TRAJETÓRIA E MOVIMENTO DA QUESTÃO SOCIOAMBIENTAL

  • Antonio Inácio da Silva UNESP
  • Maria José de Oliveira Lima UNESP

Resumo

O presente artigo busca destacar a importância da discussão sobre a problemática ambiental que assola a nação brasileira. Esse fato não é problema unicamente brasileiro e sim mundial, assim, diante dessa questão presente e persistente no contexto da sociedade vigente o trabalho destaca elementos que possibilitam compreender o surgimento dessa problemática, as legislações que surgiram para seu enfrentamento e a importância de torná- las efetivas para que o consumo destrutivo do século XXI não torne real a já anunciada extinção de várias espécies animais e vegetais e a redução preocupante de água potável. Afinal, todos esses fatores associados são extremamente danosos não somente à fauna,à flora e aos minerais presentes no solo, mas também a quem tem mais dilapidado o planeta, a espécie humana.

Biografia do Autor

Antonio Inácio da Silva, UNESP

Assistente Social, Graduado em Serviço Social pelo Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos – UNIFEB (2012), Pós-Graduado em Gestão de Saúde Pública pelo Instituto Educacional ALFA. Mestre em Serviço Social pela UNESP/ Franca e membro do Grupo de Pesquisa GESTA.

Maria José de Oliveira Lima, UNESP

Docente orientadora - Assistente Social, Mestre e Doutora em Serviço Social pela UNESP/ Franca e Professora Titular do Departamento de Serviço Social da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da UNESP̸ Franca, nos programas de Graduação e Mestrado em Serviço Social. Endereço Profissional: Avenida Eufrásia Monteiro Petráglia, 900 – Bairro: Jd. Dr. Antonio Petrália - Franca/SP. 

Referências

BARBIERI, José Carlos. Desenvolvimento e meio ambiente: as estratégias de mudanças da agenda 21. 14. ed. Petrópolis-RJ: Vozes, 2013. (Coleção educação ambiental; v. 1).

BARROCO, Maria Lucia Silva. Ética e Serviço Social: fundamentos ontológicos. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 17 jan. 2018.

______. Decreto n. 3.179, de 21 de setembro de 1999. Dispõe sobre a especificação das sanções aplicáveis às condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 22 set. 1999. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2018.

______. Decreto n. 6.514, de 22 de julho de 2008. Dispõe sobre as infrações e sanções administrativas ao meio ambiente, estabelece o processo administrativo federal para apuração destas infrações, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 jul. 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2018.

______. Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 2 set. 1981. Disponível em:

planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6938.htm>. Acesso em: 18 jan. 2018.

______. Lei n. 7.347, de 24 de julho de 1985. Disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico, estético, histórico, turístico e paisagístico, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 25 jul. 1985. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/Leis/L7347compilada.htm>. Acesso em: 13 jan. 2018.

______. Lei n. 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental, dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília, DF, 28 abr. 1999. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/leis/l9795.htm>. Acesso em: 18 jan. 2018.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Qual educação ambiental queremos? In: Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável. Porto Alegre – RS, V. 2, N. 2 abril./junho. 2004.

CMMAD, Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nosso Futuro Comum. 2. ed. Rio de Janeiro: Ed. Getulio Vargas, 1991.

CNUMAD. Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e responsabilidade global. Rio de Janeiro, 1992. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/ educacaoambiental/tratado.pdf>. Acesso em: 15 fev. 2018.

CONAMA, Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução n. 306, de 5 de julho de 2002. Disponível em: <http://www.mma.gov. br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=306>. Acesso em: 10 mar. 2018.

CZAPSKI, Silvia. Os diferentes matizes da educação ambiental no Brasil: 1997 – 2007. BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental. Departamento de Educação Ambiental; Brasília, DF: MMA, 2008. (Série desafios da educação ambiental).

DALLARI, Pedro. Desenvolvimento sustentável em favor da justiça social no Brasil. In: PÁDUA, José Augusto (Org.). Desenvolvimento, justiça e meio ambiente. Belo Horizonte: UFMG; São Paulo: Peirópolis, 2009.

DIAS, Reinaldo. Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

FOSTER, John Bellamy. A ecologia de Marx: materialismoenatureza.4.ed.RiodeJaneiro: Civilização Brasileira, 2014.

