Educational violence: a systematic review

  • Mareli Eliane Graupe Universidade do Planalto Catarinense, Lages, Santa Catarina, Brasil.
  • Fabíola Pereira Machado da Silva Universidade do Planalto Catarinense, Lages, Santa Catarina, Brasil.
  • Rafaella de Mattos Maurente Universidade do Planalto Catarinense, Lages, Santa Catarina, Brasil.
Palavras-chave: Educational violence. School. Teachers.

Resumo

This article aims to map the main educational violence in the period from 2015 to 2020, in the scientific database of the Brazilian Institute of Information in Science and Technology - IBICT. It is the result of a systematic review. The main authors identified in the research works, in order of recurrence, were: Abramovay (2002), Fante (2005), Lopes Neto (2005), Debarbieux (2001, 2002), Charlot (2002), Antunes (2010), Silva (2010), Bourdieu (2014), Franco (2014), Beane (2010), Priotto (2006), Michaud (2001), Sardenberg (2007), Rossato and Rossato (2013), Tudisco (2011), Laterman (2000), Sposito (2001). Also, it was verified the most recurrent types of educational violence, the institutions by State that produced the most research on the subject, the prevention and confrontation strategies of educational violence in the 24 scientific works (18 dissertations and six theses). Abramovay is the author with more recurrence in productions, quoted in 16 of the 24 studies studied. In summary, it was possible to perceive the contributions of the authors mentioned above in understanding the complex phenomenon of violence, the plurality of terms on school violence and its causes and consequences of violence in the lives of children and adolescents.

Biografia do Autor

Mareli Eliane Graupe, Universidade do Planalto Catarinense, Lages, Santa Catarina, Brasil.
Fabíola Pereira Machado da Silva, Universidade do Planalto Catarinense, Lages, Santa Catarina, Brasil.
Rafaella de Mattos Maurente, Universidade do Planalto Catarinense, Lages, Santa Catarina, Brasil.

Referências

Abramovay, M. et al. (2016). Diagnóstico participativo das violências nas escolas: falam os jovens. Rio de Janeiro: FLACSO -Brasil, OEI, MEC.

Abramovay, M. (2006). Cotidiano das escolas entre violências. Brasília: UNESCO.

Abramovay, M. et. al. (2002). Escola e violência. Brasília: UNESCO.

Antunes, D. C. (2010). Bullying: razão instrumental e preconceito. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Bauman, Z. (2007). Tempos Líquidos. Trad. Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar.

Beane, A. (2010). Proteja seu filho do bullying. Tradução: Débora Guimarães Isidoro. Rio de Janeiro: Best Seller.

Brasil (2018). Lei N. 13.663 de 14 de maio de 2018 que altera o art. 12 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, para incluir a promoção de medidas de conscientização, de prevenção e de combate a todos os tipos de violência e a promoção da cultura de paz entre as incumbências dos estabelecimentos de ensino. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/lei/L13663.htm

Brasil. (2013). Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção primária: Rastreamento. Brasília: DF.

Brasil. (2015). Lei N. 13.185 de 06 de novembro de 2015 que institui o Programa de Combate à Intimidação Sistemática (Bullying). http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13185.htm


Borges, M. d. A. (2018). Entre trevas e arco-íris: Colorindo a diversidade no ensino médio.
https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UNSP_464a7137ecf4c1a2650da82ce4b4edaf

Bourdieu, P. (2014). A Dominação Masculina: a condição feminina e a violência simbólica. Rio de Janeiro: Best Bolso,

Camacho, L. M. Y. (2001). A violência nas práticas escolares de adolescentes. ANPED-CDROOM, GT Sociologia da Educação.

Charlot, B. (2002). A violência nas escolas: como os sociólogos franceses abordam essa questão. Sociologias, Porto Alegre, ano 4, n. 8, p. 432-443, jul. dez.

Debarbieux, E. & Blaya, C. (org). (2002). Violência nas escolas: dez abordagens europeias. Brasília, DF: UNESCO.

Debarbieux, E. (2001) A violência na escola Francesa: 30 anos de construção social. https://www.revistas.usp.br/ep/article/view/27860

Fante C. (2005). Fenômeno Bullying: Como Prevenir a Violência Nas Escolas e Educar Para a Paz. Campinas. Versus.

