Inclusion for whom? The struggle of families for schooling deaf students

  • Renata Lena de Lourdes Ferreira Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil.
  • Rosa Maria da Exaltação Coutrim Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil.
  • Marco Antonio Torres Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil.
Palavras-chave: Deaf students. Family-school relationship. Inclusion. Popular layers.

Resumo

Researchs about family, school and inclusion reveals that deaf inclusion policies have changed in Brazil since the 2000s. This research had as general objective analyzed how the school and family’s relation is configured in the process of inclusion of deaf students in a city in the countryside of Minas Gerais. From a qualitative perspective, the research preferred on the comprehensive interview to two mothers of deaf students from popular layers and the questionnaire applied to two directors and two teachers selected from two schools in the city. It was concluded that, although these students are protected by the laws, they are not being fulfilled. So this, schools and families do their best to include these students within the possibilities available, however, the schooling process still presents many obstacles and has caused frustration and a feeling of powerlessness for deaf students and their families.

Biografia do Autor

Renata Lena de Lourdes Ferreira, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil.

Mestra em Educação na Universidade Federal de Ouro Preto. Especialista em Educação Especial com ênfase em Libras pelo Instituto Federal de Minas Gerais. Graduada em Letras pela Universidade Federal de Ouro Preto - Licenciatura em Língua Portuguesa e em Bacharelado em Estudos Linguísticos. Tem interesse pelos estudos relacionados à família-escola no processo de inclusão de alunos surdos, prática docente, Libras e Linguística. Atualmente atua como professora efetiva da Rede Pública de Ensino de Minas Gerais.

ORCID: https://orcid.org/0000-0001-7006-7700

Rosa Maria da Exaltação Coutrim, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil.

Possui graduação em Ciências Sociais (UNESP), especialização em Gerontologia (USP), mestrado em História (UNESP), doutorado em Ciências Humanas - Sociologia e Política (UFMG) e pós doutorado em Educação pelo Instituto Politécnico de Leiria, Portugal. Tem experiência nas áreas de metodologia científica e sociologia com ênfase em Sociologia da Educação e Sociologia do Envelhecimento. Atualmente é professora associada do Departamento de Educação e da Pós Graduação em Educação da Universidade Federal de Ouro Preto. É bolsista Pesquisador Mineiro (FAPEMIG) e pesquisadora do Núcleo de Estudos Sociedade, Família e Escola (NESFE- UFOP) e do Observatório Sociológico Família e Escola (OSFE- UFMG). Coordenadora do Grupo de Estudos sobre Envelhecimento e Educação e do Grupo de Estudos sobre Juventudes, sediados no NESFE. Os principais focos de pesquisa são: Relação família e escola, relações intergeracionais, longevidade escolar nas camadas populares.

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-9510-1263

Marco Antonio Torres, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, Minas Gerais, Brasil.

Possui graduação (1999), mestrado (2005) e doutorado (2012) em Psicologia pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais). Atualmente é professor do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) e está vinculado ao Departamento de Educação desta universidade. Na UFOP exerceu os seguintes cargos: coordenação do Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial e Continuada de Profissionais do Magistério da Educação Básica da UFOP com financiamento MEC, FNDE e CAPES, vice-coordenação (2015-2017) e coordenação (2017-2018) do Programa de Pós-Graduação em Educação e chefia do Departamento de Educação (2011-2012). Fez parte da Diretoria Nacional da Associação Brasileira de Psicologia e Sociedade (ABRAPSO) na gestão 2016/2017. Foi co-editor da Revista Psicologia e Sociedade. Colaborou com o Núcleo de Psicologia Política e o Núcleo de Direitos Humanos e Cidadania LGBT, ambos da UFMG. Participou entre 2010/2011 do grupo de trabalho do Ministério da Educação para acompanhar a implantação do Programa Brasil sem Homofobia e o Plano Nacional de Promoção da Cidadania dos Direitos Humanos LGBT. Foi membro associado da Província dos Capuchinhos de Minas Gerais, professor do Instituto Santo Tomás de Aquino, psicólogo-pesquisador de organismos eclesiais da Igreja Católica. Pesquisa nas Áreas da Educação e Psicologia Social. Pesquisa e publica acerca dos contextos educacionais com ênfase nos temas Educação e Diversidade, Gênero, Sexualidades, Laicidade, Direitos Humanos, Subjetividades e Identidades Políticas.

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-7120-3820

Referências

Bourdieu, P. & Champagne, P. (2001). Os excluídos do interior. In: Nogueira, M. A. & Catani, A (Orgs.). Escritos de educação. 9a ed. Petrópolis: Vozes, p. 217-228.

