Reflexões sobre a educação ambiental em tempos de barbárie

  • Tatiana Ferreira dos Santos Centro Universitário AGES (UNIAGES), Paripiranga – BA.
Palavras-chave: Crise Estrtutural do Capital, Educação Ambiental Crítica, Questão Ambiental

Resumo

Este artigo se debruça sobre a reflexão acerca do cenário da formação social brasileira após a década de 1970, quando se inicia a crise estrutural do capital e se observam os impactos de tal crise na formação da questão ambiental no território do país. Para tanto, são trazidos apontamentos sobre as formas de produção e formação econômica e, por conseguinte, a urgência de uma educação ambiental crítica capaz de enxergar a questão ambiental em suas estruturas e em sua totalidade.  O estudo tem abordagem qualitativa e natureza bibliográfica sendo fundamentado a partir da literatura especializada que abarca o campo da educação ambiental no Brasil, da formação social brasileira e do desenvolvimento das forças produtivas e das relações sociais capitalistas. As considerações finais indicam que há uma necessidade de abordar e desenvolver a educação ambiental na sociedade em sua perspectiva emancipatória e concatenada aos interesses das lutas sociais.

Biografia do Autor

Tatiana Ferreira dos Santos, Centro Universitário AGES (UNIAGES), Paripiranga – BA.

Graduada em Serviço Social; Mestre em Educação e Doutora em Serviço Social. Membro do Grupo de Pesquisa Mentalidades e Trabalho: do local ao global (CNPq/UNESP).

Referências

ALMEIDA, N. L. T.; ALENCAR, M. M. T. A. Serviço Social, trabalho e políticas públicas. -São Paulo: Saraiva, 2011.

ALVES, G. Trabalho e subjetividade: o espírito do toyotismo na era do capitalismo manipulatório. – São Paulo: Boitempo, 2011.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. – São Paulo, SP: Boitempo, 2009. – (Mundo do trabalho).

LAYRARGUES, P. P; LIMA, G. F. C. As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. Ambiente & Sociedade n São Paulo v. XVII, n. 1 n p. 23-40 n jan.-mar. 2014. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/asoc/v17n1/v17n1a03.pdf> Acesso em: 21 abril de 2020.

LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P. Ecologia política, justiça e educação ambiental crítica: perspectivas de aliança contra-hegemônica. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 11 n. 1, p. 53-71, jan./abr. 2013. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/tes/v11n1/a04v11n1.pdf> Acesso em: 21 abril de 2020.

MOREIRA, V.; CAVALCANTE JUNIOR, F. S. O método fenomenológico crítico (ou mundano) na pesquisa em psico(pato)logia e a contribuição da etnografia Estudos e Pesquisas em Psicologia, vol. 8, núm. 2, agosto, 2008, pp. 249-265. Universidade do Estado do Rio de Janeiro Rio de Janeiro, Brasil

MÉSZÁROS, I. Para além do capital: ruma a uma teoria da transição. – 1. ed. Revisada. – São Paulo : Boitempo, 2011.

SANTOS, B. V. Um discurso sobre as ciências. -5. ed. – Porto: Edições Afrontamento.

SILVA, M. G. Questão ambiental e desenvolvimento sustentável: um desafio ético-político ao serviço social. – São Paulo: Cortez, 2010.

TONET, I. Educação e Meio Ambiente. IN: Rebela, v. 3, n. 5, 2015.

______. Teoria Social Crítica: do que se trata? IN: Em defesa do pensamento crítico. Maceió: EDUFAL, 2013

VALENCIA, A.S. Subimperialismo e dependência na América Latina: O pensamento de Ruy Mauro Marini. – 1. Ed.- São Paulo: Expressão Popular, 2019.
Publicado
2022-06-27
Como Citar
Tatiana Ferreira dos Santos. (2022). Reflexões sobre a educação ambiental em tempos de barbárie. Revista Sergipana De Educação Ambiental, 8(2), 1-11. https://doi.org/10.47401/revisea.v8i2.17624