Percepção ambiental/afetividade de alunos do curso de Licenciatura em Educação do Campo (LEDUCARR/UFRR):

caminhos didáticos visando a Educação Ambiental

Palavras-chave: Percepção ambiental, Educação ambiental, Educação do campo

Resumo

Esta pesquisa desenvolvida com alunos ingressantes no vestibular de 2019 (calouros) no curso de Licenciatura em Educação do Campo (LEDUCARR) da Universidade Federal de Roraima (UFRR) na disciplina Tópicos em Agricultura 1, para as habilitações Ciências Sociais e Humanas/CHS e Ciências da Natureza e Matemática/CNM. O trabalho busca a compreensão da percepção de alunos quanto ao local onde vivem e trabalham e a partir do estudo da afetividade tendo como foco questões ambientais como água e resíduos, balizar a estruturação do curso quanto a temática da educação ambiental e agroecologia. A pesquisa é dividida em 3 fases: 1) de levantamento do perfil social (uso de questões semiestruturadas; 2) desenhos/mapas mentais (topofilia) e, 3) de intervenção didática a partir dos resultados obtidos (fase em andamento).

Biografia do Autor

Paulo Sérgio Maroti, Universidade Federal de Roraima (UFRR)

Bacharel e Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de São Carlos; Especialista em Zoologia; Mestre em Ecologia e Doutor em Ciências; Pós-Doutorado em Ensino de Ecologia e Educação Ambiental. Professor Associado I da Universidade Federal de Roraima (UFRR) e do PPG-Geografia/UFRR e do PPG Profissional Profágua.

Referências

ALLEN, G.L. Development issues in cognitive mapping: the selection and utilization of environmental ladmarks. Child. Dev., v. 50, 1062-1070, 1979. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/535429/. Acesso em 18 de abr de 2020.
BARBOSA, R.I. Caracterização dos ecossistemas terrestres do projeto de assentamento nova Amazônia (PANA): antiga fazenda Bamerindus. Relatório de Pesquisa/INPA. Manaus-AM, 2003.
ART, Henry W. Dicionário de ecologia e ciências ambientais. São Paulo: UNESP, São Paulo, 2001.
BENAYAS, Javier del Alamo Paisaje y educación ambiental, evaluación de câmbios de actitudes hacia el entorno. Monografias. Secretaria de Estado para las Politicas del Agua y el Medio Ambiente, MOPT, Madrid, 1992.
BRASIL. LEI N. 1.806, DE 06 DE JANEIRO DE 1953. Dispõe sobre o Plano de Valorização Econômica da Amazônia, cria a superintendência da sua execução e dá outras providências. Brasília, DF: Congresso nacional, 1953. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1950-1959/lei-1806-6-janeiro-1953-367342-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em 18 de abr de 2020.
_______. LEI Nº 4.504, DE 30 DE NOVEMBRO DE 1964.
Dispõe sobre o Estatuto da Terra, e dá outras providências. Brasília, DF: Senado Federal, 1964. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l4504.htm. Acessado em 12 de mar. de 2019. Acesso em 18 de abr de 2020.
______. Fundação Nacional do Índio. O que é terra indígena? s/d. Disponível em: http://www.funai.gov.br/index.php/2014-02-07-13-24-32. Acesso 20 de fev de 2020.
______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização. Cadernos Pedagógicos Pró Jovem Campo – Saberes da Terra/Brasil. Brasília: MEC/SECADI, 2008.

______. _______. Projeto Político Pedagógico do Curso de Licenciatura em Educação do Campo (LEDUCARR). UFRR, Boa Vista, RR. 2011.
______. DECRETO Nº 7.794, DE 20 DE AGOSTO DE 2012. Institui a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica. Brasília, DF: Senado Federal, 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Decreto/D7794.htm. Acessado em 09 de mar de 2019. Acesso em 16 de mar de 2020.
CALDART, Roseli Salete. Elementos para a construção do projeto político pedagógico da educação do campo. Trabalho Necessário, ano 2 – n. 2, 2004.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Brasileiro de 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2019. Disponível em <https://censo2010.ibge.gov.br/painel/?nivel=mn&areas=14&variavel=>. Acesso em 11 de maio de 2020.
DOWS, R. & STEA, D. Maps in minds: relfection on cognitive mapping. Nova York, Ed. Harper & Row, 1977.
FONSECA, A.M. Contribuições da Pedagogia da Alternância para o desenvolvimento sustentável: trajetórias de egressos de uma escola família agrícola. Dissertação (Mestrado). Universidade Católica de Brasília, Brasília, 2008.

