Gender and decoloniality: perceptions about being a woman in the narrative of young graduates from the basic education network of Santana-AP

  • Aline Pacheco Souza Universidade Federal do Amapá, Campus Marco Zero do Equador, Macapá, Amapá, Brasil.
  • Elivaldo Serrão Custódio Universidade Federal do Amapá, Campus Marco Zero do Equador, Macapá, Amapá, Brasil.
Palavras-chave: Decoloniality. Gender. Narratives of young graduates. Public education. Santana-AP.

Resumo

This article aims to present partial results of qualitative research for a master's degree in education, with a narrative bias, with an emphasis on the debate on gender and decoloniality. Three young graduates from the basic education network in the city of Santana-AP, aged between 20 and 23 years old, participated in the research. The participants were invited based on their interest and involvement with feminist themes, demonstrated in their school experience and personal relationships. Based on the collaborators' understanding of being a woman, we sought to understand how colonial gender violence is expressed and operated on women of color in Abya Yala . Gender, in this way, is debated as colonial violence where, in intersection with the dimensions of race, sexuality and class, it configures oppressions and subalternities that specifically signify the racialized women of the global south. The critical conceptions of young people who graduated from elementary school about being a woman indicate elements that bring consistency to the social analysis of decolonial feminisms and corroborate the overcoming of the patriarchal, modern and colonial imposition of gender in the territories of Abya Yala, allowing reflections on the paths for overcoming gender violence.

Biografia do Autor

Aline Pacheco Souza, Universidade Federal do Amapá, Campus Marco Zero do Equador, Macapá, Amapá, Brasil.

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação pela Universidade Federal do Amapá (UNIFAP). Licenciada em Artes Visuais pela Universidade Federal do Amapá. Professora na rede básica de ensino do estado do Amapá.

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-0917-4168

 

Elivaldo Serrão Custódio, Universidade Federal do Amapá, Campus Marco Zero do Equador, Macapá, Amapá, Brasil.

 

Doutor em Teologia pela Faculdades EST, em São Leopoldo/RS. Pós-doutor em Educação pela Universidade Federal do Amapá (UNIFAP). Atualmente é professor no Mestrado em Educação (PPGED/UNIFAP) e professor coorientador no Doutorado em Educação da Amazônia (EDUCANORTE). Vice-líder do Grupo de Pesquisa Educação, Interculturalidade e Relações Étnico-Raciais (UNIFAP/CNPq).

ORCID: <http://orcid.org/0000-0002-2947-5347>

7>

Referências

Curiel, O. (2020). Construindo metodologias feministas a partir do feminismo decolonial. In: Pensamento feminista hoje: sexualidades no sul global / [Adriana Azevedo ... [et al.]]; organização Heloisa Buarque de Hollanda. – 1. ed. – Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020. https://www.mpba.mp.br/sites/default/files/biblioteca/direitos-humanos/direitos-das-mulheres/obras_digitalizadas/heloisa-buarque-de-hollanda-pensamento-feminista-hoje_-sexualidades-no-sul-global-bazar-do-tempo-_20.pdf

Lugones, M. (2014). Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, set-dez, 2014. https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/36755/28577.

Lugones, M. (2019). Colonialidade e Gênero. In: Pensamento Feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de janeiro: Bazar do Tempo, 2019. E-book. amazon.com.br

Martins, R.; Tourinho, I. 2017. (Des) arquivar narrativas para construir histórias de vida ouvindo o chão da experiência. In: Martins, R; Tourinho, I.; Souza, E. (2017) (org). Pesquisa Narrativa: Interfaces entre histórias de vida, arte e educação. Santana Maria, UFSM, 2017. E-book. amazon.com.br

Miñoso, Y. (2019). Fazendo uma genealogia da experiência: o método rumo a uma crítica da colonialidade da razão feminista a partir da experiência histórica na América Latina. In: Pensamento Feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de janeiro: Bazar do Tempo, 2019. E-book. amazon.com.br

Mogrovejo, N. (2020). O queer, as mulheres e as lésbicas na academia e no ativismo de Abya Yala. In: Pensamento feminista hoje: sexualidades no sul global / [Adriana Azevedo ... [et al.]]; organização Heloisa Buarque de Hollanda. – 1. ed. – Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020. https://www.mpba.mp.br/sites/default/files/biblioteca/direitos-humanos/direitos-das-mulheres/obras_digitalizadas/heloisa-buarque-de-hollanda-pensamento-feminista-hoje_-sexualidades-no-sul-global-bazar-do-tempo-_20.pdf

Muylaert, C., et al. (2014). Entrevistas narrativas: um importante recurso em pesquisa qualitativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP. São Paulo, p.193-199, 2014. https://www.revistas.usp.br/reeusp/article/view/103125/101472.

Oyewùmí, O. (2021). A invenção das mulheres: construindo um sentido africano para os discursos ocidentais de gênero. Rio de Janeiro: Bazar do tempo, 2021.

Quijano, A. (2010). Colonialidade do poder e classificação social. In: Santos, B. de S.; Menezes, M. P. (Org). Epistemologias do Sul. Coimbra: Cortez, 2010.

Sanches, M. (2019). Gênero na educação superior: percepção de professoras do curso de licenciatura em pedagogia da Universidade Federal do Amapá na perspectiva da decolonialidade. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Amapá, Macapá, 2019. https://www2.unifap.br/ppged/files/2019/10/02_Pdf-Vers%c3%a3o-Final_Disserta%c3%a7%c3%a3o_Tito-Sanches-Miquelly-Pastana_2019.pdf.

Segatto, R. (2016a). Las estruturas elementares de la violência: ensayos sobre género entre la antropologia, el psicoanálisis y los derechos humanos. Cidade Autônoma de Buenos Aires: Prometo Libros, 2016.

Segatto, R. (2016b). La guerra contra las mujeres. Madrid: Traficantes de Sueños, 2016.

Suaréz, D. (2017). Pesquisa Narrativa, outras formas de conhecer. In: Martins, R.; Tourinho, I.; Souza, E. (org). Pesquisa Narrativa: Interfaces entre histórias de vida, arte e educação. Santana Maria: UFSM, 2017. E-book. amazon.com.br.
Publicado
2022-05-14
Como Citar
Souza, A. P., & Custódio, E. S. (2022). Gender and decoloniality: perceptions about being a woman in the narrative of young graduates from the basic education network of Santana-AP. Revista Tempos E Espaços Em Educação, 15(34), e17369. https://doi.org/10.20952/revtee.v15i34.17369