Educação ambiental escolar para o semiárido paraibano

percepções ambientais dos educandos de uma escola pública na Caatinga

  • CORREIA, J. A. Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, PB. Brasil
  • ABÍLIO, F. J. P. Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, PB, Brasil.
Palavras-chave: Educação Ambiental. Percepção ambiental. Semiárido. Bioma Caatinga.

Resumo

A Caatinga encontra-se entre os biomas que mais sofrem mudanças devido à intervenção humana. Nesse sentido, a educação ambiental, pode contribuir de significativamente para a formação de sujeitos críticos e atuantes. Todavia, é necessário conhecer as percepções ambientais para a potencial otimização do processo educativo. Diane disso, a partir de uma abordagem qualitativa com elementos quantitativos, a presente pesquisa objetivou diagnosticar percepções ambientais prévias de 30 discentes da 1ª e 2ª série do ensino médio em uma escola pública situanda Caatinga paraibana. Os dados foram coletados  por meio de um questionário, categorizados de acordo com a análise de conteúdo. A maioria dos alunos apresenta: uma perespecgtiva onde o homem e natureza estão dissociados, dificuldade em formular os conceitos de preservação, conservação ambiental e ecologia todavia, demonstram conhecer representantes da fauna e flora. A partir do reconhecimento das demandas dos educandos pode-se contextualizar os processos educativos para a região.

