Temas controversos e educação ambiental:

contribuições de um processo formativo

Palavras-chave: Argumentação. Controvérsia. Educação Ambiental Crítica. Formação de Professores.

Resumo

Este trabalho objetivou investigar as contribuições de um curso de formação continuada em Temas Controversos e Educação Ambiental (EA), ofertado aos docentes atuantes na rede estadual de ensino do Paraná. De caráter qualitativo, esta investigação assume a modalidade de pesquisa participante. O curso foi dividido em quatro etapas e, ao final do processo formativo, os educadores elaboraram e aplicaram cinco Sequências Didáticas (SDs) que contemplaram controvérsias socioambientais. As análises evidenciaram que os docentes, ao desenvolverem as atividades, adotaram estratégias de ensino diversificadas, promoveram momentos de discussão e oportunizaram, aos estudantes, a prática da argumentação como subsídio à tomada de posição fundamentada. Os resultados provenientes desta pesquisa abrem caminho para a realização de novas intervenções que focalizem professores e estudantes no intuito de fortalecer a temática controversa no contexto escolar, visando a formação de cidadãos capazes de se posicionar diante de questões científicas, sociais, tecnológicas e ambientais que influenciam a sociedade.

Biografia do Autor

Aline de Gregorio, Universidade Estadual de Londrina - Londrina, PR, Brasil.

Doutoranda em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual de Londrina, Mestra em Educação Para a Ciência e o Ensino de Matemática pela Universidade Estadual de Maringá, Especialista em Metodologia do Ensino de Ciências Biológicas pelo Centro Universitário Leonardo Da Vinci, Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. Membro do GETEPEC - Grupo de Estudos e Pesquisa: Tendências e Perspectivas do Ensino das Ciências. Atua na área do Ensino de Ciências, Formação de Professores, Temas Controversos, Argumentação e Educação Ambiental.

Ana Lúcia Olivo Rosas Moreira, Universidade Estadual de Maringá - Maringá, PR, Brasil.

Possui graduação em Licenciatura Plena Em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Maringá (1979), mestrado em Botânica pela Universidade Federal do Paraná (1990) e doutorado em Ciências pela Universidade Federal de São Carlos (2004). Professora não- titular da Universidade Estadual de Maringá atua na graduação na área de Ensino de Ciências e Biologia e no Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência e a Matemática. Atua principalmente nos seguintes temas: educação ambiental,formação de professores, processo de ensino-aprendizagem de ciências e biologia, avaliação escolar e área de preservação permanente. 

Referências

ALARCÃO, Isabel. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

ALEIXANDRE, María Pillar Jiménez; BUSTAMANTE, Joaquín Díaz de. Discurso de aula y argumentación em la clase de ciências: cuestiones teóricas y metodológicas. Enseñanza de las Ciencias, v. 21, n. 3, p. 359-370, 2003. Disponível em: https://www.raco.cat/index.php/Ensenanza/article/view/21944/21778: Acesso em: 30 jan. 2021.

AULER, Décio. Novos caminhos para a educação CTS: ampliando a participação. In: SANTOS, Wildson Luiz Pereira dos; AULER, Décio. (orgs.). CTS e educação científica: desafios, tendências e resultados de pesquisas. Brasília: Universidade de Brasília, 2011, p. 73-97.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da União. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em: 30 jan. 2021.

BRASIL. Resolução nº 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=10988-rcp002-12-pdf&category_slug=maio-2012-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 29 jan. 2021.
CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

NICOLAI-HERNÁNDEZ, Vagner Aparecido de; CARVALHO, Luiz Marcelo de. Controvérsias e conflitos socioambientais: possibilidades e limites para o trabalho docente. Interacções, v. 2, n. 4, 2006. Disponível em: https://revistas.rcaap.pt/interaccoes/article/view/323. Acesso em: 4 fev. 2021.

REIS, Pedro Rocha. Os temas controversos na educação ambiental. Pesquisa em Educação Ambiental, v. 2, n. 1, p. 125-140, 2007. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/pea/article/view/30021. Acesso em: 5 fev. 2021.

