O Congado e sua participação na preservação e perpetuação da cultura afro-brasileira através dos diferentes campos de atuação

  • Igor de Araújo Alves IEC- Puc Minas

Resumo

Este artigo pretende trazer algumas das ações e atuações do congado, que é uma manifestação afro-brasileira, composta predominantemente por negros, que utilizam de procissões, levantamento de mastros, coroação, canções e danças, para manifestar a sua fé e relembrar seus antepassados africanos, mantando vivas suas tradições e resistindo ao preconceito que se estende por longa data. O Congado é abordado dentro de um contexto social, religioso e cultural, como por exemplo o papel que ele exerce dentro do universo religioso, a função identitária dentro e fora das guardas, a importância da resistência e o empoderamento da cultura afro-brasileira. Tem objetivo de levar o tema congado e cultura afro-brasileira ao ambiente educacional, já que este é um lugar plural, espaço de produção de saberes e propício para a divulgação das identidades presentes na sociedade brasileira, também tem função de desmistificar e quebrar paradigmas em torno do congado, congadeiros e suas representações, já que este sofre com estereótipos e preconceitos. Este tema é de grande importância, pois divulga a cultura negra, que é um dos pilares do povo brasileiro, ademais transita pela cultura oral, cultura local, identidade e patrimônio, demonstrando que o Congado é mais que uma festa, ele é resgate,  educação, empoderamento, ele é vida, além disso esse artigo é uma forma de  materializar a lei 10.639, que obriga o ensino de África, africanos, e afro-brasileiros, dentro do sistema de educação do pais, levando as pessoas a conhecer, divulgar e respeitar.   

 

Biografia do Autor

Igor de Araújo Alves, IEC- Puc Minas
Cultura afro-brasileira, Congado, Patrimônio.

Referências

ABREU, Martha; SOIHET, Rachel. Ensino de História: conceitos, temáticas e metodologia. 2ª ed. RJ: Casa das Palavras, 2009.

ALVES, Vânia de Fátima Noronha. Os festejos do Reinado de Nossa Senhora do Rosário em Belo Horizonte/MG: práticas simbólicas e educativas. 2008. 251 f. Tese(Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo. 2008. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/horizonte/article/view/P.2175-5841.2011v9n21p268/2624. Acessado em: 12 nov. 2017.

ALVES, Vânia de Fátima Noronha. Reinado de Nossa Senhora do Rosário: a constituição de uma religiosidade mítica afrodescendente no Brasil. Dossiê: Religião e Cultura – Artigo original. Horizonte, Belo Horizonte, v. 9, n. 21, p. 268-283, abr./jun. 2011 - ISSN: 2175-5841. Disponível em: <http://periodicos.pucminas.br/index.php/horizonte/article/view/P.2175-5841.2011v9n21p268/2624>. Acessado em: 14 nov. 2017.

ANDRADE, Dalton Antônio de Avelar. Cartilha da Guarda de Congo Santa Rita- Bairro Nossa Senhora das Graças.

Sete Lagoas MG, outubro 2013. Disponível em:<http://www.daltonandrade.com/arquivo/2058> Acesso em: 13 out. 2017.

ANDRADE, Dalton Antônio de Avelar. Cartilha da Guarda Nossa Senhora do Rosário Imaculada Conceição, Bairros Industrial/ Progresso. Abril 2012, p.2. Disponível em: <http://www.daltonandrade.com/arquivo/817> Acesso em 13/11/2017.

ANDRADE, Luísa Teixeira. O curso dos conceitos: patrimônio cultural, práticas de memória e diversidade. Anais do XIX Encontro Regional de História, ANPUH. Profissão Historiador: Formação e Mercado de Trabalho. Departamento de História/UniBH. Juiz de Fora, 28 a 31 de jul. 2014. Disponível em: <http://www.encontro2014.mg.anpuh.org/resources/anais/34/1398435897_ARQUIVO_TextoAnpuhRegional2014.pdf>. Acessado em: 14 nov. 2017.

BRASIL, Lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm> Acesso em: 13 out. 2017.

BRASILEIRO, Jeremias. Cultura Afro-brasileira na Escola: o Congado na sala de aula. Disponível em:

http://culturaviva.gov.br/files/event/708/cultura_afrobrasileira_na_escola__o_congado_na_sala_de_aula.pdf>Acesso em: 13 out. 2017.

