A importância das matas ciliares para a proteção das nascentes de água

uma proposta educacional para o terceiro ano do Ensino Fundamental

Palavras-chave: Vegetação ripária. Educação ambiental. Sequência didática. Ludicidade e sensibilização ambiental.

Resumo

Pensando na importância das nascentes de água, elaboramos e aplicamos uma sequência didática voltada para a Educação Básico-primária, que conseguisse abordar e discutir a importância das matas ciliares para a proteção das nascentes de água, mais precisamente naquelas existentes no município de Quarto Centenário, Paraná. O desígnio deste artigo é relatar, descritivamente, tal experiência de modo a apontar seus desafios e resultados mais proeminentes. Metodologicamente, aplicou-se a sequência com três momentos pedagógicos: (i) o diagnóstico da realidade observada; (ii) problematização das nascentes, pensando nos processos que causam sua degradação; (iii) o levantamento de mecanismos de superação da realidade, para forjar mudanças atitudinais aos educandos. Observamos que a sequência didática aplicada, mesmo inflexionada pela dinâmica escolar imposta pela pandemia dada pelo coronavírus, promoveu ludicidade, empregou uma linguagem adequada à faixa etária dos alunos/participantes e, de modo intrínseco à efetivação de uma Educação Ambiental, agenciou aspectos interdisciplinares.

Biografia do Autor

Cristhiane Michiko Passos Okawa, Universidade Estadual de Maringá

Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Estadual de Maringá (1992), Mestrado em Engenharia Hidráulica, área de concentração: Recursos Hídricos pela Universidade Federal do Paraná (1998), Doutorado em Ecologia de Ambientes Aquáticos Continentais, área de concentração: Ciências Ambientais pela Universidade Estadual de Maringá (2009) e Pós-doutorado em Recursos Hídricos pela UNICAMP (2019). É Professora da Universidade Estadual de Maringá desde 2004, sendo atualmente Professora Associada. Tem experiência na área Ambiental, atuando principalmente nos seguintes temas: Gestão Integrada de Águas Urbanas, Gestão Integrada de Recursos Hídricos, Análise Multicritério para resolução de conflitos em recursos hídricos, Hidrologia Urbana, Drenagem Urbana Sustentável, Cidades Inteligentes. Tem experiência na organização de cursos de extensão, palestras e Eventos Científicos. É membro do Comitê de Bacia Hidrográfica do Pirapó, Paranapanema 3 e Paranapanema 4 (CBH Piraponema) desde 2010; é coordenadora da CTPLAN - Câmara Técnica para Acompanhamento do Plano de Bacia do CBH desde 2012. Foi Coordenadora do curso de Especialização em Gerenciamento de Projetos por 4 turmas e do curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho, ambos promovidos pela Universidade Estadual de Maringá. Possui um livro da série Fundamentum e 4 capítulos de livro escritos na área de Recursos Hídricos. É Sub-Editora da Acta Scientiarum. Tecnhology (ISSN 1807-8664), é revisora de periódicos científicos nacionais (Revista Brasileira de Meteorologia, Revista Tecnológica, Revista da Uningá, Revista do CREA) e foi Editora convidada para Edições Especiais da Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental - REGET (2015 e 2019) e do Journal of Environmental Engineering da American Society of Civil Engineering-ASCE (2020). Líder do Grupo de Pesquisa cadastrado no CNPq: GESTÃO INTEGRADA DE ÁGUAS URBANAS (UEM). Participa de 3 outros Grupos de Pesquisa: Sistemas Sustentáveis Aplicados a Áreas Urbanas (UFRGS), Laboratório de Apoio multicritério à Decisão orientada à Sustentabilidade Empresarial e Ambiental (LADSEA-UNICAMP) e Hidráulica Ambiental (UFTM). É professora do Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Ambientais (mestrado em rede nacional, promovido pela Agência Nacional de Águas) PROFCIAMB e do Mestrado em Engenharia Urbana, ambos da Universidade Estadual de Maringá. Foi professora visitante do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Engenharia Ambiental da USP/São Carlos de 2017 a 2020. Foi Vencedora do Prêmio Educador Destaque 2017 promovido pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA-PR). É vice-diretora da Tropical Water Research Alliance (TWRA) seção Paraná, uma associação formada por pesquisadores e especialistas australianos e brasileiros com o intuito de fomentar o intercâmbio acadêmico e políticas públicas para o manejo dos recursos hídricos, além de proporcionar oportunidades na formação de uma nova geração de profissionais sob uma perspectiva globalizada. É Diretora de Eventos do Comitê Brasileiro de Cidades Inteligentes.

