Ludic digital culture: reflections on the habits of students of the education course in LD

  • Anderson Jorge Marcolino Pinheiro Unopar, Londrina, Paraná, Brasil.
  • Luciane Guimaraes Batistella Bianchini Unopar, Londrina, Paraná, Brasil.
  • Marta Regina Furlan de Oliveira Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná, Brasil.
Palavras-chave: Digital culture. Ludic habits. Perceptions. Technology.

Resumo

This text aims to reflect on technological culture and digital habits in the context of Contemporary Higher Education and to analyze critically the perceptions of the students of the EaD School of Teaching at a University, with regard to play habits (games) in the light of new technological devices. The text is justified by the complexity of the culture of information and communication as sensory extensions of individuals, and, above all, in the educational field. The methodology, of a quantitative-qualitative nature, is a theoretical bibliographical and exploratory study with the application of a questionnaire to 310 students from different poles/units of Brazil. As a result, it is necessary to (re) think about the technological scenario governed by the playful digital culture and its impact on the training process of the students from Higher Education, specifically the Pedagogy Course, in favor of a new configuration of the look beyond the instrumentality of the technique, but as an educational, interactive and playful possibility of those involved.

Biografia do Autor

Anderson Jorge Marcolino Pinheiro, Unopar, Londrina, Paraná, Brasil.

Mestre em Metodologias para o Ensino de Linguagens e suas Tecnologias. Departamento de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Pitágoras Unopar, Londrina – PR. Membro do Grupo de pesquisa: Jogos e tecnologia em processo de ensino e aprendizagem.

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-2811-8348

Luciane Guimaraes Batistella Bianchini, Unopar, Londrina, Paraná, Brasil.

Doutorado em Psicologia: Psicologia da Educação. Universidade Pitágoras Unopar, Londrina – PR. Centro de pesquisa do - Metodologias para o Ensino de Linguagens e suas Tecnologias, Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu da UNOPAR. Coordenadora do Grupo de pesquisa: Jogos e tecnologia em processo de ensino e aprendizagem.

ORCID: https://orcid.org/0000-0003-3523-2752

Marta Regina Furlan de Oliveira, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, Paraná, Brasil.

Pós Doutorado. Doutorado em Educação. Universidade Estadual de Londrina, Londrina – PR. Membro do Grupo de pesquisa: Jogos e tecnologia em processo de ensino e aprendizagem. Departamento de Educação UEL.