Foucault, M. (1987). Vigiar e punir: nascimento da prisão. (R. Ramalhete, trad.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Franco, Telma. (2014). Bullying contra surdos: a manifestação silenciosa da resiliência. Curitiba. Appris.

Freire, P. (1996). Pedagogia da Autonomia. 18. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Laterman, I. (2000). Violência e incivilidade na escola: nem vítima, nem culpados. Florianópolis: Obras Jurídicas.

Lopes Neto A. A. (2005). Bullying: comportamento agressivo entre estudantes. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro. http://www.scielo.br/pdf/jped/v81n5s0/v81n5Sa06.

Michaud, Y. (2001). A violência. Tradução de L. Garcia. São Paulo. Ática.

ONU. Organização das Nações Unidas. (2017). O que a ONU nos ensina sobre prevenção da violência. Tales Gubes. Jan 3. Disponível em: https://talesgubes.medium.com/o-que-a-onu-nos-ensina-sobre-preven%C3%A7%C3%A3o-da-viol%C3%AAncia-3a467188bdd4


Porfírio, Francisco. "Michel Foucault"; Brasil Escola. https://brasilescola.uol.com.br/filosofia/michel-foucault.htm

Priotto, E. P. (2006). Características da violência escolar envolvendo adolescentes. In: EDUCERE. Congresso de Educação da PUCPR, 6, 2006. Curitiba. Anais. Curitiba: Champagnat. p. 16-28.

Priotto, E. P. (2008). Violência escolar: políticas públicas e práticas educativas. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Curitiba.

Priotto, E. P. & Boneti, L. W. (2009). Violência escolar: na escola, da escola e contra a escola. Revista Diálogo Educacional, [S.l.], v. 9, n. 26, p. 161-179, jul. 2009. ISSN 1981-416X. https://periodicos.pucpr.br/dialogoeducacional/article/view/3700

Rossato, G; Rossato S. (2013). Educando para a superação do bullying escolar. São Paulo: Edições Loyola.

Saffioti, H. I. B. (2001). Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Cadernos Pagu (16): p.115-136. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n16/n16a07.pdf

Saffioti, H. I. B. (1999). O estatuto teórico da violência de gênero. In: SANTOS, José Vicente Tavares dos. (Org.) Violência em tempo de globalização. São Paulo, Editora HUCITEC: p.142-163.

Sardenberg, C. M. B. (2007). Da Crítica Feminista à Ciência a uma Ciência Feminista. In: Costa, A. A.; Sardenberg, C. (Org.). Feminismo, Ciência e Tecnologia. Salvador, REDOR/NEIM/UFBA, p.89-120.

Silva, A. B. B. (2010). Bullying: mentes perigosas nas escolas. Rio de Janeiro: Objetiva.

Sposito, M. P. (2001). Um breve balanço da pesquisa sobre violência escolar no Brasil. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 27, n. 1, p. 87-103, jun. 2001.

Tudisco, Rafaela Firmiano. (2011). O fenômeno bullying na perspectiva do poder público estadual. Londrina.


Referências das 24 obras que foram analisadas para a elaboração deste trabalho.

Referências

Albuquerque, A. G. (2018). Violência de gênero: representações sociais de alunos do ensino médio do CIEP 200- Professor Terli Fioravante da Rocha.
https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UGRI_03c3f11e4df923c2f831fcb53c7a19e0

Almeida, E. L. (2016). Escola sem homofobia: a (re)produção da identidade sexual nos discursos escolares. https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/URPE_0b764e6fec37a586bbf723ab88d5b69b

Almeida, R. S. (2015). Elementos para uma reflexão sobre a violência na escola: Freud, Kant, Adorno. 2015.
https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFC-7_1a7d42252bfd264bdefa21ce463c3455

Alencar, E. R. D. (2018). Bullying e desempenho escolar de alunos do Instituto Federal do Piauí campus Parnaíba: um estudo de caso.
https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/NOVE_3172d7275b26f95ca597370f57e8431c

Andrade, E. A. P. P. (2015). Prevalência de bullying e sua percepção por alunos, pais e professores. http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/310397



