POLÍTICAS PÚBLICAS E SUSTENTABILIDADE: UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE OS PRESSUPOSTOS QUE GUIAM NOSSO DESENVOLVIMENTO

  • Leonardo Henrique Cardoso de Andrade UNESP

Resumo

O presente artigo trata-se de um debate, através de uma avaliação qualitativa dos pressupostos teóricos presentes na formulação das Políticas Públicas brasileiras, voltadas para a promoção do Desenvolvimento Sustentável, à luz da Teoria dos Sistemas Sociais. Para realiza-lo, foram pesquisadas as premissas e pressupostos teóricos que baseiam as ações governamentais, assim como demais instituições sociais responsáveis por promover o desenvolvimento. As premissas e pressupostos foram analisados à luz da teoria sistêmica, onde buscamos organizar um esquema de análise sistêmica sob duas óticas: a) Dimensões do Desenvolvimento e, b) Instituições Sociais, facilitando o entendimento das forças presentes no sistema social. Buscou- se fazer uma comparação histórica das políticas de desenvolvimento brasileira comparativamente com os pressupostos da Sustentabilidade à luz da Teoria Sistêmica. De onde pudemos constatar um viés preferencialmente econômico guiando as instituições sociais, o que de certa maneira, tem colocado, estas mesmas instituições no caminho contrário ao da sustentabilidade.

Biografia do Autor

Leonardo Henrique Cardoso de Andrade, UNESP

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Faculdade de Ciência Humanas e Sociais - UNESP de Franca/SP. Bolsista CAPES - Coord enação de Aperfeiçoamento Pessoal de Nível Superior - Demanda Social (05/2018-Atual), protocolo n. 1791588. Mestre em Desenvolvimento Regional pelo Centro Universitário Municipal de Franca - Uni-FACEF

Referências

BERTALANFFY, L. V.. Teoria geral dos sistemas. Tradução de Francisco M. Guimarães. 2. ed. Petrópolis: Vozes; Brasília: INL, 1975.

BRESSER-PEREIRA, L. C.. O conceito histórico de desenvolvimento economico. São Paulo: EESP/FGV, TD 157, 2006.

Capra, F.. O ponto de mutação. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Cultrix., 2006a.

Capra, F.. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. Tradução de Newton Roberval Eichemberg. São Paulo: Cultrix, 2006b.

CHAGAS, P. B.; CARVALHO, C. A.; MARQUESAN, F. F. S.. Desenvolvimento e Dependência no Brasil nas contradições do Programa de Aceleração do Crescimento. O&S, v. 22, n. 73, p. 269-289. abr./jun. Salvador, 2015

FARIZA, I.. 1% da população mundial concentra metade de toda a riqueza do planeta. Madrid: El pais, 17/10/2015. Disponível em: http:brasil.elpais.com/brasil/2015/10/13/ economia/1444760736_267255.html Acesso em: 04/08/2016.

FROUFE, C.. Endividamento das famílias é o maior em 10 anos, diz Banco Central. São Paulo: Estadão, 15/06/2015. Disponível em: http://economia.estadao.com.br/noticias/ geral,endividamento-das-familias-brasileiras-e- o-maior-em-10-anos--diz-bc,1706608 Acesso em: 16/09/2016.

FURTADO, C.. Teoria e política do desenvolvimento econômico. São Paulo: Editora Nacional, 1967.

_____________ O mito do desenvolvimento econômico. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

GATES, D.. Modificações do clima a serviço da humanidade. Promeça ou Perigo? In: H. W. HELFRICH (coord.). A crise ambiental: a luta do homem para viver consigo mesmo. Tradução de Cláudio Gilberto Froelich e Fernando de Castro Ferro. São Paulo: Melhoramentos, Ed. da Universidade de São Paulo, 1974.

GONÇALVES, R.. Desenvolvimento às avessas: verdade, má fé e ilusão no atual modelo brasileiro de desenvolvimento. Rio de Janeiro: LTC, 2013.

JANNUZZI, P. de M.. Avaliação de Programas Sociais no Brasil: Repensando práticas e metodologias das pesquisas avaliativas. IPEA – Planejametno e Políticas Públicas, n. 36, jan/jul. Brasilia, 2011.

KUZNETS, S.. O crescimento econômico do pós- guerra. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1966. (Perspectivas do Nosso Tempo)

MARINI, M. J., & da SILVA, C. L..

Desenvolvimento regional e arranjos produtivos locais: uma abordagem sob a ótica interdisciplinar. Revista Brasileira de Gestão do Desenvolvimento Regional. v.8, n. 2, mai-ago. Taubaté, 2012.

MARTINE, G. (org.).. População, meio ambiente e desenvolvimento: verdades e contradições. 2. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1966.

MARTINS, S. R. O.. Desenvolvimento Local: questões conceituais e metodológicas. INTERAÇÕES – Revista Internacional de Desenvolvimento Local. v. 3, n. 5, p. 51-59, set. Campo Grande, 2002.

MEYER-STAMER, J.. Porque o Desenvolvimento Econômico Local é tão dificil, e o que podemos fazer para toná-lo mais eficaz? São Paulo: Análises e Propostas: Fundação Friedrich Ebert Stiftung, 2004.

PIKETTY, T.. O capital no século XXI. Tradução de Monica Baungarten de Bolle. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2014.

PIRES, E. L. S.. As lógicas territoriais do desenvolvimento: diversidades e regulação. INTERAÇÕES – Revista Internacional de Desenvolvimento Local. v. 8, n. 2, p. 155-163, set. Campo Grande, 2007.

PUTNAM, R. D.. Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna. Com Robert Leonard e Raffaela Y. Nanetti. Tradução de Luiz Alberto Monjardim. 3 ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002.

ROVER, O. J., & HENRIQUES, M. A.. A gestão democrática em debate: O programa LEADER e a sua relação com a sociedade civil local. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 75, p. 117-137, Outubro, 2006.

SEN, A.. Desenvolvimento como liberdade. Tradução de Laura Teixeira Motta; revisão técnica Ricardo Doninelli Mendes. São Paulo: Companhia da Letras, 2010.

SCHULTZ, T. W.. O valor econômico da educação. Rio de Janeiro: Zahar, 1967.

SMITH, R.. Capitalismo verde, deus fracassado. Tradução de Inês Castilho e Antonio Martins. Brasil: Jornal Outras Palavras, 28/07/2016. Disponível em: http://www.adital.com.br/site/ noticia_imp.asp?lang=PT&img=N&cod=89373 acesso em 02/08/16.

TAVARES, H. M.. Estrategias de desenvolvimento regional: Da grande indústria ao Arranjo Produtivo Local? Revista Brasileira de Gestão do Desenvolvimento Regional. v. 7, n. 1, p. 50-68, jan-abr. Taubaté, 2011.

UNSTATS – United Nation Statistics Division – National Accounts.

Publicado
2019-07-18
Como Citar
de Andrade, L. H. C. (2019). POLÍTICAS PÚBLICAS E SUSTENTABILIDADE: UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE OS PRESSUPOSTOS QUE GUIAM NOSSO DESENVOLVIMENTO. Revista Sergipana De Educação Ambiental, 6(1), 21 a 36. https://doi.org/10.47401/revisea.v7i1.11673