ARTICULANDO CURRÍCULO, PRÁTICA E CULTURA: EXIGÊNCIAS FORMATIVAS QUE IMPACTAM A ESCOLARIZAÇÃO DE MULHERES NEGRAS NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO

Palavras-chave: Ensino superior, Escolarização de mulheres negras, Práticas curriculares.

Resumo

Este artigo objetiva refletir os impactos das práticas curriculares na escolarização de mulheres negras no Ensino Superior. Entendemos que a prática de uma educação que atende às várias culturas permite que, tanto educandos quanto educadores reflitam padrões hierárquicos e opressivos das relações de poder preconizados pelos modelos curriculares e práticas que valorizam os sistemas eurocêntricos e colonialistas. Assim, é imprescindível articular os elementos epistêmicos de subjetivação da mulher negra, estruturados nas relações entre gênero, raça e classe, tendo como plataforma de estudo as práticas curriculares no campo empírico de investigação. A metodologia se baseia na perspectiva relacional de Bourdieu; fez-se uso da entrevista semiestruturada e da revisão bibliográfica. Conclui-se que as práticas curriculares, muitas vezes oportunizaram caminhos para um movimento excludente, o que contribuiu para que as estudantes se sentissem pré-julgadas, descaracterizando, assim, as adversidades ao invés de promovê-las. As estudantes negras ressignificaram suas subjetividades ao reafirmar, como ato político, a vontade de permanecerem na universidade. E assim seguem resilientes e se (re) construindo.

Biografia do Autor

Joao Paulo Lopes dos Santos, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB
Mestre em Educaçao pelo Programa de Pos-Graduaçao em Educaçao da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Atua como professor do Ensino Fundamental II da rede municipal de educaçao de Cândido Sales.
Núbia Regina Moreira, Departamento de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual do Sudoeste - DFCH/UESB
Doutora em Sociologia e Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Referências

ABRAMOWICZ, Anete; BARBOSA, Lucia Maria de Assunção; SILVÉRIO, Valter Roberto (Org.). Educação como prática da diferença. Campinas, SP: Armazém do Ipê (Autores Associados), 2006.

AMADO, João; FERREIRA, Sónia. A entrevista na investigação educacional. In: AMADO, João (Coord.). Manual de investigação qualitativa em educação. Imprensa da Universidade de Coimbra, Portugal, 2013.

APPLE, Michael Whitman. Ideologia e poder. Tradução Vinicius Figueira. 3.ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

BARATA, Rita Barradas. et al. Classe social: conceitos e esquemas operacionais em pesquisa em saúde. Rev Saúde Pública; 47(4):647-55, 2013.

BERNSTEIN, Basil. A estruturação do discurso pedagógico: classe, código e controle. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes. 1996.

BHABHA, Homi. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

BOURDIEU, Pierre. A Distinção: crítica social do julgamento. 2. ed. rev. 2. Reimpr. – Porto Alegre, RS: Zouk, 2015.

___________. A dominação masculina. 4ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.

___________. As regras da arte: gênese e estrutura do campo literário. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

BOURDIEU, Pierre ; PASSERON, Jean Claude. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil; São Paulo: Difel, 1989.

BUTLER, Judith P. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 14ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados. Vol. 17, nº 49, São Paulo. Set/Dez. 2003.

COLLINS, Patricia Hill. Black feminist thought: knowledge, consciousness, and the politics of empowermente. In: OSADA, Neide Mayumi; COSTA, Maria Conceição. RECIIS – R. Eletr. De Com. Inf. Inov. Saúde, Rio de Janeiro, 2008.

CONNEL, Raewyn; PEARSE, Rebecca. Gênero: uma perspective global. São Paulo: nVersos, 2015.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 3. ed. rev. e atual. São Paulo: Positivo, 2004.

GOFFMAN, Erving. Estigma: a identidade deteriorada. 1ª ed. 10ª reimp. Buenos Aires: Amorrortu, 2006.

GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Racismo e anti-racismo no Brasil. São Paulo: Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo; Ed. 34, 1999.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 26, n. 1, jun/2014.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA - INEP. Sinopse Estatística da Educação Superior 2015. Brasília: Inep, 2016. Disponívem em: <http://portal.inep.gov/basica-censo-escolar-sinopse-sinopse>. Acesso em: 12 nov. 2018.