FREITAS, Rosana de Carvalho Martinelli; NÉLSIS, Camila Magalhães; NUNES, Letícia Soares. A crítica marxista ao desenvolvimento (in)sustentável. In: Katálysis. Florianópolis, v. 15, n. 1, jan./jun. 2012, p. 41-51.

GOHN, Maria da Glória. Movimentos sociais na atualidade: manifestações e categorias analíticas. In: ______(Org.). Movimentos sociais no início do século XXI: antigos e novos atores sociais. Petrópolis,RJ: Vozes, 2015.

GOMEZ, André Villar. A dialética da natureza de Marx: os antagonismos entre capital e natureza. 2004. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Departamento de Filosofia do Centro de Teologia e Ciências Humanas da PUC-Rio, Rio de Janeiro, 2004.

GUIMARÃES, Mauro. Educação ambiental crítica. In: LAYRARGUES, Philippe Pomier (coord.). Identidades da educação ambiental brasileira. BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental. Brasília: MMA, 2004.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Barretos, população estimada. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/ brasil/sp/barretos/panorama>. Acesso em: 18 mai. 2018.

______. Projeção da população do Brasil e das unidades da federação. População do Brasil. 2018. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/ apps/populacao/projecao/box_popclock.php>. Acesso em: 24 abr. 2018.

INSTITUTO GEOGRÁFICO E CARTOGRÁFICO. Mapas individuais das regiões administrativas e metropolitanas.

Disponível em: <http://www.igc.sp.gov.br/ produtos/mapas_ra.aspx?>. Acesso em: 15 jun. 2018.

LIMA, Gustavo Ferreira da Costa. Educação ambiental crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis. In: Educação e Pesquisa. São Paulo. V. 35, n. 1, p. 145 – 163. jan./abr., 2009.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Educação ambiental transformadora. In: LAYRARGUES, Philippe Pomier (coord.). Identidades da educação ambiental brasileira. BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental. Brasília: MMA, 2004.

LOUREIRO, Frederico. Karl Marx: história, crítica e transformação social na dialética da natureza. In: BRASIL. CARVALHO, Isabel Cristina de Moura; GRUN, Mauro. TRAJBER, Rachel. Pensar o ambiente: bases filosóficas para a educação ambiental. Brasília: MEC/UNESCO, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, UNESCO. 2006. (Coleção educação para todos; v. 26).

______. Sustentabilidade e educação: um olhar da ecologia política. São Paulo: Cortez, 2012. (Coleção questões da nossa época; v. 39).

MARX, Karl. Manuscritos econômico- filosóficos. Boitempo, são Paulo 2004 tradução Jesus Ranieri.

______. O Capital. Coleção Os Economistas. Livro Primeiro / Volume I. Tomo 1. Tradução de Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. São Paulo: Ed. Nova Cultural, 1996.

______. O Capital: crítica da economia política. Livro I/ Karl Marx; tradução de Reginaldo Sant’ Ana. 33. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

______. O Capital. Edição condensada do livro 1. Tradução e condensação de Gabriel Deville. 3. ed. 3. reimp. Bauru: Edipro, 2016.

MOURA, Mauro Castelo Branco de. Os Mercadores, o templo e a filosofia: Marx e a religiosidade. Porto Alegre, Empíricus: 2004. (Coleção Filosofia, v. 181).

NALINE, Jose Renato. Ética ambiental. 3. Ed. Campinas: Millennium, 2010.

NOVICK, Victor. Práxis: problematizando consciência e participação na educação ambiental brasileira. In: LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo (Org.). et. al. A questão ambiental no pensamento crítico: natureza, trabalho e educação. Rio de Janeiro: Quartet, 2007.

NUNES, Letícia Soares; SILVA, Amanda Gomes de Medeiros. O debate em torno da questão socioambiental na formação profissional do assistente social. In: Congresso catarinense de assistentes sociais, 2013. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2017.

OLIVEIRA, Flávia de Paiva M.; GUIMARÃES, Flávio Romero. Direito, meio ambiente e cidadania. São Paulo; Madras, 2004.

ONU – ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Rio de Janeiro,1992. Disponível em: <http://www.onu. org.br/rio20/img/2012/01/rio92.pdf>. Acesso em: 10 out. 2017

ONUBR, Nações Unidas no Brasil. Conferência das nações unidas sobre mudança climática. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/ cop21/>. Acesso em: 18 out. 2017.

