA, Andréia Cristina Lopes Frazão da. Os estudos medievais no Brasil e o diálogo interdisciplinar. Medievalis, v. 1, n. 2, p. 1-15, 2013.

SILVA, Marcos e GUIMARÃES, Selva. Ensinar História no século XXI: em busca do tempo entendido. Campinas: Papirus, 2017.

VAUCHEZ, André. A Espiritualidade na Idade Média ocidental. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995.

ZERNER, Monique. Heresia. In: LE GOFF, Jacques e SCHMITT, Jean-Claude (eds.). Dicionário Temático do Ocidente Medieval. v. 2. São Paulo: Edusc, 2002, p. 503-521.

Publicado
2021-07-21
Como Citar
VIANNA, L. J. A formação de professores para a Educação Básica: reflexões e experiências sobre a prática docente e a interdisciplinaridade na disciplina História Medieval II. Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura, v. 15, n. 28, p. 180 - 202, 21 jul. 2021.