IPEA, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Retrato das desigualdades de gênero e raça. (2015). Disponível em:< http://ipea.gov.br/retrato/apresentacao.html>. Acesso em: 12 dez. 2018.

LACLAU, Ernesto. Emancipação e diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011.

LAHIRE, Bernard. Sucesso Escolar nos meios populares: as razões do improvável. Tradução: Ramon Américo Vasques e Sonia Goldfeder. 1. Ed. São Paulo: Ática, 2008.

___________. Homem plural: os determinantes da ação. Petrópolis, RJ : Vozes, 2002.

LESSA, Sérgio; TONET, Ivo. Introdução à filosofia de Marx. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

LOPES, Alice Casimiro. Teorias pós-críticas, política e currículo. Dossier temático: configurações da investigação educacional no Brasil. Educação, Sociedade e Cultura, nº 39. 2013, 7-23.

LOPES, Alice Casimiro; MACEDO, Elizabeth. Teorias de Currículo. São Paulo: Cortez, 2011.

LOPES, Alice Casimiro. Política de Currículo: Recontextualização e Hibridismo. Currículo sem Fronteiras, v.5, n.2, pp.50-64, Jul/Dez 2005.

MACEDO, Elizabeth. Currículo como Espaço-Tempo de Fronteira Cultural. Revista Brasileira de Educação, v.11, n.32, pp.285-372, Maio/Ago 2006.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 34. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

MOREIRA, Antonio Flavio; JÚNIOR, Paulo Melgaço da Silva. Currículo, Transgressão e Diálogo: quando Outras Possibilidades se Tornam Necessárias. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, Sergipe, Brasil, v. 9, n. 18, p. 45-54, jan./abr. 2016.

MOREIRA, Núbia Regina. A organização das feministas negras no Brasil. Vitória da Conquista: Edições UESB, 2018.

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem das noções de raça, racismo, identidade e etnia. In: Programa de educação sobre o negro na sociedade brasileira. (cadernos PENESB;5). Niterói: EdUFF, 2000.

OLIVEIRA, Ana. A tradição da centralidade do conhecimento nas políticas curriculares. In: LOPES, Alice Casimiro; OLIVEIRA, Marcia Betania de (Org.). Políticas de currículo: pesquisas e articulações discursivas. Curitiba: CRV, 2017.

SACRISTÁN, José. Gimeno. Saberes e incertezas sobre o currículo. Porto Alegre: Penso, 2013.

___________. O Currículo: uma reflexão sobre a prática; tradução de ROSA, Ernani F. da F. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SCALON, Celi. Ensaios de estratificação. Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, vol. 20, nº 2, jul./dez. 1995.

SETTON, Maria Graça Jacintho. Teorias da socialização: um estudo sobre as relações entre indivíduo e sociedade. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 4, p. 711-724, dez. 2011.

SILVA, Daiana Severo da. Gênero, raça e classe: discursos de mulheres negras acadêmicas e mulheres negras comunitárias. 2016. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos/UNISINOS, São Leopoldo, RS: 2016. Disponível em:<http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/5179>. Acesso em: 18 nov.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves. Ações afirmativas para além das cotas. In: SILVÉRIO, Valter Roberto; MOEHLECKE, Sabrina (Org.). Ações afirmativas nas políticas educacionais: o contexto pós-Durban. São Carlos: EDUFSCar, 2009. Cap. 4.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3. ed. 8. reimp. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

YOUNG, Michael F. D. Conhecimento e Currículo: Do socioconstrutivismo ao realismo social na sociologia da educação. Porto – Portugal: Porto Editora, 2010.

Publicado
2019-11-09
Como Citar
dos Santos, J. P. L., & Moreira, N. R. (2019). ARTICULANDO CURRÍCULO, PRÁTICA E CULTURA: EXIGÊNCIAS FORMATIVAS QUE IMPACTAM A ESCOLARIZAÇÃO DE MULHERES NEGRAS NO ENSINO SUPERIOR BRASILEIRO. Revista Tempos E Espaços Em Educação, 12(31), 233-254. https://doi.org/10.20952/revtee.v12i31.10678
Seção
Artigos de Demanda Contínua