SANTOS, Wildson Luiz Pereira dos; MORTIMER, Eduardo Fleury; SCOTT, Philip. A argumentação em discussões sócio-científicas: reflexões a partir de um estudo de caso. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 1, n. 1, 2001. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4191/2756. Acesso em: 5 fev. 2021.

DUSO, Leandro. A discussão de controvérsias sociocientíficas: uma perspectiva integradora no ensino de ciências. 2015, 245f. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica) – Centro de Ciências Físicas e Matemáticas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/160651/337779.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 8 fev. 2021.

FORGIARINI, Marcia Soares; AULER, Décio. A abordagem de temas polêmicos na educação de jovens e adultos: o caso do" florestamento" no Rio Grande do Sul. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 8, n. 2, p. 399-421, 2009. Disponível em: http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen8/ART2_Vol8_N2.pdf. Acesso em: 9 fev. 2021.

GUIMARÃES, Mauro. A formação de educadores ambientais. Campinas: Papirus, 2004.

LABURÚ, Carlos Eduardo; ARRUDA, Sergio de Mello; NARDI, Roberto. Pluralismo metodológico no ensino de ciências. Ciência & Educação, Bauru, v. 9, n. 2, p. 247-260, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ciedu/v9n2/07.pdf. Acesso em: 10 fev. 2021.

LIMA, Gleici Prado. Educação ambiental crítica: da concepção à prática. Revista Sergipana de Educação Ambiental, v. 2, n. 1, p. 33-54, 2015. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revisea/article/view/4443/3669>. Acesso em: 10 fev. 2021.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Trajetória e fundamentos da educação ambiental. São Paulo: Gaia, 2012.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa social. Teoria, método e criatividade. 21. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

PIMENTA, Selma Garrido. Formação de professores: identidade e saberes da docência. Nuances: Estudos sobre Educação, v. 3, n. 3, p. 5-14, 1997. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/index.php/Nuances/article/view/50/46. Acesso em: 12 fev. 2021.
REIS, Pedro Rocha. A discussão de assuntos controversos no ensino das ciências. Inovação, v.12, s/n, p. 107-112, 1999.Disponível em: https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/4721/1/A-discussao-de-assuntos-controversos-no-ensino-das-ciencias.pdf. Acesso em: 12 fev. 2021.

REIS, Pedro Rocha; GALVÃO, Cecília. Os professores de Ciências Naturais e a discussão de controvérsias sociocientíficas: dois casos distintos. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 7, n. 3, p. 746-772, 2008. Disponível em: http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen7/ART13_Vol7_N3.pdf. Acesso em: 11 fev. 2021.

REIS, Pedro Rocha; GALVÃO, Cecília. Controvérsias sócio-científicas e prática pedagógica de jovens professores. Investigações em ensino de ciências, v. 10, n. 2, p. 131-160, 2005. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/514/311. Acesso em: 11 fev. 2021.

RUPPENTHAL, Raquel. A habilidade argumentativa e a capacidade de resolver problemas nos anos finais do ensino fundamental. 2017, 160f. Tese (Doutorado em Educação em Ciências: Química da vida e saúde) – Centro de Ciências Naturais e Exatas, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2017. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/12433/TES_PPGEC_2017_RUPPENTHAL_RAQUEL.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 12 fev. 2021.

SASSERON, Lúcia Helena. Alfabetização Científica, Ensino por Investigação e Argumentação: relações entre ciências da natureza e escola. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, 17 (n. esp.), 49–67, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/epec/v17nspe/1983-2117-epec-17-0s-00049.pdf. Acesso em: 13 fev. 2021.

TOZONI-REIS, Marília Freitas de Campos. Pesquisa-ação. In: FERRARO-JUNIOR, Luiz Antônio. Encontros e caminhos: formação de educadoras(es) ambientais e coletivos educadores. Brasília: MMA, 2005, p. 267-276.

ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.
Publicado
2022-06-27
Como Citar
de Gregorio, A., & Olivo Rosas Moreira, A. L. (2022). Temas controversos e educação ambiental:: contribuições de um processo formativo. Revista Sergipana De Educação Ambiental, 8(2), 1-17. https://doi.org/10.47401/revisea.v8i2.15709