PENSAMENTO VERDE. Saiba como funciona uma cooperativa de reciclagem. 2014. Disponível em: <http://www.pensamentoverde. com.br/reciclagem/saiba-funciona-cooperativa- reciclagem/>. Acesso em 10 mai. 2018.

PÉREZ, Alejandro Gaona. Necessidades de formação do assistente social no campo ambiental. In: GOMES, José Andrés Dominguez; AGUARDO, Octavio Vásquez; PÉREZ, Alejandro Gaona. Serviço Social e meio ambiente. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

PINOTTI, Rafael. Educação Ambiental para o século XXI: no Brasil e no mundo. São Paulo: Blucher, 2010.

PNUD, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Relatório de Desenvolvimento

Humano 2010. A verdadeira riqueza das nações: vias para o desenvolvimento humano. 2010. Disponível em: <http://www.br.undp.org/content/ dam/brazil/docs/RelatoriosDesenvolvimento/ undp-br-PNUD_HDR_2010.pdf>. Acesso em: 7 mai. 2018.

REI, Fernando Cardoso Fernandes; GONÇALVES, Alcino Fernandes; SOUZA, Luciano Pereira. Acordo de Paris: reflexões de desafios para o regime internacional de mudanças climáticas. In: Veredas do Direito, Belo Horizonte- v. 14. N.29, p 81-99. Maio/ Agosto de 2017. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2018.

RIBEIRO, Maurício Andrés.Origens minerais do desenvolvimento sustentável no Brasil: ideias e práticas. In: PÁDUA, José Augusto (Org.). Desenvolvimento, justiça e meio ambiente. Belo Horizonte: UFMG; São Paulo: Peirópolis, 2009.

RIO+20. Conferência das nações unidas sobre o desenvolvimento sustentável. Sobre a Rio+20. Disponível em: <http://www.rio20.gov.br/ sobre_a_rio_mais_20.html>. Acesso em: 17 out. 2017.

RIVELLI, Elvino Antonio Lopes. Evolução da legislação ambiental no Brasil: políticas de meio ambiente, educação ambiental e desenvolvimento urbano. In: PHILIPPI JR, Arlindo; PELICIONI, Maria Cecília Focesi (Orgs.). Educação ambiental e sustentabilidade. Barueri: Manole, 2005.

SANTOS, Josiane Soares. “Questão Social”: particularidades no Brasil. São Paulo: Cortez, 2012. (Coleção biblioteca básica de serviço social; v. 6).

SAUER, Mariane; RIBEIRO, Edaléia Maria. Meio ambiente e Serviço Social: desafios ao exercício profissional. In: Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 11, n. 2, ago./dez. 2012, p. 390- 398.

SAUVÉ, Lucie. Educação ambiental: possibilidades e limitação. In: Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 31, n. 2, p. 317 – 322, maio/ago. 2005.

SEIFFERT, Mari Elizabete Bernardini. Gestão ambiental: instrumentos, esferas de ação e educação ambiental. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2014.

SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do trabalho cientifico. 24 ed. rev. São Paulo: Cortez, 2016.

SILVA, Kalina Vanderlei; SILVA, Maciel Henrique. Dicionário de conceitos históricos. 2. ed. 2. reimpressão. São Paulo: Contexto, 2009.

SILVA, Maria das Graças. Questão ambiental e desenvolvimento sustentável: um desafio ético- político ao Serviço Social. São Paulo: Cortez, 2010.

SILVA, Tatiane Pereira. Questão socioambiental e suas inter-relações com o Serviço Social. 2016. Dissertação (Mestrado em Serviço Social) – Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Estadual Paulista “Julio de Mesquita Filho”, Franca, 2016.

TREIN, Eunice. A contribuição do pensamento marxista à educação ambiental. In: LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo (Org.). et. al. A questão ambiental no pensamento crítico: natureza, trabalho e educação. Rio de Janeiro: Quartet, 2007.

Publicado
2019-07-18
Como Citar
da Silva, A. I., & Lima, M. J. de O. (2019). TRAJETÓRIA E MOVIMENTO DA QUESTÃO SOCIOAMBIENTAL. Revista Sergipana De Educação Ambiental, 6(1), 37 a 53. https://doi.org/10.47401/revisea.v7i1.11674