Conceptions of playfulness: what do teachers present about the theme?

  • Rafaela Sousa Guimarães Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, Brasil.
  • Lucia Gracia Ferreira Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Itapetinga, Bahia, Brasil.
Palavras-chave: Narratives. Playful state. Reflections.Teaching.

Resumo

This study aimed to understand the conceptions of playfulness of Basic Education teachers, and if these reverberate in their pedagogical practice. It was a qualitative research, carried out in Amargosa-Bahia, with four teachers from the municipal teaching network of the Elementary School of the Initial Years as participants. For the production of data, semi-structured interviews were chosen, carried out individually, using Google meet, in the year 2020. Thus, it was evident that the predominant conceptions of playfulness in the teachers' speech are those focused on games, games and playful artifacts (books, fantasies, puppets), having the character of utility. Although the teachers use diversified elements such as games, games and other artifacts, they are very much configured as pedagogical and instructional resources to teach content.

Biografia do Autor

Rafaela Sousa Guimarães, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, Brasil.

Doutoranda pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Mestre em Educação Cientifica, Inclusão e Diversidade pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Especialista em Educação Infantil pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Psicopedagoga (FAVENI), Brinquedista pela Associação Brasileira de Brinquedotecas (ABBri) e Pedagoga pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC). Pesquisadora do GRIFO- Grupo de Pesquisa Infâncias, Formação de Professores e Políticas Púbicas (UFRB).  Integrante do Gupo de Pesquisa- Concepções de ludicidade na formação inicial em Pedagogia: a perspectiva formativa em duas Instituições de Ensino Superior-(UFRB´-UESB).

ORCID: https://orcid.org/0000-0003-0581-9712

Lucia Gracia Ferreira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Itapetinga, Bahia, Brasil.

 Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Pós-doutorado pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Professora da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia-Itapetinga (UESB). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFBA e da UESB; Grupo de Pesquisa e Estudos Pedagógicos/UESB e Docência, Currículo e Formação/UFRB.

ORCID: https://orcid.org/0000-0003-3655-9124

Referências

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Barros, M. (1998). Retrato do artista quando coisa. Rio de Janeiro: Record.

Brougère, G. (1998). A criança e a cultura lúdica. Revista da Faculdade de Educação, 24 (2), 103-116.

Canda, C. N., Souza, R. S., & Brito, T. S. (2010). Educar com ludicidade: saberes e competências para a formação docente. Revista Tempos e Espaços Em Educação, 3(5), 139-151.

Canda, C. N., Soares, L. F., & Zen, G. C. (2018). Vozes, sentidos e experiências na extensão universitária: o que dizem as crianças sobre o brincar. Práxis Educacional, 14(30), 415-435.

Cardoso, M. C., Lago, F. K. B., & Santos, C. D. dos. (2021). A magia dos brinquedos da natureza: a potência dos quatro elementos - terra, água, ar e fogo. Revista de Estudos em Educação e Diversidade, 2 (6), 1-17.

Cruz, L. B. S., Silva, M. A. A., & Silva, M. G. A. A. (2019). A Ludicidade se faz presente: caminhos teórico-práticos que conduzem o fazer da ação humana. In Andrade, D. M. M., & Abreu, R. (Org.) Formação de professores e ludicidade: sobre sonhos possíveis (117-134). Curitiba: CRV.

D’Ávila, C., & Cassimiro, M. A. D. (2021). Baú Brincante na escola do campo: uma pesquisa-ação sobre o brincar livre em escola campesina no município de Ilhéus, Bahia. Revista de Estudos em Educação e Diversidade, 2(6), 1-22.

Duarte Júnior, J. F. (2000). O sentido dos sentidos: a educação (do) sensível. Curitiba: Criar Edições.

Ferraz, R. D., & Ferreira, L. G. (2021, setembro). Práticas exitosas no ensino superior: um diálogo com a ludicidade. Anais do Encontro Nacional e Encontro Internacional de Educação e Ludicidade. Salvador, BA, Brasil, 9.

Ferraz, R. C. S. N., & Ferreira, L. G. (2021, setembro). Vivência e ludicidade: diálogos possíveis numa perspectiva histórico-cultural. Anais do Encontro Nacional e Encontro Internacional de Educação e Ludicidade. Salvador, BA, Brasil, 9.

Ferraz, R. C. S. N., & Ferreira. L. G. (2019). O ato de ensinar como estado de ludicidade. In Andrade, D. M. M. & Abreu, R. (Org.). Formação de professores e ludicidade: sobre sonhos possíveis (77-86). Curitiba: CRV.

Ferreira, L. G. (2020a). Formação de professores e ludicidade: reflexões contemporâneas num contexto de mudanças. Revista de Estudos em Educação e Diversidade, 1(2), 410-431.

Ferreira, L. G. (2020b). Memórias e a formação para a docência: trajetórias de escolarização de professores rurais iniciantes. Revista de Estudos em Educação e Diversidade, 1(1), 55-68.

