ANTIARQUIVISMO

  • Eliana Correia Brandão Gonçalves

Resumo

A análise do antiarquivismo interroga o arquivo como prática, como voz, como território da memória e fragmentos das construções discursivas da alteridade, manipulada também pelos discursos de controle, de orientações e de posições. Nesse contexto, o arquivo pode servir como mascaramento ou alicerce do poder, com o fim de sustentar a soberania de determinados grupos e de segmentos sociais. Não interpretamos  antiarquivismo como uma corrente, mas como discurso, em suas variadas ideologias, por vezes negando as representações e os gestos de liberdade de expressão e de criatividade dos sujeitos. Por outro lado, a oposição presente nos discursos do antiarquivismo nem sempre significa negação da importância das prá- ticas e das ações de arquivamento, mas, por vezes, do poder de arconte, nas relações em que se instituem os discursos dos “guardiões do controle”, que impedem ações interventivas marcadas pela mediação e voltadas para as interações não “sobre o”, mas “com o” sujeito e as comunidades.