SOBRE HISTÓRIA E TEORIA DA FICÇÃO DISTÓPICA

  • Amanda Berchez

Resumo

Neste artigo, o leitor encontrará, in nuce, um trabalho de revisão, de caráter bibliográfico, de história e teoria da forma literária distópica, sendo ponderadas questões a ela inerentes, sem deixar de apurar as relações por ela mantidas com demais tradições e movimentos literários. Essa recuperação (sobretudo, no relativo ao prisma teórico) é feita mediante mobilização de certos operadores conceituais como especulação sobre o futuro, radicalização e prognóstico de tendências nocivas das sociedades contemporâneas. Até mesmo por isso, intentamos demonstrar como a ficção distópica maneja a crítica social, retomando o modo discursivo de determinados romances à luz de contextos diversos, bem como sua sugestão de caminhos alternativos em antecipação a possíveis catástrofes. Para tanto, realizamos um exercício de mapeamento e investigação da produção intelectual dos pensadores mais influentes e atuais do distopismo, a fim de – tendo em conta que não há uma única estratégia própria para a análise de distopias – levantar considerações teórico-metodológicas substanciais ao estudo dessa literatura, de modo a perceber quando e como se dá o estabelecimento de um imaginário distópico ora mais circunscrito, ora universal.
Palavras-chave: Distopia, utopia; ficção distópica, história literária, teoria da literatura.

Publicado
2022-01-27