FONSECA, Selva G. Didática e Práticas de ensino de História. Campinas, SP: Papirus, 2003.

GOMES, Nilma Lino. Diversidade étnico-racial e a educação brasileira. In: BARROS, José Márcio (Org.). Diversidade cultural da proteção à promoção. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. p.133-145. Disponível em: . Acessado em: 14 nov. 2017.

GOMES, Nilma Lino; SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. O desafio da diversidade In: Experiências étnico-culturais para a formação de professores. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006, p. 13-33, 2006.

GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre

Relações raciais no Brasil: Uma breve discussão. Disponível em: <http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wp-content/uploads/2012/10/Alguns-termos-e-conceitos-presentes-no-debate-sobre-Rela%C3%A7%C3%B5es-Raciais-no-Brasil-uma-breve-discuss%C3%A3o.pdf> Acesso em: 13 out. 2017.

GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: Educação antirracista: caminhos abertos pela Lei Federal 10639/2003. Secretaria da Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. - Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001432/143283por.pdf>. Acessado em: 14 nov. 2017.

KATRIB, Cairo Mohamad Ibrahim. DIÁLOGOS ENTRECRUZADOS: CIDADANIA, CULTURA AFRO-BRASILEIRA E OS 10 ANOS DE IMPLEMENTAÇÃO DA LEI N. 10.639/2003. Revista Educação e Políticas em Debate – v. 2, n. 1 – jan./jul. 2013. Disponível em: <http://www.seer.ufu.br/index.php/revistaeducaopoliticas/article/viewFile/24060/13260> Acesso em: 13 out. 2017.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura: Um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Zahar, 1986, p25

LE GOFFE, Jacques. História e Memória. Campinas, SP Editora da UNICAMP, 1990. Disponível em:<http://memorial.trt11.jus.br/wp-content/uploads/Hist%C3%B3ria-e-Mem%C3%B3ria.pdf> Acesso em: 13 out. 2017.

RIBEIRO, Darcy. Moinhos de gastar gente. IN: RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1995. p. 126-140.

ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira. MEMÓRIA, TRADIÇÃO ORAL E PUBLICIZAÇÃO: MANIFESTAÇÕES CULTURAIS E PATRIMÔNIO IMATERIAL DE CONGADEIROS NO SUL DE MINAS GERAIS. XI Encontro Regional de História Oral. Dimensões do Público: Comunidades de sentimentos e narrativas políticas. 08 a10 de julho de 2015. Niterói – RJ. Universidade Federal Fluminense. Disponível em: <http://www.sudeste2015.historiaoral.org.br/resources/anais/9/1431716890_ARQUIVO_SIMPOSIOTEMATICOTEXTO.pdf>. Acessado em: 14 nov. 2017.

MARTINS, Leda. Afrografias da memória. São Paulo: Perspectiva; Belo Horizonte: Mazza Edições, 1997, p. 78-79.

MONTEIRO, Lívia Nascimento. XXVII Simpósio Nacional de História Os filhos do Rosário: memórias da escravidão e o pós-Abolição em Minas Gerais. Natal, Rio Grande do Norte, jul. 2013. Disponível em: <http://www.snh2013.anpuh.org/resources/anais/27/1371331850_ARQUIVO_TrabalhofinalAnpuh-Natal.pdf>. Acesso em: 13 out. 2017.

QUEIROZ, Luis Ricardo Silva, A música no contexto congadeiro. Ictus-Periódico 04 do PPGMUS/UFBA, 2006 Disponível em: <http://www.ictus.ufba.br/index.php/ictus/article/viewFile/43/50>. Acessado em 14 nov. 2017.

REIS, João José. Identidade e Diversidade Étnicas nas Irmandades Negras no Tempo da Escravidão. (1997, p. 5,15). Tempo, Rio de Janeiro, vol. 2, n°. 3, 1996, p. 7-33. Disponível em: <http://www.historia.uff.br/tempo/artigos_dossie/artg3-1.pdf>. Acessado em: 14 nov. 2017.

Publicado
2018-07-28
Como Citar
ALVES, I. DE A. O Congado e sua participação na preservação e perpetuação da cultura afro-brasileira através dos diferentes campos de atuação. Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura, v. 12, n. 22, p. 210 - 223, 28 jul. 2018.