Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca <p><strong>Escopo</strong>: Ponta de Lança é uma publicação do Grupo de Pesquisa História Popular do Nordeste do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Sergipe. Sua proposta é constituir-se em veículo interdisciplinar voltado para o debate sobre História, Memória e Cultura, com ênfase na História do nordeste, compreendida tanto no seu aspecto diacrônico (esfera da história tradicional) quanto no seu aspecto sincrônico (onde a história é uma história do tempo presente).<br><strong>E-ISSN: </strong>1982-193X</p> Editora da UFS pt-BR Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura 2177-207X <p>Os autores devem concordar com os termos da Declaração de Direito Autoral, que se aplicará a submissão caso seja publicada nesta revista, assim como, repassa a Revista Ponta de Lança como detentora dos direitos autorais da publicação.</p> <ol> <li class="show">As opiniões expressas nos textos submetidos à Ponta de Lança são da responsabilidade dos/as autores/as.&nbsp;</li> <li class="show">Autores/as conservam os direitos de autor/a e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a&nbsp;Licença Creative Commons Attribution&nbsp;que permite a partilha do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.</li> <li class="show">Os/As autores/as comprometem-se a seguir as “Normas para submissão de manuscritos”, na plataforma.</li> <li class="show">Sempre que o texto precisar de sofrer alterações, por sugestão dos/as Revisores/as Científicos e/ou da Comissão Executiva, os/as autores/as comprometem-se a aceitar essas sugestões e a introduzi-las nas condições solicitadas. Sempre que houver alterações de que os/as autores/as discordem, devem ser apresentadas as respectivas justificações, caso a caso.</li> <li class="show">A reprodução de material sujeito a direitos de autor/a foi antecipadamente autorizada.</li> <li class="show">Os&nbsp;textos são originais, não publicados nem submetidos a outras revistas.</li> </ol> <p>Licença <a href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0/" rel="license">Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional</a> (BY-NC-4.0)</p> Expediente https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/15166 Os Editores Copyright (c) 2020 Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-01-27 2021-01-27 14 27 Apresentação https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/15161 Antonio Fernando de Araújo Sá Copyright (c) 2020 Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-01-27 2021-01-27 14 27 8 9 Apresentação - Dossiê https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/15167 Resumo Edna Maria Matos Antonio Pedro Vilarinho Castelo Branco Copyright (c) 2020 Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-01-27 2021-01-27 14 27 10 13 Entre Ofícios, Decretos e Nomeações: a construção do Estado Imperial na Província do Piauí (1823-1825) https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/14650 <p>O artigo analisa a formação e afirmação do Estado imperial na província do Piauí no período de 1823 a 1825, observando os diversos decretos, ofícios e pedidos de nomeações que ocorreram no período vigente. Na construção do argumento, entendemos que, para melhor compreensão do processo de independência e de consolidação do Estado imperial no Piauí, necessário se faz entender a dinâmica e os arranjos familiares da elite local, que formavam grupos políticos que ascenderam ao poder ainda no período de conquista dos territórios e de construção da sociedade colonial, e que, no pós-independência, os arranjos institucionais que se forjavam no Brasil acabaram por levar ao agravamento de tensões política entre os grupos locais.</p> Pedro Vilarinho Castelo Branco Francisco de Assis Oliveira Silva Copyright (c) 2020 Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-01-27 2021-01-27 14 27 14 31 A participação dos elementos populares no processo de independência da América portuguesa: uma discussão https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/14691 <p>o artigo indica uma discussão que problematiza a participação dos grupos populares no processo de emancipação da América portuguesa. Caracterizado como um tema marcado pela indisponibilidade de fontes produzidas por esses agentes e pelo protagonismo da elite, questiona-se a difundida ideia de apatia política. Para estruturar essa discussão foram analisados elementos de fundo histórico por meio da análise de documentos e bibliografia selecionada. O reconhecimento da existência de interesses, elaboração de ideias e projetos de sociedade pelos grupos populares implica em verificar formas específicas de interação com o mundo da política, diante das condições possíveis de atuação nessa fase de definição do futuro político dessa ex-colônia.