Experiências e sentimentos maternos em relação à medicamentalização do filho com TDA/H

  • Tatiana Pires Escobar Instituto Federal Catarinense. Rio do Sul. Santa Catarina. Brasil
  • Morgana Dreon Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Santa Catarina. Brasil
  • Ione Ribeiro Valle Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Santa Catarina. Brasil

Resumo

Este artigo tem como objetivo identificar e analisar experiências e sentimentos de 148 mães diante da escolha de medicar ou não seus filhos diagnosticados com Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade. Justifica-se este trabalho pela premência de colocar as mães em evidência, uma vez que suas vivências, sentimentos e opiniões são salutares para o aprofundamento de estudos que têm como foco a medicamentalização da infância. A metodologia utilizada compreendeu a aplicação de questionários em quatro grupos de Facebook compostos por mães de crianças com o transtorno. Os dados obtidos foram objeto de análise qualitativa e quantitativa, dando ênfase às falas das mães. A investigação indicou que não há consenso entre as figuras maternas quanto aos benefícios dos medicamentos no tratamento das crianças e também evidenciou uma forte sobrecarga de sentimentos como insegurança, medo e culpa diante das posturas que precisam ter em busca do bem-estar das suas crianças.

Palavras-chave: Sentimentos maternos. Experiências maternas. Medicamentalização do filho com TDA/H.

Biografia do Autor

Tatiana Pires Escobar, Instituto Federal Catarinense. Rio do Sul. Santa Catarina. Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina, Mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Professora do Instituto Federal Catarinense. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Ensino e Formação de Educadores em Santa Catarina (GPEFESC/CNPq) e do Laboratório de Pesquisas Sociológicas Pierre Bourdieu (LAPSB/CNPq), na Universidade Federal de Santa Catarina.

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-5798-806X

Morgana Dreon, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Santa Catarina. Brasil

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Santa Catarina pela Universidade Federal de Santa Catarina e também em Gestão e Comunicação Empresarial pela Universidade do Oeste de Santa Catarina. Especialista em Gestão Empresarial Estratégica pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa Ensino e Formação de Educadores em Santa Catarina (GPEFESC/CNPq) e do Laboratório de Pesquisas Sociológicas Pierre Bourdieu (LAPSB/CNPq), na Universidade Federal de Santa Catarina.

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-6167-7686

Ione Ribeiro Valle, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. Santa Catarina. Brasil

Pós-doutora pela École des Hautes Études en Sciences Sociales – Paris. Doutora em Ciências da Educação pela Université René Descartes - Paris V Sorbonne. Professora associada do Centro de Ciências da Educação da Universidade Federal de Santa Catarina. Coordena o Grupo de Pesquisa Ensino e Formação de Educadores em Santa Catarina (GPEFESC/CNPq) e o Laboratório de Pesquisas Sociológicas Pierre Bourdieu (LAPSB/CNPq), na Universidade Federal de Santa Catarina. É Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - Nível 1D.

ORCID: https://orcid.org/0000-0001-7496-3959

Publicado
2020-05-07
Como Citar
Escobar, T. P., Dreon, M., & Valle, I. R. (2020). Experiências e sentimentos maternos em relação à medicamentalização do filho com TDA/H . Revista Tempos E Espaços Em Educação, 13(32), 1-16. https://doi.org/10.20952/revtee.v13i32.13219
Seção
Publicação Contínua