Barbosa, J. A. (2016) Feminilidades na escola: a teoria da prática e a discussão sobre gênero e desempenho escolar.
https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFG_8144b922574f779a6598da74bc761ecb

Braga, K. D. S. (2019). Lesbianidades, performatizações de gênero e trajetória educacional. https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UNSP_a1af6665680804f5f7f848810098bf1b

Britto, É. S. S. (2019). Violências entre pares no contexto escolar: razões e enfrentamentos. https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/NOVE_ff7e62af5216cef408f02da1f0fe83f9

Bomfim, S. A. B. (2019). Respeito, justiça e solidariedade no coração de quem ajuda: valores morais e protagonismo entre alunos para combater o bullying.
https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UNSP_2701f0e19167d8b1142dd83955023079

Cavalcanti, J. G. (2017). Bullying e suas implicações na adolescência: um estudo psicossociológico. https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFPB2_36c4422002e4d74d3261ed0c0b42d277


Cicco, R. R. (2017). Diversidade Sexual, Escola e Família: contribuições para as práticas de ensino
https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/CRUZ_a7327a38720c52cf4806a7ad5740c66d

Corrêa, A. S. (2018). (In) disciplina e bullying nas práticas escolares de diretores, coordenadores, docentes e alunos: uma análise à luz da Teoria Crítica.
https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/USP_c66e214e66e46e4f5e5864c074084e28


Galli, E. F. (2020). Clube dos Valentes: Prevenção da Violência e Desenvolvimento de Amizade na Educação Infantil.
https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/SCAR_468c5dd5dd0b8802813bff851fa10f71

Garcia, R. M. C. (2015). As relações de gênero e os desafios do enfrentamento do bullying escolar. 79 f.
https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/PUC_GO_f33f3995f6c361c68151f9da87b13e53

Gil, P. G. (2017). Tamo junto - o argumento estudantil e sua gramática em uma arena de conflitos. https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/USP_0efdbac4a440e3b70cde37c676ce5f7f


Lima, C. M. S. (2017). Enfrentando e Prevenindo a Violência Escolar: Desenvolvimento e Avaliação de uma Intervenção com Professores.
https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFPR_d686b70a166b69173621575a84956219

Lucena, R. P. (2018). Gênero na escola: significados e práticas que realizam o tema como política de educação na rede pública de ensino. https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFPB-2_12fc9d65288b329599cfe79bcf44cac2

Nascimento, T. M. C. (2015). O Bullying na escola: uma análise do discurso da mídia impressa pedagógica. https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFPE_6810cb856e41430e1d7bc19df8fc1bb4

Monteiro, M. P. G. (2017). O Bullying segundo a percepção de estudantes do 5º ano do ensino fundamental.
https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFPR_383c87c48f266c1b9054bf8e17289b79

Paula, J. D. (2020). As bodas de Caná (João 2,1-11): o 'vinho novo' como reconstrutor das relações de gênero.
https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/PUC_GO_748239ca9da06221f912ad8c332b6b35

Ponti, F. S. D. (2020). Habilidades sociais educativas do professor e sua relação com a avaliação de alunos que sofrem, praticam e testemunham o bullying.
https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/SCAR_837bee0b87b4577af05d152e8476866b

Soares, A. C. N. (2018). Entre trevas e arco-íris: colorindo a diversidade no ensino médio. https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UNSP_464a7137ecf4c1a2650da82ce4b4edaf

Vasconcelos, F. M. S. (2018). Meninas empoderadas: um estudo sobre resiliência e bullying entre pares na escola.
https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/URPE_14def49a463c708efc76799d689f383b

Viana, M. A. (2016). A lacuna moral na educação de meninos: o impacto das novas configurações de masculinidade na subjetividade infantil.
https://bdtd.ibict.br/vufind/Record/UFPR_248f3047060f47bf515ecf2f82498e62
Publicado
2022-03-30
Como Citar
Graupe, M. E., Silva, F. P. M. da, & Maurente, R. de M. (2022). Educational violence: a systematic review. Revista Tempos E Espaços Em Educação, 15(34), e17173. https://doi.org/10.20952/revtee.v15i34.17173