Botteon, L. A. F. & Dragone, M. L. O. S. (2020). Processos comunicativos na surdez de acordo com relatos de jovens surdos. Temas em Educação e Saúde, 16(1), 51-61. https://doi.org/10.26673/tes.v16i1.13215

Brasil. Decreto nº. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 23 dez. 2005.

Brasil. Lei nº. 10.436, de 24 de abril de 2002. Art. 18 da Lei nº. 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 23 dez. 2005.

Brasil. Lei nº. 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF: Diário Oficial da União, 7 jul. 2015.

Brito, F. B. (2013). O movimento social surdo e a campanha pela oficialização da língua brasileira de sinais. Tese (Doutorado em Educação Especial) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

Fernandes, Y. S., & Candau, V. M. F. (2017). Direito à qualidade da educação e educação em direitos humanos: inter-relações e desafios. Educação, 40(1), 02-09. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2017.1.25086

Campache, J. J., Lima, M. C. M. P., & Françozo, M. D. F. C. (2019). Adolescência e surdez: vivências e expectativas de mães ouvintes e de filhos surdos. Distúrbios da Comunicação, 31(2), 297-307. https://doi.org/10.23925/2176-2724.2019v31i2p297-307

Lahire, B. (2004). Sucesso escolar nos meios populares: as razões do improvável. São Paulo: Edições Ática.

Lopes, B. R. & Dos Santos, M. M. (2021). Filhos surdos, pais ouvintes: contribuições da família para a aprendizagem de língua portuguesa. Humanidades & Inovação, 8(46), 214-224.

Mantoan, M. T. E. (2017). Inclusão, diferença e deficiência: sentidos, deslocamentos, proposições. Inclusão Social, 10(2), 763-777. https://doi.org/10.22633/rpge.unesp.v22.nesp2.dez.2018.11911

Mcdonnel, P. (2016). Disability, deafness and ideology in the late twentieth and early twenty-first centuries. Educ. Real., 41(3), 777-788. https://doi.org/10.1590/2175-623661091

Negrelli, M. E. D. & Marcon, S. S. (2006). Família e criança surda. Ciência Cuidado e Saúde, 5(1), 98-107.

Paniagua, G. (2004). As famílias de crianças com necessidades educativas especiais. In: Coll, C., Marchesi, A., & Palacios, J. (Orgs.). Desenvolvimento psicológico e Educação. 2a ed. Porto Alegre: Artmed, p. 330-346.

Ribeiro, V. L., Barbosa, R. L. L., & Martins, S. E. S. O. (2019). Pais ouvintes e filhos surdos: o lugar das famílias em propostas educacionais bilíngues. Educação, 44, 1-25. http://dx.doi.org/10.5902/1984644435150

Rocha, L. R. M., Rodrigues, L., & Botelho, T. S. (2013). A importância do aprendizado da língua de sinais no seio familiar do surdo. 8º Encontro da Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial. Londrina: Universidade Estadual de Londrina, p. 2.355-2.365.

Silva, C. M. D., Silva, D. S. D., Monteiro, R., & Silva, D. N. H. (2018). Inclusão escolar: concepções dos profissionais da escola sobre o surdo e a surdez. Psicologia: Ciência e Profissão, 38, 465-479. https://doi.org/10.1590/1982-37030002652017

Sousa, L., Carola, L., & Martins, M. (2016). A inclusão e seus aspectos pedagógicos: os desafios da escola inclusiva. In: COUTRIM, R. M. E. & SATTO, M. A. (Orgs.). Conversas sobre inclusão. Uma experiência de diálogo com professoras e professores. Belo Horizonte: Fino Traço, p. 25-42.

Stelling, E. P., Stelling, L. F. P., Torres, E. M. S., & Castro, H. C. (2014). Pais ouvintes e filho surdo: dificuldades de comunicação e necessidade de orientação familiar. Espaço, 42, 15-24.

Thin, D. (2010). Famílias populares e instituição escolar: entre autonomia e heteronomia. Educação e Pesquisa, 36(especial), 65-77.

Unesco (1994). Declaração de Salamanca: sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais. Salamanca, Espanha: Unesco.

Unesco (1990). Declaração Mundial sobre Educação para Todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien: Unesco.
Publicado
2022-03-24
Como Citar
Ferreira, R. L. de L., Coutrim, R. M. da E., & Torres, M. A. (2022). Inclusion for whom? The struggle of families for schooling deaf students. Revista Tempos E Espaços Em Educação, 15(34), e16890. https://doi.org/10.20952/revtee.v15i34.16890