A catábase clássica e o descensus ad inferos da alquimia renascentista: geografias e imaginação da imortalidade em comparação

João Paulo Dantas, Gabriele Cornelli

Resumo


O presente trabalho desenvolve as narrativas das catábases clássicas e a sua semelhança estrutural com as descidas ao inferno da alquimia, valendo-se do conceito de imortalidade da alma para a separação entre uma geografia da imortalidade, no caso do período clássico, de uma operação imaginativa que ocorre dentro da própria alma do alquimista, no caso das descidas herméticas do renascimento. Para tanto, desenvolver-se-á o papel da faculdade imaginativa na filosofia renascentista e o simbolismo por trás da “destruição” do corpo e do “renascimento” da alma em duas iluminuras do tratado alquímico Splendor Solis.


Texto completo:

PDF