Ensino remoto emergencial e o estágio supervisionado nos cursos de licenciatura no cenário da Pandemia COVID 19

  • Ester Maria de Figueiredo Souza Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.
  • Lúcia Gracia Ferreira Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Amargosa, Bahia, Brasil.
Palavras-chave: COVID-19. Docência. Estágio supervisionado. Ensino remoto. Licenciatura.

Resumo

Este artigo aborda o estágio supervisionado nas licenciaturas no contexto da COVID-19. A esse componente dos projetos pedagógicos dos cursos são atribuídas carga horária obrigatória e concepção de profissionalização. As funções sociais do professor em formação inicial moldam seu exercício profissional futuro, sendo essas realizadas no conjunto de práticas de ensino, de pesquisa e de extensão. O estágio curricular obrigatório, na ênfase do ensino, configura-se no exercício da docência na Educação Básica. Assim, propõem-se reflexões sobre sua realização como ensino remoto. Trata-se de um artigo decorrente de reflexões enquanto professoras de licenciatura e análise de proposta de reorganização curricular de 2002 até a atual adoção do ensino remoto tanto na Educação Básica quanto Superior. Como resultados, apresenta-se a etnografia virtual como uma das composições curriculares que preservam o estágio supervisionado como componente da docência.

Biografia do Autor

Ester Maria de Figueiredo Souza, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.

Doutorado em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Pós-Doutorado em Linguística pela Universidade de Brasília (UNB). Professora Plena da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Docente dos cursos de Letras Vernáculas e Modernas, do Programa de Pós-graduação em Educação (PPGED), do Programa de Pós-graduação em Letras (PPGCEL) da UESB. Líder Grupo de Pesquisa Linguagem e Educação/UESB.

ORDID: http://orcid.org/0000-0001-5992-0184

Lúcia Gracia Ferreira , Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Amargosa, Bahia, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Pós-doutorado pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Professora da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia-Itapetinga (UESB). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal da Bahia; Grupo de Pesquisa e Estudos Pedagógicos/UESB e Docência, Currículo e Formação/UFRB.

Orcid: http://orcid.org/0000-0003-3655-9124

Referências

ARAÚJO, Osmar Hélio Alves; MARTINS, Elcimar Simão. Estágio curricular supervisionado como práxis: algumas perguntas e possíveis de respostas. Reflexão e Ação. Santa Cruz do Sul, v. 28, n. 1, p. 191-203, jan/abr. 2020. DOI http://dx.doi.org/10.17058/rea.v28i1. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/12902/pdf. Acesso em: 21 jul. 2020.

ARAÚJO, Osmar Hélio Alves. O estágio como práxis, a pedagogia e a didática: que relação é essa? Revista Eletrônica de Educação, v. 14, 1-15, e3096048, jan./dez. 2020. DOI http://dx.doi.org/10.14244/198271993096. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/3096/931. Acesso em: 21 jul. 2020.

AROEIRA, Kalline Pereira; PIMENTA, Selma Garrido (Orgs.). Didática e Estágio. Curitiba: Aprris, 2018.

BAKHTIN, Mikhail. Para uma filosofia do ato responsável. Tradução aos cuidados de Valdemir Miotello e Carlos Alberto Faraco. São Carlos: Pedro e João Editores, 2010.

BARRETO, Edna Silva; OLIVEIRA, Maria Marly de; ARAÚJO, Mônica Lopes Folena. O Estágio Supervisionado Obrigatório na formação do professor de Ciências e Biologia: perspectivas de licenciandos e orientadores. Revista Tempos e Espaços em Educação, Aracajú, v. 8, n. 16, maio/ago. 2015. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revtee/article/view/3951. Acesso em: 29 de agosto de 2020.

BORTOLOTTO, Nelita; FIAD, Raquel Salek. O espaço público da escola – um mundo significado nas relações eu outro. Bakhtiniana, São Paulo, 12 (3): 5-21, Set./Dez. 2017. DOI http://dx.doi.org/10.1590/2176-457330649. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/bak/v12n3/2176-4573-bak-12-03-0005.pdf. Acesso em: 21 jul. 2020.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 08 de maio de 2019.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de 19 de fevereiro de 2002. Institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de formação de professores da Educação Básica em nível superior. Brasília, 2002.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasília, 2002a.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 2, de 01 de julho de 2015, define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2 jul. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP 5, de 28 de abril de 2020. Reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de cômputo de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razão da Pandemia da COVID-19. Brasília: DF, 2020. D.O.U. de 01/06/2020, Seção 1, Pág. 32.Disponível em: http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/despacho-de-29-de-maio-de-2020-259412931. Acesso em: 31 de maio de 2020.

BRITO, Regivane dos Santos; PRADO, Jany Rodrigues; NUNES, Claudio Pinto. As condições de trabalho docente e o pós-estado de bem-estar social. Revista Tempos e Espaços em Educação (online), v. 10, p. 165-174, 2017. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revtee/article/view/6676. Acesso em: 21 fev. 2020.

CARROLO, Carlos. Formação e identidade profissional de professores. In: ESTRELA, Maria Teresa (org.). Viver e construir a profissão docente. Lisboa: Porto Editora, 1997. p. 21-50.

COSTA, Ana Sheila Fernandes; AKKARI, Abdeljalil; SILVA, Rossana Valéria Souza. Educação básica no Brasil: políticas públicas e qualidade. Revista Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v.7, n. 11, jun./dez. 2011. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/666. Acesso em: 14 fev. 2020.

FRANCO, Maria Amélia do Rosário Santoro; GILBERTO, Irene Jeanete Lemos. O observatório da prática docente como espaço de compreensão e transformação das práticas Revista Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 6, n. 9, jul./dez. 2009. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/637. Acesso em: 30 de agosto de 2020.