FUNASA, Boletim Informativo Especial. Saúde Indígena: uma década de compromisso. Edição 8, 2009.
INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL (ISA). Diversidade socioambiental de Roraima: subsídios para debater o futuro sustentável da região. São Paulo: ISA, 2011. Disponível em:
MAROTI, Paulo Sergio. Percepção e educação ambiental voltadas à uma unidade natural de conservação (Estação Ecológica de Jataí, Luiz Antônio, SP). Dissertação (Mestrado em Ecologia e Recursos Naturais) - Programa de Pós Graduação em Ecologia e Recursos Naturais, UFSCar, São Carlos – SP, 1997.
MAROTI, Paulo Sérgio. Educação e interpretação ambiental junto à comunidade do entorno de uma unidade de conservação. 2002. Tese (Doutorado e Ecologia e Recursos Naturais) - Programa de Pós Graduação em Ecologia e Recursos Naturais, UFSCar, São Carlos – SP, 2002.
MAROTI, Paulo Sérgio, COUTINHO, Janailton. Perfil dos alunos ingressantes nos vestibulares de 2014 e 2016 no curso de Licenciatura em Educação do Campo/Habilitação em Ciências Naturais e Matemática. In: ALVES, Francisco; ASSUNÇÃO, Jenefer; COUTINHO, Janailton; JUNIOR, Carlos S; LOPES, Sérgio Luiz; MANGOLI, Sheila; MAROTI, Paulo Sérgio; NASCIMENTO, Franzmiller; OLIVEIRA, Arlene; SANTOS, Alessandra; SANTOS, Silvanete; SOUZA, Gladys. Práticas Educativas em Educação do Campo: experiências e reflexões em Tempo de Incertezas. Boa Vista – RR: EdUFRR, 2017. p. 75-97.
MOLINA, Mônica Castagna. Análises de Práticas contra hegemônicas na formação de educadores: reflexões a partir do Curso de Licenciatura em Educação do Campo. In: SOUZA, J.V. et al. (orgs). O método dialético na pesquisa em educação. Campinas, SP: Autores Associados, 2014. p. 263-290.
MOZOYER, Marcel; ROUDART, Laurance. História das agriculturas no mundo: do neolítico à crise contemporânea. São Paulo: UNESP, 2010.
NIEMEYER, Ana Maria. Desenhos e mapas na orientação espacial: pesquisa de ensino de antropologia. Textos didáticos. n. 12, 24p.,1994.
OLIVEIRA, Nilza Aparecida da S. A educação ambiental e a percepção fenomenológica, através de mapas mentais. Rev. Eletr. Mestr. Educ. Ambient. V.16, 29-44 pp. 2006.
RIBEIRO, Dionara Soares., TIEPOLO, Elisiane Vitória., VARGAS, Maria Cristina., DA SILVA, Nívea Regina. Agroecologia na educação básica: questões propositivas de conteúdo e metodologia. Ribeiro, D.S. (org). São Paulo: Expressão Popular, 2017.
SANTOS, Maria José. Pelas trilhas da história e da educação do campo. EdUFRR, 2015. p. 211.
SÃO PAULO (ESTADO). Academia de Ciências do Estado de São Paulo. Glossário de Ecologia. 1987.
SEVERINO, Antônio Joaquim. Educação, sujeito e história. São Paulo: Olho d’água, 2001.
SEVILLA Guzmán, E.; GONZALEZ De Molina, M. Sobre la Agroecologia: algunas reflexiones em torno a la agricultura familiar en España. In: Garcia de Léon, M.A. (ed) El Campo e la ciudad. Madrid: MAPA, 1996.
THOMPSON, Edward P. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica do pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.
TUAN, Y-FU. Topofilia: um estudo da percepção e valores do meio ambiente. São Paulo: Difel, 1980.
VEIGA, José Eli da. Cidades Imaginárias: O Brasil é menos urbano do que se calcula. Campinas - São Paulo, Editores Associados, 2002.
Publicado
2022-06-27
Como Citar
Paulo Sérgio Maroti. (2022). Percepção ambiental/afetividade de alunos do curso de Licenciatura em Educação do Campo (LEDUCARR/UFRR): : caminhos didáticos visando a Educação Ambiental. Revista Sergipana De Educação Ambiental, 8(2), 1-19. https://doi.org/10.47401/revisea.v8i2.17260