Bandidos? O Sertão do São Francisco e suas tensões políticas

  • Lina Maria Brandão de Aras Universidade Federal da Bahia
  • Rafael Sancho Carvalho da Silva Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB) e Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal da Bahia (PPGH-UFBA).

Resumo

No sertão do Rio São Francisco a batalha para assegurar o controle de cargos e funções do governo imperial promoveu uma série de conflitos que resultou na formação de grupos armados. As tensões políticas provocadas por disputas dos cargos do Estado Imperial lançaram vários indivíduos em grupos armados. O banditismo apresentado no presente texto tem como ponto de observação a atuação de grupos armados no sertão do Rio São Francisco a partir das disputas políticas locais.

Biografia do Autor

Lina Maria Brandão de Aras, Universidade Federal da Bahia
Professora da Universidade Federal da Bahia
Rafael Sancho Carvalho da Silva, Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB) e Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal da Bahia (PPGH-UFBA).
Professor da Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB) e doutorando no Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal da Bahia (PPGH-UFBA).

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. São Paulo: Cortez, 2011.

ARAÚJO, Dilton Oliveira. O Estado brasileiro ante os conflitos políticos no sertão da Bahia do século XIX: eficácia repressiva e acomodação. In.: NEGRO, Antonio L. et all. (Orgs). Tecendo histórias: espaço, política e identidade. Salvador: EDUFBA, 2009.

APEB (Arquivo Público do Estado da Bahia). Seção Provincial e Colonial. Série: Correspondência dos Juízes Campo Largo (1830 – 1884). Maço 2313.

APEB. Seção Provincial e Colonial. Série: Juízes - Carinhanha (1875 – 1882). Maço: 2341.

APEB. Seção Provincial e Colonial. Série: Juízes - Carinhanha (1875 – 1882). Maço: 2342.

BAIANO, Hélverton. História de Correntina. Goiânia: Ed. Do autor, 1996.

FIGUEIREDO, Candido de. Nôvo diccionário da língua portuguesa. Vol. 01. Lisboa: Tavares Cardoso & Irmão, 1899.

FILGUEIRAS JUNIOR, Araujo. Código Criminal do Império do Brazil annotado. 2ª Edição. Rio de Janeiro: em casa dos editores proprietários Eduardo & Henrique Laemmert 66, Rua do ouvidor, 66, 1876.

FONTES, Oleone Coelho. Lampião na Bahia. Petrópolis: Vozes, 1996.

FREITAS, Antonio Fernando Guerreiro de. Oeste da Bahia: formação histórico-cultural (primeira parte). In.: Cadernos do CEAS. Salvador, n. 181, maio/jun.1999.

HAESBAERT, Rogério. Concepções de território para entender a desterritorialização. In.: SANTOS, Milton; BECKER, Bertha K [et. al.]. Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007.

HALFELD, Henrique Guilherme Fernando. Atlas e Relatório concernente a exploração do Rio de S. Francisco: desde a cachoeira da Pirapóra até ao ocenano atlântico, levantado por ordem do governo de S.M.I. o senhor Dom Pedro II. Rio de Janeiro: Lithographia imperial de Eduardo Rensburg, 1860.

MATTOSO, Kátia M. de Queirós. Bahia, século XIX: uma província no Império. 2ª edição. Tradução: Yedda de Macedo Soares. Rio de Janeiro – RJ: Editora Nova Fronteira S.A., 1992.

SANTOS, Igor Gomes. A horda heterogênea: crime e criminalização de “comunidades volantes” na formação da nação, Bahia (1822 – 1853). Niterói: UFF, 2017. (Tese de doutorado)

SILVA, Rafael Sancho Carvalho da. “E de Mato faria fogo”: o banditismo no sertão do São Francisco (1848 – 1884). Salvador: Sagga, 2017.

Publicado
2018-07-28
Como Citar
ARAS, L. M. B. DE; SILVA, R. S. C. DA. Bandidos? O Sertão do São Francisco e suas tensões políticas. Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura, v. 12, n. 22, p. 78 - 92, 28 jul. 2018.