Felipe Fontana

Cientista Social, Bacharel (2010) e Licenciado (2017), formado pelo Departamento de Ciências Sociais da Universidade Estadual de Maringá (DCS-UEM), Mestre em Ciências Sociais (2013) pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais desta mesma instituição (PGC-UEM) e Doutor em Ciência Política (2017) pelo Programa de Pós-graduação em Ciência Política da Universidade Federal de São Carlos (PPG-POL/UFSCar). Historiador titulado pelo Departamento de História da Universidade Estadual de Maringá (DHI/UEM-2019) e Pedagogo formado pelo Curso de Pedagogia do Centro Universitário de Maringá (Pedagogia/UNICESUMAR-2020). Teve, durante a Iniciação Científica (PIBIC), experiência no campo da Sociologia, com ênfase em Teoria Sociológica e no Pensamento Durkheimiano. Contudo, suas principais pesquisas após a graduação se vinculam ao Pensamento Social e Político Brasileiro. No mestrado, se dedicou ao estudo dos vínculos existentes entre o pensamento de Oliveira Vianna e o de Émile Durkheim. Durante o doutorado, voltou sua atenção para o trabalho desenvolvido por Oliveira Vianna como consultor jurídico no Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio entre os anos de 1932 e 1940. Atualmente, integra: 1) como professor colaborador (2019), o Departamento de Ciências da Universidade Estadual de Maringá-Campus Regional de Goioerê (DCI/UEM-CRG) no qual ministra as disciplinas de Sociologia, Sociologia Industrial e do Mundo do Trabalho, CTS1 I, CTS 2, Políticas Públicas e Gestão Educacional, História e Filosofia da Ciência e Antropologia; 2) como professor visitante do Programa de Pós-Graduação em Rede Nacional para Ensino das Ciências Ambientais (PROFCIAMB, mestrado profissional) desenvolvendo coorientações, orientações e ministrando as disciplinas de: a) Ambiente, Sociedade e Educação; b) e Natureza, Cultura e Territorialidades. Ainda no campo profissional, resguarda experiência: 1) na organização, regulamentação e implementação de políticas públicas ligadas à urbanidade e questões sociais (OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, Núcleo Região Metropolitana de Maringá); 2) capacitação de conselheiros e gestores preocupados com a feitura de políticas públicas sociais e assistência social (MDS-CAPACITASUAS); 3) capacitação de conselheiros e gestores atrelados ao desenvolvimento e à implementação local de políticas públicas de promoção da igualdade racial (MDH, SEPPIR-SINAPIR, ONU-PNUD). Ainda vale destacar que Felipe Fontana é pós-doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência e a Matemática da Universidade Estadual de Maringá (PCM-UEM), desenvolvendo o projeto de pesquisa intitulado Representações Sociais acerca de ISTs Conferidas por Homossexuais Masculinos e HSHs em Aplicativos de Relacionamentos e Encontros Sexuais: Direcionamentos para uma Educação mais Eficiente em Saúde.

Referências

BOTELHO, R.G.M. (Orgs.). Erosão e Conservação dos Solos: Conceitos, Temas e Aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais – Ministério do Meio Ambiente. Brasília: MEC/SEF, 2008.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular – Ministério do Meio Ambiente. Brasília: MEC/SEF, 2018.

BRASIL. Lei nº 9.795 de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial, Brasília, 28 abr. 1999.

DOLZ, J; NOVERRAZ, M; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, B; DOLZ, J. Gêneros Orais e escritos na escola. Trad. e org. ROJO, R.; CORDEIRO, G. S. São Paulo: Mercado das Letras, 2004.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

IBGE. Quarto Centenário. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pr/quarto-centenario/panorama. Acesso em 15 de out. de 2019.

KAMIYAMA, A. Agricultura Sustentável. Secretaria do Meio Ambiente. Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos Naturais. São Paulo, 2011.

KRESS, Gunther; VAN LEEUWEN, Teo. Reading images: the grammar of visual design. London: Routledge. 1996.

LAYRARGUES, P. P. Muito além da natureza: Educação Ambiental e reprodução social. In: LOUREIRO, C.F.B.; LAYRARGUES, P.P; CASTRO, R.C. de (Orgs.). Pensamento complexo, dialética e Educação Ambiental. São Paulo: Cortez, 2006.

MARQUES, Newton Cesar; NOHAMA, Percy. Aprendizagem Híbrida: Opção para a formação profissional dos jovens agricultores. Artigo Científico. 2012.

PARANÁ. Diretrizes Curriculares Estaduais de Ciências. Curitiba: SEED, 2008.

QUINTANA, Ana Carolina.; HACON, Vanessa O desenvolvimento do capitalismo e a crise ambiental. O Social em Questão - Ano XIV - nº 25/26 – 2011.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia Histórico Crítica: primeiras aproximações. Campinas: Autores Associados, 10ºedição, 2008.

ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.
Publicado
2021-07-22
Como Citar
Rodrigues, M. L., Michiko Passos Okawa, C., & Fontana, F. (2021). A importância das matas ciliares para a proteção das nascentes de água: uma proposta educacional para o terceiro ano do Ensino Fundamental. Revista Sergipana De Educação Ambiental, 8(1), 1-21. https://doi.org/10.47401/revisea.v8i1.15624