Colonial education in Icó-CE: educational process of the first inhabitants (1599-1759)

  • Paulo Rogério de Lima Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil.
  • Sílvia Maria Nóbrega-Therrien Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil.
  • Cesar Augusto Sadalla Pinto Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil.
Palavras-chave: Education. Icó-CE. Colonial Period. Jesuits.

Resumo

This article aimed to (re)constitute historic aspects of the educational process in Icó – CE, with emphases in the education of the local inhabitants, from 1599 to 1759, that is situated in the Brazilian colonial period. Therefore, it was realized a documental study, exploring some writings by local authors as Couto (1962) and Lima (1995). Education in Icó in Brazil Colonia was not a peaceful process. On contrary, it was in the beginning characterized by tensions, violence and resistance, because the native Indians insisted on defending their territory against European invaders. The religious indoctrination was a way used by determinators to subjugate native people culturally of Brazilian territory. The construction of Nossa Senhora da Expectação Church, in 1709, was a fundamental milestone to stabilization of the educating priests and organization of village routine.

Biografia do Autor

Paulo Rogério de Lima, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil.

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Estadual do Ceará (UECE), Campus Itaperi, Fortaleza, Ceará, Brasil. Professor da Secretaria de Educação do Estado do Ceará (SEDUC). Participante do Grupo de Pesquisa Educação, História e Saúde Coletiva.

E-mail: progerio.sport@gmail.com

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-2323-4008

Sílvia Maria Nóbrega-Therrien, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil.

Doutora em Sociologia da Educação, pela Universidade de Salamanca, Espanha e Pós-Doutora em Educação pela Universidade de Valencia, Espanha. Professora Assistente da Universidade Estadual do Ceará (UECE) do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) e do Curso de graduação em Medicina, Campus Itaperi, Fortaleza, Ceará, Brasil. Líder do Grupo de Pesquisa Educação, História e Saúde Coletiva e Coordenadora do Laboratório- LEHSC.

E-mail: silnth@terra.com.br

ORCID:https://orcid.org/0000-0002-9660-8314

Cesar Augusto Sadalla Pinto, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil.

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) da Universidade Estadual do Ceará (UECE), Campus Itaperi, Fortaleza, Ceará, Brasil. Professor efetivo do Instituto Federal de Educação do Ceará (IFCE), Campus Limoeiro do Norte, Ceará. Participante do Grupo de Pesquisa Educação, História e Saúde Coletiva.

E-mail: cesarsad@gmail.com

ORCID:  https://orcid.org/0000-0002-2130-6653

Referências

Barroso, G. (1962). À margem da História do Ceará. Fortaleza: Imprensa Universitária do Ceará.

Bosi, A. (1992). Dialética da colonização. São Paulo: Companhia de Letras.

Brasil (2016). Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de abril de 2016. Brasília, DF. Recuperado de: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf

Castelo, P. A. (1970). História do Ensino no Ceará. Fortaleza: Coleção Instituto do Ceará, Departamento de Imprensa Oficial.

Couto, F. A. (1962). A história do Icó (sua genuína crônica): primeira parte (1682 a 1726). Crato: Tipografia de Ação.

Farias, A. de (2012). História do Ceará. Fortaleza: Armazém da cultura.

Freitas, M. C., & Biccas, M. S. (2009). História social da educação no Brasil (1926-1996). São Paulo: Cortez.

Girão, R. (1979). Geografia Estética de Fortaleza de Fortaleza. Fortaleza: BNB.

Lima, I. S., & Sousa, M. E. (1996). Princesa dos Sertões. Fortaleza: Tropical.

Lima, M. P. (1995). Icó em fatos e memórias. Icó: sn. Volume I.

Maciel, L. S. B., & Neto Shigunov, A. (2006). A Educação brasileira no período pombalino: Uma análise histórica das reformas pombalinas do ensino. Educação e Pesquisa, 32(3), 465-476. https://doi.org/10.1590/S1517-97022006000300003

Ostetto, L. E. (1991). Imagens da infância no Brasil escravocrata. Perspectiva, 9(16), 133-169. https://doi.org/10.5007/%25x

Pacheco, T. S. C. (2017). As diferenças de gênero nos cuidados e na educação de meninos e meninas no Brasil no período colonial. Revista Cocar, 11(21), 142-162.

Rocha, A. M. (2011). O passado da Educação Física Escolar em Fortaleza-CE (1865-1930). Fortaleza: Edições UFC.

Rodrigues, D. S. (2011). As razões de estado e seus fracassos no período colonial: memória da educação no Pará. Revista Cocar, 5(10), 83 -93.

Santos, M. F. J. (2018) “Só aqui no Icó nós temos, uma festa bonita assim”: sacralização do espaço e da memória na festa do Senhor do Bonfim de Icó/CE. Revista Brasileira de História das Religiões, 10(30), 259-284. https://doi.org/10.4025/rbhranpuh.v10i30.36820

Saviani, D. (2008). História das idéias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores associados.

Silva, G., & Amorim, S. S.(2017). Apontamentos sobre a educação no Brasil Colonial (1549-1759). Interações, 18(4), 185-196. https://doi.org/10.20435/inter.v18i4.1469

Xavier, M. O. (2010). Índios e Jesuítas na aldeia de Ibiapaba (1700-1759). Revista Historiar, 2(2), 43-62.

Publicado
2021-06-05
Como Citar
Lima, P. R. de, Nóbrega-Therrien, S. M., & Pinto, C. A. S. (2021). Colonial education in Icó-CE: educational process of the first inhabitants (1599-1759). Revista Tempos E Espaços Em Educação, 14(33), e14117. https://doi.org/10.20952/revtee.v14i33.14117
Seção
Publicação Contínua