Nas grades da escravidão: escravos, senhores e libertos na imperial cidade de Laranjeiras-SE (1850-1888)

  • José Mario dos Santos Resende Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Sergipe Professor Assistente II da Universidade Federal de Sergipe
  • Sheyla Farias Silva Mestre em História pela Universidade Federal da Bahia Professora Assistente II da Universidade Federal de Alagoas

Resumo

A escravidão africana fez-se presente em todos os segmentos da sociedade brasileira colonial e imperial. Caracterizar a população de Laranjeiras entre 1850 a 1888, em especial a presença de escravizados nos variados setores econômicos é o objetivo central deste artigo. Para isso, traçamos um perfil socioeconômico da população do município dando ênfase aos setores intermediários entre a casa-grande e a senzala, com base nas fontes primárias dos inventários post-mortem (1850-1888), de eleitores do município (1876), lista de classificação de escravos para fundo de emancipação (1875), entre outros documentos.

Palavras-chave: Escravidão. Economia. Laranjeiras.

Biografia do Autor

José Mario dos Santos Resende, Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Sergipe Professor Assistente II da Universidade Federal de Sergipe

Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Sergipe

Professor Assistente II da Universidade Federal de Sergipe

Sheyla Farias Silva, Mestre em História pela Universidade Federal da Bahia Professora Assistente II da Universidade Federal de Alagoas

Mestre em História pela Universidade Federal da Bahia

Professora Assistente II da Universidade Federal de Alagoas

Referências

ALMEIDA, Márcio Roger Melo. Aspectos relativos a propriedade de escravos na Província de Sergipe. São Cristóvão, 2000. Monografia (Graduação em Economia). Universidade Federal de Sergipe.

ALONSO, Ângela. Ideias em movimento: a geração de 1870 na crise do Brasil Império. São Paulo: ANPOCS/Paz e Terra, 2002.

ANDRADE, Manoel Corrêa de. A Terra e o Homem no Nordeste. São Paulo: Brasiliense, 1964.

ANTONIL, João Andrade. Roteiro do Brasil: cultura e opulência do Brasil (1711). São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1967.

AVÉ-LALLEMANT, Robert. Viagens pelas Províncias da Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe: 1859. Belo Horizonte: Editora Itatiaia; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1980.

AZEVEDO, Camerino Bragança de. Doutor Bragança, esse varão laranjeirense. Rio de Janeiro: PONGETTI, 1972.

BUENO, Francisco Antônio Pimenta. Relatório sobre preferência de traçados para a estrada de ferro na Província de Sergipe apresentado ao Ilm. e Exm. Sr. Conselheiro Pedro Luiz Pereira de Souza, Ministro e Secretário de Estado dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas. Rio de Janeiro: Typ. Nacional, 1881.

CHAYANOV, A. V. La Organización de la Unidad Economica Campesina. Buenos Aires: Nueva Vision, 1974.

KOSTER, Henry. Viagem ao Nordeste do Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional. Série Brasiliana. Volume 221, 1942.

LINHARES, Maria Yedda, SILVA, Francisco Carlos Teixeira da. História da agricultura brasileira. São Paulo: Brasiliense, 1981.

LUNA, Francisco Vidal; COSTA, Iraci del Nero. Posse de escravos em São Paulo no início do século XIX. Revista Estudos Econômicos. V. 13, n.º 1, São Paulo, 1983.

MARCONDES, Renato Leite. A pequena e a média propriedade na grande lavoura cafeeira do vale da Paraíba. LOCUS, Revista de História: Juiz de Fora, vol. 4. Nº 2, 1998.

PASSOS SUBRINHO, Josué Modesto dos. Escravos e senhores no crepúsculo do escravismo: Laranjeiras, Província de Sergipe. Anais do XXV Encontro Nacional de Economia. Recife: ANPEC, 1997, v. 2, pp. 995-1014.

RESENDE, Mário. Entre Campos e Veredas da Cotinguiba: o espaço agrário em Laranjeiras/SE (1850-1888). Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Federal de Sergipe, 2003.

SANTOS, Joceneide Cunha dos. De senhores de engenho a lavradores de mandioca: um estudo sobre a propriedade escrava no Agreste-Sertão de Lagarto (1850-1888). São Cristóvão, 2001. Monografia (Graduação em História). Universidade Federal de Sergipe.

SCHRAMM, Adolphine. Cartas de Maruim. Tradução de Edgar Freitas. Aracaju: UFS, 1991.

SCHWARTZ, Stuart B. Padrões de Propriedade de Escravos nas Américas... Estudos Econômicos, São Paulo, 13(1): 259-287, 1983.

SILVA, Sheyla Farias. Riqueza em movimento: a construção da fortuna na Estância escravocrata. São Cristóvão, 2002. Monografia (Graduação em História). Universidade Federal de Sergipe.

SOUZA, Dom Marcos Antônio de. Memória sobre a Capitania de Sergipe, sua fundação, população, produtos e melhoramentos de que é capaz. Aracaju, IBGE/DEE. 1944. [Primeira edição: Jornal do Comércio, Aracaju, 1877, manuscrito de 1808].

WANDERLEY, Maria de Nazareth B. Raízes históricas do campesinato brasileiro. In: TEDESCO, João Carlos (org.). Agricultura familiar: realidades e perspectivas. Passo Fundo: Editora da UPF, 1999.

Publicado
2018-07-28
Como Citar
RESENDE, J. M. DOS S.; SILVA, S. F. Nas grades da escravidão: escravos, senhores e libertos na imperial cidade de Laranjeiras-SE (1850-1888). Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura, v. 12, n. 22, p. 191 - 209, 28 jul. 2018.