ORCID: http://orcid.org/0000-0003-2146-2557

Referências

Aquino, T. (2001). Suma Teológica (v. 1, parte 1). São Paulo: Edições Loyola.
Bates, T. (2017). Educar na era digital: design, ensino e aprendizagem. São Paulo: Artesanato Educacional, 7.
Battro, A. M., & Denham, P. J. (2007). Hacia una inteligencia digital. Buenos Aires: Academia Nacional de Educación.
Bauman, Z. (2007). Tempos líquidos. Rio de Janeiro: Editora Schwarcz-Companhia das Letras.
Gomes, N. L. (2007). Indagações sobre currículo: diversidade e currículo. Organização do documento Jeanete Beauchamp, Sandra Denise Pagel, Aricélia Ribeiro do Nascimento. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica.
Bianchini, L. G. B., Nishida, A. L. K., Daher, I. V., Stein, A. V., Baggio, A. L. B. D. C., Fernandes, B. B. C., Silva I. G. R., Munhoz, C. M. E. (2019). Tic tac tic tac: o “tempo” nos jogos digitais. Anais do 22º Encontro de Atividades Científicas. Londrina: Online UNOPAR. https://pgsskroton.com/eac/anais/edicao-2019.php#trab13319.
Bianchini, L. G. B., Pinheiro, A. J. M., Bedani, T. R., Ferreira, R. B., Costa, R., Molari, M., Guerreiro, J. R. G., Mazzafera, B. L., Guimarães, F. F., Helal, R. M. C.
(2019) Preferência por jogos digitais em um grupo de alunos do ensino hibrido. Anais do 22º Encontro de Atividades Científicas. Londrina: Online UNOPAR. https://pgsskroton.com/eac/anais/edicao-2019.php#trab13062.
Bolaño, C., & Vieira, E. S. (2014). Economia política da internet e os sites de redes sociais. Eptic online: revista electronica internacional de economia política da informaçao, da comuniçao e da cultura, 16(2), 71-84.
Bourdieu, P. (1983). Gostos de classe e estilos de vida. Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática, 82-121.
Creswell, J. W. (2007). Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto (2, ed). Porto Alegre: Artmed.
Durkheim, É. (2007). As Regras do Método Sociológico. São Paulo: Martins Fontes.
Evangelista, V. D. M. A. (2018). Paraísos virtuais: um estudo sobre jogos eletrônicos e moralidade no mundo contemporâneo. https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/157424/evangelista_vma_dr_assis_par_sub.pdf?sequence=9&isAllowed=y.
Fortim, I. (2008). Mulheres e Games: uma revisão do tema. In VII Brazilian Symposium on Computer Games and Digital Entertainment November, 10-12, 2008 Belo Horizonte–MG–BRAZIL (p. 31). http://www.sbgames.org/papers/sbgames08/ProceedingsSBGames-GC-2008-Final-CD.pdf
Franco, C. D. P. (2013). Understanding digital natives' learning experiences. Revista brasileira de linguística aplicada, 13 (2), 643-658. http://www.scielo.br/pdf/rbla/v13n2/aop0513.pdf.
Giddens, A. (1991). As conseqüências da modernidade. São Paulo: Unesp.
Gil, A. C. (2017). Como elaborar projetos de pesquisa (6. ed). São Paulo: Atlas.
Gobira, P. (2016). Do mundo codificado ao mundo gamificado: possibilidades das tecnologias digitais para o ensino à distância. In: Neves, I. S. V., Corradi, W., Castro, C. L. F., Branco, J. C. S. (Orgs.). EaD: diálogos, compartilhamentos, práticas e saberes. Barbacena: EdUEMG.
Hayes, E. (2005). Women and video gaming: Gendered identities at play. Games & Culture, 2(1), 23-48.
Hjarvard, S. (2014). Mediatization: conceptualizing cultural and social change. MATRIZes, 8(1), 21-44. http://www.revistas.usp.br/matrizes/article/view/82929/85963.
Horkheimer, M. (1976). A eclipse da razão. Rio de Janeiro: Editorial Labor do Brasil.
LÉVY, P. (2010) Cibercultura (3,ed.). São Paulo: Editora 34.
Medeiros, M. M. (2018). O impacto da capacidade de inteligência analítica de negócios na tomada de decisões na era dos grandes dados [Dissertação de Mestrado, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Porto Alegre].
Modelski, D., Giraffa, L. M., & Casartelli, A. O. (2019). Tecnologias digitais, formação docente e práticas pedagógicas. Educação e Pesquisa, 45, e180201. http://www.scielo.br/pdf/ep/v45/1517-9702-ep-45-e180201.pdf
Moran, J. (2017). Metodologias ativas e modelos híbridos na educação. In: Yaegashi, S. F. R., Bianchini, L. G. B., Júnior, I. B. O., Santos, A. R., Silva, S. F. K. (org.). Novas Tecnologias Digitais: Reflexões sobre mediação, aprendizagem e desenvolvimento. Curitiba: EDITORA CRV. p. 23-35.
Oliveira, M. R. F., & Agostini, N. (2020). Sociedade Multitela e a Semiformação: um desafio ético de grande monta (Multiscreen society and the semiformation: a great proportion ethical challenge). Revista Eletrônica de Educação, 14, 3753069.
Paiva, N. M. N., & Costa, J. S. (2015). A influência da tecnologia na infância: desenvolvimento ou ameaça. Psicologia. pt, 1, 1-12. http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0839.pdf
Passarelli, B., Junqueira, A. H., & Angeluci, A. C. B. (2014). Os nativos digitais no Brasil e seus comportamentos diante das telas. Matrizes, 8(1), 159-178.
Prensky, M. (2001). Digital natives, digital immigrants part 1. On the horizon, 9(5), 1-6. https://doi.org/10.1108/10748120110424816.
Santaella, L. (2003). Culturas e arte do pós-humano: da cultura das mídias à cibercultura. São Paulo: Paulus.
Serres, M. (2013). Polegarzinha. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.
Setton, M. G. J. (2002). A teoria do habitus em Pierre Bourdieu: uma leitura contemporânea. Revista brasileira de Educação, (20), 60-70.
SODRÉ, M. (2002). Antropológica do espelho: uma teoria da comunicação linear e em rede. Petrópolis: Vozes.
TAVARES, R. H., & GOMES, S. S. (2014). Sociedade, educação e redes: desafios à formação crítica. Araraquara: Junqueira&Marin Editores.
Valente, J. A., Almeida, M. E. B., & Geraldini, A. F. S. (2017). Metodologias ativas: das concepções às práticas em distintos níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, 17(52), 455-478. https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/9900/12386.
Veen, W., Vrakking, B. (2009). Homo Zappiens: educando na era digital. Porto Alegre: Artmed.
Publicado
2022-03-31
Como Citar
Pinheiro, A. J. M., Bianchini, L. G. B., & Oliveira, M. R. F. de. (2022). Ludic digital culture: reflections on the habits of students of the education course in LD. Revista Tempos E Espaços Em Educação, 15(34), e17249. https://doi.org/10.20952/revtee.v15i34.17249