FREIRA, Maria Auxiliadora S. Práxis pedagógica e professores intelectuais: refletindo as tensões e concepções da formação/prática docente. Revista Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v.1, n. 1, jan./dez. 2005. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/485. Acesso em: 13 fev. 2020.

GOMES, Marineide de Oliveira (Org.). Estágios na formação de professores: Possibilidades formativas entre ensino, pesquisa e extensão. São Paulo: Edições Loyola, 2011.

MOREIRA, José António Marques; HENRIQUES, Susana; BARROS, Daniela. Transitando de um ensino remoto emergencial para uma educação digital em rede, em tempos de pandemia. Dialogia, São Paulo, n. 34, p. 351-364, jan./abr. 2020. DOI https://doi.org/10.5585/dialogia.n34.17123. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/index.php?journal=dialogia&page=article&op=view&path%5B%5D=17123&path%5B%5D=8228. Acesso em: 14 ago. 2020.

NASCIMENTO, L. F.; CAVALCANTE, M. M. D. Abordagem quantitativa na pesquisa em educação: investigações no cotidiano escolar. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 11, n. 25, p. 249-260, 29 mar. 2018. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revtee/article/view/7075 Doi: https://doi.org/10.20952/revtee.v11i25.7075

NUNES, Claudio Pinto. Formación y trabajo docente: cuestiones contemporáneas. Revista Êxitus, Santarém, v. 9, n. 1, 2019. Disponível em: http://www.ufopa.edu.br/portaldeperiodicos/index.php/revistaexitus/article/view/917. Acesso em: 18 fev. 2020.

NUNES, Claudio Pinto; OLIVEIRA, Dalila Andrade. Trabalho, carreira, desenvolvimento docente e mudança na prática educativa. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 43, p. 65-80, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-97022017000100066&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 20 fev. 2020.

PARASKEVA, J. M. “Brutti, Sporchi & Cattivi”: Towards a Non-Abyssal Curriculum. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 9, n. 18, p. 75-90, 2016. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revtee/article/view/4966 Doi: https://doi.org/10.20952/revtee.v9i18.4966

PICONEZ, Stela C. B. A prática de ensino e o estágio supervisionado. 24 ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e Docência. 6 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

SANTOS, Cláudia Santana; GIVIGI, Rosana Carla do Nascimento. Contribuições das funções sociais do professor na construção do ser profissional. Revista Tempos e Espaços em Educação. v.13, n. 32, e-13304, jan./dez.2020. DOI https://doi.org/10.20952/revtee.v13i32.13304. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revtee/article/view/13304/10378. Acesso em: 19 ago. 2020.

SANTOS, Patrícia Ferreira dos; COSTA, Váldina Gonçalves da; PEREIRA, Diego Carlos. Registros nos cadernos de estágio supervisionado: contribuições para a constituição da identidade profissional docente. Revista Tempos e Espaços em Educação, Aracajú, v. 11, n. 27, out./dez. 2018. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revtee/article/view/7200. Acesso em: 29 de agosto de 2020.

SILVA, Nilson Robson Guedes. Gestão escolar democrática: uma contextualização do tema. Revista Práxis Educacional, Vitória da Conquista, v. 5, n. 6, jan./jun. 2009. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/590. Acesso em: 13 fev. 2020.

SOUSA, J. M. Repensar o currículo como emancipador. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 9, n. 18, p. 111-120, 11 abr. 2016. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revtee/article/view/4969. Acesso em: 29 de agosto de 2020.

SOUZA, Ester Maria de Figueiredo Souza. O estágio supervisionado no curso de licenciatura em Letras: impactos da resolução CNE/CP Nº 1/2002 e nº 2/2002. In: LEITE, Maria Iza Pinto de Amorim, et alii. Docência: Gestão, ensino e pesquisa. Vitória da Conquista: Edições UESB. 2010.

SOUZA, Ester Maria de Figueiredo Souza. Linguagem, currículo, formação docente. Vitória da Conquista: Edições UESB. 2011.

SOUZA, Ester Maria de Figueiredo Souza. MARTINS, Angela Maria Gusmão Santos. Estágio supervisionado nos cursos de licenciatura: pesquisa, extensão e docência. Revista Práxis Educacional, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil, v. 8, n. 13, p. 143-156, 2012. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/711/597. Acesso em: 03 abr. 2015.

SOUZA, Ester Maria de Figueiredo Souza. FERREIRA, Lúcia Gracia. A prática como componente curricular: (re)indagações para a formação docente. Revista Práxis Educacional, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil, v. 15, n. 34, p. 195-210, Edição Especial, 2019. DOI https://doi.org/10.22481/praxisedu.v15i34.5505A. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/5505/4183 . Acesso em: 29 nov. 2019.

SARMENTO, Teresa; ROCHA, Simone Albuquerque da; PANIAGO Rosenilde Nogueira. Estágio curricular: o movimento de construção identitária docente em narrativas de formação. Revista Práxis Educacional, Vitória da Conquista - Bahia - Brasil, v. 14, n. 30, p. 152-177, out./dez. 2018. DOI https://doi.org/10.22481/praxis.v14i30.4365. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/4365/3493. Acesso em: 05 mar. 2019.

Publicado
2020-10-04
Como Citar
Souza, E. M. de F., & Ferreira, L. G. (2020). Ensino remoto emergencial e o estágio supervisionado nos cursos de licenciatura no cenário da Pandemia COVID 19. Revista Tempos E Espaços Em Educação, 13(32), 1-19. https://doi.org/10.20952/revtee.v13i32.14290
Seção
Publicação Contínua