TRADUÇÃO LÚCIO ANEU SÊNECA. CARTA A LUCÍLIO IX (SOBRE FILOSOFIA E AMIZADE)

Aldo Lopes Dinucci, Lúcio Aneu Sêneca

Resumo


(1) Desejas saber se Epicuro repreende com razão os que dizem o sábio bastar asi mesmo e, por causa disso, não ter necessidade de amigo. Isso é objetado por Epicuroa Stilbo1 e àqueles pelos quais o sumo bem é visto como espírito impassível2[impatiens]. (2) É necessário incidir em ambiguidade se quisermos exprimir apatheiapor uma única palavra e dizer “impassibilidade”. Poder-se-ia compreender o contráriodo que queremos significar. Nós3 queremos dizer, por apatheia, o que afaste todosentido de mal4. Mas compreende-se apatheia como o que não possa receber malnenhum. Veja então se é melhor dizer ou “espírito invulnerável” (3) ou “espírito postoalém de todo sofrimento”. Isto está entre nós e aqueles5: nosso sábio vence certamentetodas as vicissitudes, mas as sente; o sábio daqueles nem sequer as sente. Isto para nós epara eles está em comum: o sábio bastar a si mesmo [sapiens se ipso esse contentus].

Texto completo:

PDF ()