</p> <p><strong>Abstract: </strong></p> <p>This article indicates a discussion that problematize the issue of participation of popular groups in the Portuguese America emancipation process. Characterized as a subject marked by unavailability of sources produced by these agents and the role of the elite questions the widespread idea of political apathy. To structure this discussion were analyzed historical background elements through the analysis of documents and selected bibliography. The recognition of interests, development of ideas and projects of society by popular groups implies verify specific forms of interaction with the world of politics, given the possible conditions of performance in this definition phase of the political future of this former colony.</p> <p><strong>Keywords:</strong> Independence, Portuguese America, popular participation, slavery, politics</p> Edna Maria Matos Antonio Copyright (c) 2020 Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-01-27 2021-01-27 14 27 32 53 O Adesismo político e os debates educacionais do Barão de Abiahy na transição do Império para República https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/14651 <p>Este artigo aponta como Silvino Elvídio Carneiro da Cunha – o barão do Abiahy, figura atuante da elite política na Paraíba e representante do partido conservador, permaneceu monarquista até as vésperas da proclamação republicana, aderindo ao novo regime estabelecido e ajustando seu discurso envolvendo reformas educacionais para continuar no jogo político em período caracterizado pela coexistência de posicionamentos diante do ordenamento educacional, político e social. Estas discussões, como parte das concorrências políticas, encontravam-se, sobretudo, nos jornais e nos relatórios presidenciais. Percebe-se, assim, uma concepção adesista em vários momentos como: defesa da instrução para os ingênuos, ideário do Ensino Livre e criação de aulas noturnas para o público adulto trabalhador.</p> Suenya do Nascimento Costa Copyright (c) 2020 Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-01-27 2021-01-27 14 27 54 73 As manifestações dos piauienses à Proclamação da República no Brasil (1889-1890) https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/14657 <p>O projeto de República, bem como a sua instauração, foi conduzido por uma pequena parcela de civis e militares, deixando a maioria do povo brasileiro à parte dos acontecimentos. Assim, o ato ocorrido em 15 de novembro de 1889 na Capital Federal causou surpresas e diversas reações em todo o território nacional. Observando essa conjuntura, este artigo tem como objetivo analisar como os habitantes da Capital e interior do Piauí foram informados sobre a instalação do novo regime e quais as reações e posicionamentos de seus habitantes frente à mudança na política do país. Adota-se como fontes telegramas, atas de reuniões, anúncios de jornal, atos administrativos, cartas e produções literárias publicados nos periódicos <em>Atualidade </em>(1889) e o <em>Estado do Piauí</em> (1890. Entre os autores discutidos estão QUEIROZ (2006), MONTEIRO (2015) e CARVALHO (2016).