Percepção da Educação Ambiental em currículos de licenciatura: implicações para a formação docente na Universidade Federal de Sergipe

Palavras-chave: Currículo. Educação Ambiental. Formação Docente., Curriculum. Environmental Education. Teacher Training., Currículo. Educación Ambiental. Formación Docente.

Resumo

O presente estudo buscou compreender como a Educação Ambiental é abordada nos cursos de licenciatura da Universidade Federal de Sergipe. Para tanto, o estudo qualitativo ancorou-se na Análise de Conteúdo proposta por Bardin (1977) para a análise dos currículos de licenciaturas ofertadas no Campus Prof. Alberto Carvalho. Dessa forma, foram estabelecidas categorias a priori e a posteriori que foram analisadas e interpretadas à luz da literatura específica referente a Currículo, Educação Ambiental e Formação Docente sob a égide da Teoria Crítica. Os resultados desvelaram que a Educação Ambiental é abordada, majoritariamente, de maneira implícita nos componentes curriculares, bem como há a predominância da tendência conservacionista. Além disso, percebeu-se que a dimensão ambiental é ausente em alguns cursos como Letras-Português e Matemática. A investigação revelou ainda que é necessária uma reformulação visando a inserção da transversalidade e da dimensão ambiental nas diversas áreas da formação docente.

Biografia do Autor

Marynara Costa Santos Marynara, Universidade Federal de Sergipe

Graduanda em Ciências Biológicas Licenciatura, Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Referências

ARROYO, M. G. Currículo: território em disputa. Petrópolis: Vozes, 2013.

BARDIN. L. Análise de conteúdo. Lisboa: Editora Edições 70, 1977.

BRANDÃO, C. R. Aqui é onde eu moro, aqui nós vivemos: escritos para conhecer, pensar e praticar o município educador sustentável. 2. ed. Brasília: MMA, Programa Nacional de Educação Ambiental, 2005.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 21 fev. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 23 fev. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.795. Política Nacional de Educação Ambiental. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 27 abr. 1999. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9795.htm. Acesso em: 15 fev. 2020.

BRASIL. Resolução nº 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Diário Oficial da União. Brasília: 2012. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br/educacaoambiental/destaques/34-diretrizes-curriculares-nacionais-para-a-educacao-ambiental.html. Acesso em: 20 fev. 2020.

CARVALHO, I. C. M. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2018. Disponível em: http://www.ia.ufrrj.br/ppgea/conteudo/conteudo-2010-1/2SF/Claudio/5Pesquisas_em_Ciencias_Humanas_Sociais.pdf. Acesso em: 25 out. 2021.

COELHO-MIYAZAWA, G. C. M.; CURI, E.; FRENEDOZO, R. S. A educação ambiental na formação inicial de professores: um panorama das teses e dissertações brasileiras (2010-2016). Ensino, Saúde e Ambiente, v. 10, n. 2, 2017. Disponível em: https://periodicos.uff.br/ensinosaudeambiente/article/view/21262. Acesso em: 25 out. 2021.

CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE
FEDERAL DE SERGIPE. Resolução CONEPE no 49, de 16 de dezembro de 2019. Altera o Projeto Pedagógico do curso de graduação em Ciências Biológicas Licenciatura do Campus Universitário Prof. Alberto Carvalho. 2019.

CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE
FEDERAL DE SERGIPE. Resolução CONEPE no 31, de 26 de outubro de 2020. Aprova alterações no Projeto Pedagógico do curso de graduação Física Licenciatura, noturno, do Campus Universitário Prof. Alberto Carvalho. 2020.

CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE
FEDERAL DE SERGIPE. Resolução CONEPE no 104, de 22 de novembro de 2010. Aprova alterações no Projeto Pedagógico do curso de graduação Geografia Licenciatura do Campus Universitário Prof. Alberto Carvalho e dá outras previdências. 2010.

CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE
FEDERAL DE SERGIPE. Resolução CONEPE no 44, de 19 de junho de 2019. Aprova alteração no Projeto Pedagógico do curso de graduação Matemática Licenciatura do Campus Universitário Prof. Alberto Carvalho e dá outras previdências. 2019.

CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE
FEDERAL DE SERGIPE. Resolução CONEPE no 101 , de 22 de dezembro de 2008. Aprova alteração no Projeto Pedagógico do curso de graduação em Pedagogia, Modalidade Licenciatura do Campus Universitário Prof. Alberto Carvalho e dá outras previdências. 2008.

CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE
FEDERAL DE SERGIPE. Resolução CONEPE no 62, de 26 de julho de 2010. Substitui a Resolução nº 77/2009/CONEPE que aprova o Projeto Pedagógico do curso de Graduação em Letras Português Licenciatura, do Campus Universitário Prof. Alberto Carvalho e dá outras providências. 2010.

CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE
FEDERAL DE SERGIPE. Resolução CONEPE no 27, de 26 de outubro de 2020. Aprova alterações no Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Química Licenciatura do Campus Universitário Prof. Alberto Carvalho. 2020.

DOROX, G. C.; RODRIGUES, D. G.; SAHEB, D. Uma análise sobre os pressupostos teóricos utilizados em pesquisa em formação continuada de professores em educação ambiental. Revista GepesVida, v. 4, n. 8, 2018. Disponível em: http://www.icepsc.com.br/ojs/index.php/gepesvida/article/view/290. Acesso em: 25 out. 2021.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 24. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

GUIMARÃES, M. A dimensão ambiental na educação. 12. ed. Campinas, SP: Papirus, 2015.

GUIMARÃES, M. Educação Ambiental crítica. In: LAYRARGUES, P. P. Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004. p. 25-34. Disponível em: https://smastr16.blob.core.windows.net/cea/cea/ident_eabras.pdf. Acesso em: 25 out. 2021.

LAYRARGUES, P. P.; LIMA, G. F. da C. As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade, v. XVII, n. 1, p. 23-40, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/asoc/a/8FP6nynhjdZ4hYdqVFdYRtx/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 25 out. 2021.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Tradução de Lúcia Mathilde Endlich Orth. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

LOUREIRO, C. F. B. Trajetória e fundamentos da educação ambiental. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

LOUREIRO, C. F. B. Complexidade e dialética: contribuições à práxis política e emancipatória em educação ambiental. Educação & Sociedade, v. 26, p. 1473-1494, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/Q958B6p6Rz6vmXgHP7T5Ysy/abstract/?lang=pt. Acesso em: 25 out. 2021.

MODESTO, M. A. Pela estrada se vai com anseios no peito e pés no chão: Por entre quereres e fazeres da (trans)formação ambiental na educação do campo. 2019. 206 f. Tese (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2019. Disponível em: https://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/11845#:~:text=Cita%C3%A7%C3%A3o%3A,ambiental%20na%20educa%C3%A7%C3%A3o%20do%20campo. Acesso em: 25 out. 2021.

MODESTO, M. A. Que revelam os discursos emergentes do currículo?: possibilidades para formação ambiental do pedagogo mediante o ensino de história. 2016. 188 f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Educação) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2016. Disponível em: https://ri.ufs.br/handle/riufs/4760. Acesso em: 25 out. 2021.

SACRISTÁN, J. G. O Currículo: Uma Reflexão sobre a Prática. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SACRISTÁN, J. G.; GÓMEZ, AIP. O que significa o currículo? Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 16-35.

SILVA, T. T. da. Documentos de Identidade: Uma introdução às teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte, MG: Autêntica Editora, 2015.

TOZZONI-REIS, M. F. C. Educação Ambiental: referências teóricas no ensino superior. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, v. 5, p. 33-50, 2001. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832001000200003. Acesso em: 25 out. 2021.

TOZZONI-REIS, M. F. C. Formação dos educadores ambientais e paradigmas em transição. Ciência & Educação (Bauru), v. 8, p. 83-96, 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ciedu/a/bbYKPG7XyxtSQXzLVnkQkQq/?lang=pt. Acesso em 25 out. 2021.
Publicado
2022-06-27
Como Citar
Marynara, M. C. S., & Mônica Andrade Modesto. (2022). Percepção da Educação Ambiental em currículos de licenciatura: implicações para a formação docente na Universidade Federal de Sergipe. Revista Sergipana De Educação Ambiental, 8(2), 1-15. https://doi.org/10.47401/revisea.v8i2.16629