Ferreira, L. G. (2015). Os Ateliês Biográficos de Projeto e os processos formativos de professores: diálogos, (auto) biografia e ludicidade. APRENDER - Caderno de Filosofia e Psicologia da Educação, 9(15), 99-110.

Gil. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Gomes, C. F. (2020). O lugar do brinquedo e do brincar na educação básica: uma proposta de pé no chão. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 15(3), 1236–1249.

Guimarães, R. S., & Ferreira, L. G. (2020). Formação lúdica: processos de construção da docência. In Castro, J. T., Galvão Filho, T., Luna, A.V. A. & Galvão, N. C. S. S. Educação Científica, Inclusão e Diversidade (171-182). Cruz das Almas, BA: EDUFRB.

Huizinga, J. (2001). Homo ludens. São Paulo: Perspectiva.

Kishimoto, T. M. (Org.). (2001). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez.

Kishimoto, T. M. (2017). O jogo e a educação infantil. São Paulo: Cortez.

Leal, L. A. B., & D'Ávila, C. A. (2013). A ludicidade como princípio formativo. Interfaces Científicas – Educação, 1(2), 41-52.

Lima, J. M., Lima, M. R. C., & Watanabe, D. (2012). Culturas da infância e espaços pedagógicos na educação infantil: interlocução para qualificação da prática educativa. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 7(1), 61–71.

Lopes. C. (2004). Ludicidade humana: contributos para a busca dos sentidos do humano. Aveiro: Universidade de Aveiro.

Lopes. C. (2014). Design de ludicidade. Revista entreideias, 3(2), 25-46.

Lopes. C. (2016). O brincar social espontâneo na educação de infância: um estudo. Book (PDF). III. https://www.researchgate.net/publication/313853101

Luckesi. C. C. (2002). Ludicidade e atividades lúdicas: uma abordagem a partir da experiência interna. In Porto, B. (Org.). Educação e ludicidade (22-60). Salvador: GEPEL, FACED/UFBA.

Luckesi. C. C. (2014). Ludicidade e formação do educador. Revista entreideias, 3(2), 13-23.

Minayo, M. C. L. (Org.) (2001). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.

Mineiro, M., & Moreira, M. S. (2020). Mapas mentais e ludicidade na sala de aula universitária: criatividade, razão e sensibilidade no caminho da aprendizagem. In Ferreira, L. G., Mineiro, M., & Silva, M. A. A. (Orgs.). Docência universitária e formação docente: perspectivas, movimentos e inovação pedagógica (109-127). São Carlos: Pedro & João Editores.

Mineiro, M., & D’Ávila C. (2020). Construindo pontes: a mediação didática lúdica no ensino superior. Práxis Educacional, 16(37), 146-172.

Murray, R. (2020). Nas entrelinhas. [S.L]: Residência no ar - Edições digitais. E-book. http://roseanamurray.com/site/index.php/2020/10/11/e-book-nas-entrelinhas

Nascimento, M. (1996). O Menino Maluquinho. Rio de Janeiro: Polygram. CD.

Pereira, A. S. (2020). Concepções de ludicidade presentes na formação inicial de graduandos em Pedagogia: perspectivando práticas formativas. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Pereira, A. S., & Jesus, L. K. S. (2020). Formar professores na/para a contemporaneidade: a ludicidade como possibilidade. In Cruz, G. B., Gabriel, C. T., Vasconcelos, M., & Azevedo, P. B. (Orgs.). Didática(s) entre diálogos, insurgências e políticas: tensões e perspectivas na relação com a formação docente (593-602). Rio de Janeiro/Petrópolis: Faperj; CNPq; Capes; Endipe. DP et Alii. E-book.

Porto, B. de S.; & Pinto, G. A. T. (2021). A liberdade não tira férias: brincar livre, ludicidade e educação infantil. Revista de Estudos em Educação e Diversidade, 2(6), 1-23.

Rios, T. A. (2010). O gesto do professor ensina. Programa Ética e Cidadania - construindo valores na escola e na sociedade, 01-09. http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Etica/2_rios.pdf

Silva, M. A. A., Ferreira, L. G., & Silva, J. G. (2020). Ludicidade e/ou lúdico no ensino de química: uma investigação nos trabalhos apresentados no ENEQ. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, 11(4), 39-57.

Soares, I. M. F., & Porto, B. (2017). Quem te cobriu que te descubra? As crenças docentes sobre ludicidade e os desafios da prática pedagógica e da formação de professores. Rio de Janeiro: Eulim.

Thompson, A. (1992). Crenças e concepções dos professores: uma síntese da pesquisa. In: Growns, D. A. Guia de pesquisa em ensino e aprendizagem matemática: um projeto do Conselho Nacional de Professores de Matemática (01-41).

Veiga, I. P. A. (1989). A prática pedagógica do professor de didática. Campinas, SP: Papirus.

Publicado
2022-06-18
Como Citar
Guimarães, R. S., & Ferreira, L. G. (2022). Conceptions of playfulness: what do teachers present about the theme?. Revista Tempos E Espaços Em Educação, 15(34), e17446. https://doi.org/10.20952/revtee.v15i34.17446