</p> Thaise de Sousa Araújo Teresinha de Jesus Mesquita Queiroz Copyright (c) 2020 Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-01-27 2021-01-27 14 27 74 92 Bicentenário de emancipação e a história da saúde em Sergipe: https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/14661 <p>A proposta deste artigo se insere nos movimentos de comemorações do bicentenário de independência política de Sergipe que se deu em 1820. Sobre a trajetória de 200 anos de um território independente lançaremos luz sobre a história da saúde sergipana, a partir do que foi produzido na historiografia sobre a temática da saúde, não no sentido de um balanço historiográfico, mas para apontar as potencialidades deste domínio da história no passado sergipano, sublinhado temas, objetos e abordagens ainda não experimentadas do ponto de vista da história. Isto é possível uma vez que referente a saúde em Sergipe, contamos com uma gama de fontes históricas ainda não exploradas, que configura esse nicho historiográfico lote fértil para desvendarmos nuances e particularidades do pretérito sergipano. Sendo assim este estudo foi configurado em três fretes que iram balizar nossa discussão por entendermos que se trata de pilares da história da saúde brasileira: O patrimônio cultural da saúde em Sergipe/ A história da doença em 200 anos de Sergipe independente / Produções científicas e sujeitos sergipanos da arte de curar. O que se pretende evidenciar é a importância de aprofundarmos os estudos sobre a história da saúde em Sergipe em diferentes vertentes, imersa no contexto histórico nacional, dando relevo as nossas particularidades e agentes históricos</p> Barbara Barbosa dos Santos Copyright (c) 2020 Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-01-27 2021-01-27 14 27 93 122 Do curandeirismo à medicina científica: a transição médica estampada na Gazeta do Rio de Janeiro https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/14632 <p>O Brasil se transformou com a chegada da Família Real em 1808. Entre as primeiras medidas impactantes esteve a criação dos primeiros cursos superiores de Medicina da então colônia portuguesa, primeiro na Bahia e a seguir no Rio de Janeiro. Este artigo analisa, a partir das páginas da <em>Gazeta do Rio de Janeiro</em>, os hábitos médicos de uma sociedade em transição entre a medicina arcaica e a medicina tradicional acadêmica que surgiria posteriormente com a consolidação das escolas médico-cirúrgicas, procurando mostrar que doenças como a varíola e a sífilis emprestaram desafios à sociedade carioca às vésperas da Independência do país.</p> João Victor Ribeiro Pires Copyright (c) 2020 Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-01-27 2021-01-27 14 27 123 143 “Com muita resignação sofrerão aquele prejuízo”: os negociantes britânicos e a crise monetária na província do Maranhão (1831-1834) https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/14613 <p>This paper intends to analyze the process of resizing of the province economic sphere from Maranhão, between 1831-1834. This theme is inserted in the historiographical discussions about the construction of the Brazilian imperial State and its interface. Between 1831-1834 important decrees on imperial taxation were enacted and delimited areas of control of central power and provincial governments. Moreover, these decrees aimed greater control of taxation in the provinces. In addition, we will analyze the context of the latent socioeconomic crisis due to the circulation of counterfeit coins in the northern region, which focused, among other actors, on English traders established in the region.</p> <p><strong>Keywords: </strong>British traders; currency crisis; Presidency council; Maranhão.</p> <p>&nbsp;</p> <p>Inserindo-se no âmbito de discussões historiográficas acerca da construção do Estado imperial e suas interfaces, o presente trabalho pretende analisar os trâmites de redimensionamento da esfera econômica da província do Maranhão entre o período de 1831-1834. Nesse contexto, ocorre a efetivação de importantes decretos sobre a fiscalidade imperial, que delimitaram espaços de domínio do Poder central e dos governos provinciais e visavam maior controle da fiscalidade nas províncias. Além disso, buscamos analisar o contexto de latente crise socioeconômica devido à circulação de moedas falsas na região norte, que incidiram, dentre outros atores, sobre os negociantes ingleses estabelecidos na região.</p> <p><strong>Palavras-chave:</strong> negociantes britânicos; crise monetária, Conselho Presidial, Maranhão.</p> <p>&nbsp;</p> Luisa Moraes Silva Cutrim Raissa Gabrielle Cirino Copyright (c) 2020 Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-01-27 2021-01-27 14 27 144 159 Canudos: um movimento contra-aculturativo?? https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/15064 <p><strong>Resumo</strong> Este artigo apresenta a análise do primeiro trabalho acadêmico de análise antropológica da Guerra de Canudos, Tese de Docência Livre, de autoria da antropóloga professora Marina São Paulo de Vasconcellos, defendida em 25 de abril de 1949 na Faculdade Nacional de Filosofia- FNFi/Universidade do Brasil.