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.
BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1º, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da União, 2000.
CALDEIRON, S.S. Recursos Naturais e Meio Ambiente: uma visão do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1992.
CANDIANI, G. et al. Reserva Natural Serra das Almas: Construindo um modelo para a conservação da Caatinga. In: BENSUSAN, N. et al. (org). Biodiversidade: para comer, vestir ou passar no cabelo?. São Paulo: Peirópolis, 2006.
CARVALHO, I. C. M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. Cortez Editora, 2017.
CASTRO, R. et al. Reserva Natural Serra das Almas: construindo um modelo para a conservação da Caatinga. In: BENSUSAN, N. et al. Biodiversidade: para comer, vestir ou passar no cabelo ?. São Paulo: Peirópolis, 2006.
DECLARAÇÃO DA CAATINGA. I Conferência Regional de Desenvolvimento Sustentável do Bioma Caatinga – A Caatinga na Rio+20 – elaborada em 17 e 18 de maio de 2012. Disponível em: http://www.meioambiente.mg.gov.br/images/stories/newsletter/cartadacaatingario20.pdf. Acesso em 17 abr. 2020.
DIEGUES, A. C. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Hucitec. 2008.
DOREN, D. E. As Caatingas da américa do sul. In: LEAL, I.R., TABARELLI, M.; SILVA, J.M.C. Ecologia e Conservação da Caatinga. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2005.
FERRARA, L. D' A. Olhar periférico: informação, linguagem, percepção ambiental. São Paulo: Edusp, 1993.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
GIULIETTI, A.M., et al. Diagnóstico da vegetação nativa do bioma Caatinga. In: SILVA, J. M. C. et al. Biodiversidade da Caatinga: áreas e ações prioritárias para a conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente e Universidade Federal de Pernambuco, 2004.
GONÇALVES, C. W. P. Os descaminhos do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 2002.
GUIMARÃES, M. A dimensão ambiental na educação. Campinas, SP: Papirus, 1995.
GUIMARÃES, M. educação ambiental crítica. In: LYRARGUES, P. (Coord.). Identidade da educação ambiental brasileira. Brasília: MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, 2004. p.25-34.
HUDSON, N.; FRANKLIN, C. Effect of aestivation on muscle characteristics and locomotor performance in the green-striped burrowing frog, Cyclorana alboguttata. Journal of Comparative Physiology B, v. 172, n. 2, p. 177-182, 2002. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs00360-001-0242-z. Acesso em 15 de abr 2020.
HUETING, R., REIJNDERS, L. Sustainability is an objective concept. Ecological Economics, v. 27, n.2, p. 139-147, ago. 1998.
HUGHES. J. D. An environmental history of the world : humankind’s changing role in the community of life. Abingdon: Routledge. 2009
JACOBI, P. Educação e meio ambiente–transformando as práticas. Revista Brasileira de Educação Ambiental, Brasília, n. 0, v. 1. p. 28-35, nov. 2004.
JARED, C. et al. Life history of frogs of the Brazilian semi‐arid (Caatinga), with emphasis in aestivation. Acta Zoologica, n 1, v.9, p. 1-9, mar. 2019. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/azo.12295. Acesso em 15 de abr 2020.
LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. C. As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. Ambiente & sociedade, v.17, n.1, p.23-40. Jan./mar. 2014. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/317/31730630003.pdf. Acesso em 20 de mar. 2020.
LEAL, I. R. et al. Mudando o curso da conservação da biodiversidade na Caatinga do Nordeste do Brasil. Megadiversidade, v. 1, n. 1, p. 139-146, jul. 2005. Disponível em: http://www.academia.edu/download/44028979/Mudando_o_curso_da_Conservao_da_biodiver20160323-27567-5tntvh.pdf. Acesso em 15 de abr. 2020.
LEAL, I.R., TABARELLI, M.; SILVA, J.M.C. Ecologia e Conservação da Caatinga. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2005.
LEFF, E. Discursos Sustentáveis. São Paulo: Cortez, 2010.
LOUREIRO, C. F. B. Educação Ambietal Transformadora. In: Layrargues, P. P. (Coord.) Identidades da Educação Ambiental Brasiliera. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004.
LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Complexidade e dialética: contribuições à práxis política e emancipatória em educação ambiental. Educ. Soc., Campinas , v. 26, n. 93, p. 1473-1494, dez. 2005 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302005000400020&lng=en&nrm=iso. Acesso em 29 mar. 2020
MACHADO, M. G. Educação ambiental contextualizada para a Educação de Jovens e Adultos (EJA) no bioma caatinga: análises, reflexões e vivências pedagógicas em uma escola pública do cariri paraibano. 188 f. Dissertação – Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Centro de Ciências Exatas e da Natureza, Universidade Federal da Paraíba, 2017.
MAIA, G.N. Caatinga: árvores e arbustos e suas utilidades. São Paulo: D&Z editora, 2004.
MARCATTO, C. Educação ambiental: conceitos e princípios. Belo Horizonte: FEAM, 2002.
MATOS, D. A. S.; JARDILINO, J. R. L. Os conceitos de concepção, percepção
representação e crença no campo educacional: similaridades, diferenças e implicações para
a pesquisa. Educação & Formação, v. 1, p. 20-31, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufop.br/handle/123456789/9513. Acesso em 20 de mar. 2020.
MINAYO, M.C.S. O desafio da Pesquisa Social. In: MINAYO, M.C.S. (org.) Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 28a ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.
NAVAS, C. A., ANTONIAZZI, M. M., JARED, C. A preliminary assessment of anuran physiological and morphological adaptation to the Caatinga, a Brazilian semi-arid environment. International Congress Series, 1275, 298–305, 2004. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0531513104014414. Acesso em 15 de abr 2020.
ODUM, E. P.; BARRET, G. W. Fundamentos de ecologia. São Paulo: Ed. Thomson, 2007.
PEGADO, C. M. A. et al. Efeitos da invasão biológica de algaroba - Prosopis juliflora (Sw.) DC. sobre a composição e a estrutura do estrato arbustivo-arbóreo da caatinga no Município de Monteiro, PB, Brasil. Acta botanica brasilica. v. 20, n. 4. p. 887-898, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-33062006000400013&script=sci_arttext. Disponível em: 10 de mar. 2020.
REIGOTA, M. Desafios à educação ambiental escolar. In: CASCINO, F; JACOBI, P. R.; OLIVEIRA, J. F. (Orgs.). Educação, meio ambiente e cidadania: reflexões e experiências. São Paulo: SMA, 1998. p.30-35.
RICHARDSON, R.J. Pesquisa Social: métodos e técnicas. São Paulo, SP: Atlas, 2017.
RICKLEFS, R; RELYEA, R.A Economia da Natureza. 7ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.
ROSSEAU, T. T. Emilio; ou, Da educação. 3. Ed. Rio de Janeiro: Bertand Brasil, 1995.
SATO, M. GOMES, G. SILVA, R (Org.). Escola, Comunidade e Educação Ambiental: Reinventando sonhos, construindo esperanças. Cuiabá: Gráfica print, 2013.
SAUVÉ, L. Uma cartografia das correntes em educação ambiental. In: SATO, Michele; CARVALHO, I. C. (Org.). Educação Ambiental: pesquisa e desafio. Porto Alegre: Artmed, 2005, p. 17-44.
SORRENTINO, M. et al. Educação ambiental como política pública. Educação e Pesquisa, v.31, n .2, p. 285-299, 2005.
SUAVÉ. L. Educação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: uma análise complexa. Revista de Edução Pública, v. 6, n. 10, p. 72-102, 1997.
TABARELLI, M. et al. Caatinga: legado, trajetória e desafios rumo à sustentabilidade. Cienc. Cult., São Paulo , v. 70, n. 4, p. 25-29, out. 2018 . Disponível em: http://cienciaecultura.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0009-67252018000400009&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 22 Fev. 2020. http://dx.doi.org/10.21800/2317-66602018000400009.
TAMAIO, I. O Professor na Construção do conceito de Natureza: uma experiência de educação ambiental. São Paulo: Annablumme/WWF, 2002.
TRAVASSOS, E.G. A prática da Educação Ambiental nas Escolas. Porto Alegre: Mediação, 2006.
TUAN, Yi-Fu. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Londrina: Eduel, 2012.
VASCO, A. P.; ZAKRZEVSKI, S. B. B. O estado da arte das pesquisas sobre percepção
ambiental no Brasil. Perspectiva (Erexim), v. 34, p. 17-28, 2010. Disponível em: http://www.uricer.edu.br/site/pdfs/perspectiva/125_71.pdf. Acesso em: 21 de abr. 2020.
VELLOSO, A.L.; SAMPAIO, E.V.S.B.; PAREYN, F.G.C (Ed.). Ecorregiões propostas para o Bioma Caatinga. Recife: APN / Instituto de Conservação Ambiental the conservancy do Brasil, 2002.
Publicado
2020-12-12
Como Citar
Aquino Correia, J., & José Pegado Abílio, F. (2020). Educação ambiental escolar para o semiárido paraibano: percepções ambientais dos educandos de uma escola pública na Caatinga. Revista Sergipana De Educação Ambiental, 7(2), 1-21. https://doi.org/10.47401/revisea.v7i2.13560