Political formation in the bojo of university pedagogy: implications in the formation of future teachers

  • Fabrício Oliveira da Silva Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, Bahia, Brasil. http://orcid.org/0000-0002-7962-7222
  • Maria da Conceição Oliveira Lopes Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, Bahia, Brasil.
  • Jescilda Ferreira de Macedo Santana Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, Bahia, Brasil.

Resumo

Partindo do pressuposto de que a formação política orienta a vida coletiva e demanda instrumentalizar o sujeito para a construção de uma sociedade justa, democrática e inclusiva e de que a participação na escola gera aprendizado político para a participação na sociedade em geral, esse trabalho analisou como a docência universitária tece processos de formação crítica, política dos discentes em formação, de modo a impactar nas práticas educativas futuras da escola básica. A pesquisa trilhou no lastro da discussão sobre educação política, pedagogia universitária, enveredando pelos aportes da metodologia qualitativa, com opção pela entrevista semiestruturada. Os sujeitos participantes foram nove estudantes concluintes dos cursos de licenciatura de uma universidade pública estadual. A análise dos dados realizada, mediante a técnica Análise Temática, permite concluir que a formação política não ocupa o centro das preocupações da pedagogia universitária, ficando as questões de urgência social suplantadas pelo engessamento do currículo. O debate vem à tona com afinco apenas na disciplina específica ao final do curso, distorcendo, assim, o conceito de política como prática necessariamente cotidiana.

Biografia do Autor

Fabrício Oliveira da Silva, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, Bahia, Brasil.

Pós-doutor e Doutor em Educação e Contemporaneidade pela Universidade do Estado da Bahia - UNEB (2017). Mestre em Filologia e Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo (2003). Especialista em Gestão de Pessoas com ênfase em Competências no setor público pela Universidade Federal da Bahia - UFBA (2019). Especialista em Gestão Escolar pela Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC - (2009). Especialista em Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Portuguesa pela Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS (1998). Possui graduação em Licenciatura em Letras Vernáculas pela Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS (1997). É Professor Adjunto da Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS, lotado no Departamento de Educação. Professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Educação - PPGE da UEFS. Professor pesquisador do Grupo de Pesquisa Docência, Narrativas e Diversidade na Educação Básica – DIVERSO. Coordenador e membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Pedagogia Universitária - NEPPU da Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS. É membro do GT 4 - Didática da Associação Nacional de Pesquisadores da Educação - ANPEd. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Superior (graduação e pós-graduação), atuando como professor e pesquisador nos seguintes temas: formação do educador, identidade docente, didática, leitura e produção textual, ensino de língua portuguesa, pesquisa em educação, pesquisa (auto)biográfica e docência universitária e na Educação Básica.

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-7962-7222

 

Maria da Conceição Oliveira Lopes, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, Bahia, Brasil.

Mestranda em Educação na Universidade Estadual de Feira de Santana- BA, membro do Grupo de Estudo e Pesquisa em Letramentos, Educação e Tecnologias (GEPLET - UEFS), graduada em Letras Vernáculas também pela UEFS (2005). Pós Graduada em Educação e Pluralidade Sócio-Cultural pela UEFS (2007) e em Educação a Distância pela UNEB (2010). Pós-graduada em Gestão de Pessoas por competência com ênfase no setor público, pela UFBA (2018). Professora da Rede Pública Estadual desde 1993, atuando por 16 anos em sala de aula. Gestora de Escola Pública Estadual da Bahia por certificação e eleição desde 2009. Áreas de interesse em desenvolver estudos empíricos: Formação de Professor, Práticas Pedagógicas, Leitura e produção textual, Gestão Escolar, Currículo e Avaliação.

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-4692-9283

Jescilda Ferreira de Macedo Santana, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, Bahia, Brasil.

Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual de Feira de Santana. Atuou como bolsista pelo Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência - PIBID pelo CAPES entre os anos de 2010-2012. Pós-graduada em Psicopedagogia: Institucional, Clínica e Hospitalar pela Fundação Visconde de Cairu. Curso de Formação: Alfabetização e Letramento pelo Núcleo de Pós-Graduação Gastão Guimarães - Núcleo de Estudos e Formação Educacional. Supervisão Psicopedagógica Clínica pelo Núcleo de Pós-Graduação de Itabuna - NPGI (em andamento) Atualmente atua como Professora do Ensino Fundamental Séries Iniciais.

ORCID: https://orcid.org/0000-0003-3454-3508

Referências

Catini, C. de R. & Mello, G. M. de C. (2016). Escolas de luta, educação política. Educação e Sociedade, 37(137), 1177-1202. https://doi.org/10.1590/es0101-73302016163403.

Demo, P. (2002). A educação pelo avesso: assistência como direito e como problema. 2.ed. São Paulo: Cortez.

Dowbor, L. (2009). Educação e Desenvolvimento. In: Mafra, J., Romão, J. E., Scocuglia, A. C. & Gadotti, M. (org.). Globalização, Educação e Movimentos Sociais: 40 anos da Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire: Editora Esfera, p. 22-36.

Freire, P. (2015). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Freitas, L. C. de. (2005). Uma pós-modernidade de libertação: reconstruindo as esperanças. Campinas, SP: Autores Associados.

Giroux, H. (2019). A crise da escola é a crise da democracia. https://brasil.elpais.com/brasil/2019/05/09/internacional/1557407024_184967.html.

Gohn, M. da G. (2006). Educação não-formal, participação da sociedade civil e estruturas colegiadas nas escolas. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 14(50), 27-38. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362006000100003

Luck, H., Freitas, K. S., Keith, S. & Girling, R. (2012). A escola participativa: o trabalho do gestor escolar. Rio de Janeiro: DP&A.

Maia, A. J. V., Carvalho, C. F., Sá, L. F. C., Narravo, M., Barouh, R., Moreira, R. & Sá, S. M. R. (2011). Política, juventude, minorias e ações afirmativas. In: SAMPAIO, S. M. R. (Org.). Observatório da vida estudantil: primeiros estudos. Salvador: EDUFBA.

Martins, M. F., Tardelli Filho, F. A., Pereira, K. P. R. & Santos, E. V. F. dos. (2016). As ocupações das escolas estaduais da região de Sorocaba/SP: falam os estudantes secundaristas. Crítica Educativa, 2(1), 227–260. https://doi.org/10.22476/revcted.v2i1.76.

Maturana, H. (2002). Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: UFMG.

Paro, V. H. (2002). Implicações do caráter político da educação para a administração da escola pública. Educação e Pesquisa, 28(2), 11-23. https://doi.org/10.1590/S1517-97022002000200002.

Ribeiro, M. L. (2008). A afetividade no bojo dos currículos de formação de professores. Anais ENDIPE, Porto Alegre.

Santos, B. de S. (2008). A universidade do século XXI. São Paulo: Cortez.

Saviani, D. (2018). Escola e democracia. Campinas, SP: Autores Associados.

Schütz, J. A., Fuchs, C., & da Costa, C. O. (2020). Universidade, pesquisa e docência: reflexões críticas sobre os abusos do atual governo. Revista Tempos e Espaços em Educação, 13(32), 1-19. https://doi.org/10.20952/revtee.v13i32.12530

Silva, F.O., Alves I. S., & Oliveira, L.C. (2020). Initial teaching training by homology in PIBID: experiential learning from professional practice. Journal of Research and Knowledge Spreading. 1(1), e11638 http://dx.doi.org/1020952/jrks1111638

Vasconcelos, C. dos S. (2004). Construção do conhecimento em sala de aula. São Paulo: Libertad.

Publicado
2021-04-24
Como Citar
Silva, F. O. da, Lopes, M. da C. O., & Santana, J. F. de M. (2021). Political formation in the bojo of university pedagogy: implications in the formation of future teachers. Revista Tempos E Espaços Em Educação, 14(33), e15372. https://doi.org/10.20952/revtee.v14i33.15372
Seção
Publicação Contínua