</p> <p><strong>Palavras-Chave</strong>: Guerra de Canudos. Cultura. Nordeste brasileiro.</p> <p><strong>Abstract</strong> This article presents the first academic work of anthropologic analyses on Canudos War, Post-Doctoral thesis of the anthropologist and professor Marina São Paulo de Vasconcellos, on 1949 April 25 at Faculdade Nacional de Filosofia- FNFi/Universidade do Brasil.</p> <p><strong> Keywords:</strong> Canudos War. Culture. Brazilian Northeast.</p> Luitgarde Oliveira Cavalcanti Barros Copyright (c) 2020 Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-01-27 2021-01-27 14 27 160 170 Vestígios de Lampião no Sertão do São Francisco: os cangaceiros de Paulo Afonso – BA https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/14377 <p>Este artigo aponta para a apreensão e memorização dos vestígios deixados por Lampião e seus cangaceiros na região do sertão do Rio São Francisco, área frequentada pelo cangaceiro a partir de 1928, particularmente na cidade de Paulo Afonso - BA. Entendo que o cangaço lampiônico, caracterizado pelo nomadismo, mobilidade e ubiquidade, engendra uma forma de memorização similar à sua atuação, que denomino de memória espectral. Lampião, como um espectro, esteve presente em locais por onde não passou e na vida de pessoas que não conheceu, deixando vestígios materiais e imateriais de sua passagem. Os Cangaceiros de Paulo Afonso, grupo de homens e mulheres que se trajam de <em>cangaceiros</em> e <em>volantes</em> durante o carnaval, significam os vestígios imateriais do cangaço ao dar vida a uma narrativa criada com base em suas experiências com o fenômeno. Com o passar dos anos e gerações, a narrativa tornou-se um outro <em>cangaço</em>, mantendo elos com o fenômeno histórico, mas que adquiriu seus próprios contornos. Assim, o grupo memoriza o cangaço através da vivência de suas memórias.</p> Isabela Mouradian Amatucci Copyright (c) 2020 Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-01-27 2021-01-27 14 27 171 189 Negociações, conflitos e omissões: a construção de memórias em torno da Usina Hidrelétrica Luiz Gonzaga (1979 - 1988) https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/14445 <p>O presente artigo, valendo-se dos aportes teóricos-metodológicos da História Social, possui como objetivo analisar os discursos acerca da “paternidade” dos reassentamentos originários da construção da Usina Hidrelétrica Luiz Gonzaga, localizada em Petrolândia, PE, região do submédio São Francisco. Para esse fim, foi empregado a abordagem da história do discurso, com a observância dos elementos dispostos por Barros (2013), como primordiais para tal fim: intratexto, intertexto e contexto. Além do mais, conta com a operacionalização dos conceitos de memória, identidade e poder, como uma tríade constituinte desses discursos. E resultou na identificação de discursos divergentes entre os trabalhadores rurais e a Companhia Hidrelétrica do São Francisco, em que cada qual se apresenta obedecendo a sua instituição e aos seus interesses, expondo e omitindo situações.</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> Marcos Manoel do Nascimento Silva Pedro Abelardo de Santana Copyright (c) 2020 Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-01-27 2021-01-27 14 27 190 210 Origens, deslocamentos e possíveis rumos da intermediação cultural em arranjos contemporâneos da cultura. https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/14291 <p>Este artigo dispõe-se a revisitar a noção de intermediários culturais frente a recentes arranjos da cultura periférica no Brasil. Desde sua introdução por Bourdieu, o conceito tem sido objeto de sucessivas aproximações, dada a complexidade organizacional que define o setor cultural. Compreendidos como atores de mercado responsáveis pela mediação entre os bens simbólicos e as pessoas, os intermediários culturais atuam na esfera da legitimação, o que os torna figuras determinantes na configuração do ambiente cultural. Com a efervescência da produção cultural oriunda das periferias, novas dinâmicas de mediação são apresentadas, apontando possíveis caminhos e descaminhos para o exercício da intermediação cultural na contemporaneidade. Apreender esses trajetos integra a construção de um repertório de práticas mais democráticas, sob as quais cenários culturais mais autênticos e inclusivos podem ser moldados.</p> Ana Carolina Louback Lopes Copyright (c) 2020 Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-01-27 2021-01-27 14 27 211 224 A pseudocarnavalização em um terreiro de Pau dos Ferros-RN https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/13991 <p>Este artigo é fruto de nossa pesquisa de doutorado, em desenvolvimento junto ao PPGL/UERN. Nele tratamos da (des)materialização do conceito de <em>carnavalização</em>, proposto por Bakhtin, com a qual nos deparamos no ínterim da observação participante que levou à constituição do <em>corpus</em> da pesquisa. Ao realizar entrevistas com membros de um terreiro de Umbanda na cidade de Pau dos Ferros-RN, percebemos, por parte dos dirigentes, a construção de uma alegoria discursiva, com a qual pretendiam reconfigurar a hierarquia social tradicionalmente pertinente à natureza daquele grupo religioso. Num diálogo com a hierarquia validada pela tradição, seus discursos contrapunham outra hierarquia, esta de valores constituídos por sentidos que orbitam em torno dos signos “Pai”, “Mãe” e “irmã(o)s de santo”.</p> <p>PALAVRAS-CHAVE: Argumentação; Hierarquia de valores; Nova retórica</p> Leonardo Mendes Álvares Gilton Sampaio de Souza Copyright (c) 2020 Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-01-27 2021-01-27 14 27 225 242 No coração do corpo político medieval: breves reflexões sobre o caráter corporativo em Castela-Leão à luz do Reinado de Alfonso X (1252-1284) https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/13920 <p>O amplo conjunto dos imaginários sócio-políticos, militares, religiosos, etc, das sociedades do Ocidente Medieval foram integralmente estruturados a partir do prisma do chamado <em>caráter corporativo</em>. Em seu âmago, residia a percepção de que o reflexo da sociedade refletiria a existência de um corpo político, no qual cada segmento nutria uma singular funcionalidade, plenamente definida pela ordem divina, a ser desempenhada visando a eficiente manutenção e a reprodução da harmonia e do bem estar do corpo do reino. Em nosso artigo, analisaremos, ainda que sucintamente, as principais abordagens efetuadas sobre o <em>caráter corporativo</em>, e, em seguida, analisaremos o impacto destes imaginários no seio do corpo político do reino de Castela-Leão precisamente durante o reinado de Alfonso X (1252-1284).</p> <p><strong>Palavras-Chave</strong>: Caráter Corporativo. Corpo Político. Alfonso X.</p> Rafael Costa Prata Copyright (c) 2020 Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-01-27 2021-01-27 14 27 243 259 Masculinidades Dissidentes no Medievo Ibérico: um estudo sobre a sodomia no discurso jurídico de Alfonso X (1252-1284) https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/14340 <p>Na Idade Média, vários são os corpos que não importam. Diversos são os sujeitos classificados como abjetos, a quem se nega até mesmo o direito de viver. Neste período, é totalmente proibido e punido todas as práticas sexuais consideradas ilícitas e pecaminosas. A sodomia, como um desvio de gênero e classificada como um pecado <em>“contra naturam”,</em> insere-se dentro deste quadro de gênero e sexualidades desviadas. Além de ser uma conduta condenada conforme a época, o conceito de sodomia adquiriu diversas definições em diferentes contextos históricos e culturais. Neste sentido, esta dissertação objetiva-se analisar os discursos jurídicos sobre a sodomia durante o reinado de Alfonso X (1252-1284), a partir da perspectiva de gênero e da análise do discurso.</p> Cassiano Celestino de Jesus Copyright (c) 2021 Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-01-27 2021-01-27 14 27 260 278 Uma introdução à história da historiografia brasileira https://seer.ufs.br/index.php/pontadelanca/article/view/15081 Itamar Freitas Copyright (c) 2020 Ponta de Lança: Revista Eletrônica de História, Memória & Cultura https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 2021-01-27 2021-01-27 14 27 279 284