Youth and adult education, curriculum and sexual and gender diversity: weaving reflections

Palavras-chave: Youth and Adult Education. Curriculum. Sexual Diversity. Gender Relations.

Resumo

This study sought to discuss the relations of gender and sexuality in Youth and Adult Education - EJA from the curriculum practices, considering them important in the pedagogical process of students of this type of education, aiming to reflect on what In this way, the issues of subjectivity of sexual gender are problematized in the Youth and Adult Education curriculum, in a municipal public school, located in the Northern Piemonte Identity Territory of Itapicuru, in the State of Bahia. With regard to methodological procedures, we opted for (auto)biographical narratives, as we understand that this research method favors the study in question, in the sense of enabling greater analysis capacity regarding the proposed objective. From the narratives it was possible to show that the issues of gender, sexuality and diversity need to be problematized within the school, so that it can be constituted as a space of respect for differences.

Biografia do Autor

Pedro Paulo Souza Rios, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, Bahia, Brasil.

Doutor em Educação pela Universidade Federal de sergipe; Mestre em Educação, cultura e territórios Semiáridos. Professor da Universidade Estadual de Feira de Santana. 

Referências

Abrahão, M. H. M. B. (2011). História e Histórias de Vida: destacados educadores fazem a história da educação rio-grandense. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Arroyo, M. G. (2007). Educação de Jovens e Adultos: um campo de direitos e de responsabilidade pública. In: Soares, L; Giovanetti, M. A.; Gomes, N. L. (Orgs.). Diálogo na educação de jovens e Adultos. Autêntica: Belo horizonte. p. 45-68.

Arroyo, M. G. (2015). O direito à educação e a nova segregação social e racial – tempos insatisfatórios? Educação em Revista, 03, 15-47. https://doi.org/10.1590/0102-4698150390

Benjamin, W. (1994). Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política. 7a ed., São Paulo: Brasiliense.

Brasil. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996 que estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. MEC: Brasília.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Senado: Brasília.

Brasil. (2000ª). Resolução CNE/CEB nº 1/2000, aprovado em 05 de julho de 2000. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. MEC: Brasília.

Brasil. (2000b). Parecer CNE/CEB nº 11/2000, de 10 de maio de 2000. Dispõe sobre as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. MEC: Brasília.

Brazao, J. P. G. ; Dias, A. F. (2020). Relações de género e do corpo na escola: diretivas promotoras de culturas inclusivas para as práticas pedagógicas. Revista Cocar, 14, 61-72.

Candau, V M. (2008) Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Revista Brasileira de Educação, 13. https://doi.org/10.1590/S1413-24782008000100005

Delory-Momberger, C. (2014). As histórias de vida: da invenção de si ao projeto de formação. Tradução Albino Pozzer. Natal, EDUFRN; Porto Alegre EDIPUCRS; Bahia EDUNEB.

Duarte, G. P. (2009). As relações de gênero no currículo de uma escola profissionalizante de Minas Gerais: estudo de caso dos cursos técnicos de Mecânica e Química. Dissertação (Mestrado em Educação Tecnológica). Programa de Pós-Graduação em Educação Tecnológica do CEFET-MG, Belo Horizonte.

Ferrari, A.; Caetano, M. (2013). A produção das homossexualidades nas ciências sociais e humanas. Revista Gênero. Niterói, 12, 9-25. https://doi.org/10.22409/rg.v12i2.411

Freire, P. (1996). Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Educativa. 25ª Ed. São Paulo: Paz e Terra.

Haddad, S. (2000). O estado da arte das pesquisas em Educação de Jovens e Adultos no Brasil (1986-1998). São Paulo: Ação Educativa.

Jovchelovich, S. Bauer M. W. (2010). Entrevista Narrativa. In: Bauer MartinW; Gaskell George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes. p. 56-78.

Junqueira, R. D. (2007). O reconhecimento da diversidade sexual e a problematização da homofobia no contexto escolar. In: Seminário: Corpo, gênero e sexualidade: discutindo práticas educativas. Rio Grande. Anais. Rio Grande, RS: FURG.

Junqueira, R. D. (2009). Políticas de educação para a diversidade sexual: escola como lugar de direitos. In.: LIONÇO, T.; DINIZ, D. (Orgs.). Homofobia e Educação: um desafio ao silêncio. Brasília: Letras Livres: EdUnB. p. 35-50.

Louro, G. L. (2007). Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes.

Oliveira, I. B de. (2007). Reflexões acerca da organização curricular e das práticas pedagógicas na EJA. Educ. rev. [online], 29, p.83-100. https://doi.org/10.1590/S0104-40602007000100007

Rios, P. P. Souza; Dias, A. F. (2019). “Então me classificavam como estranho”: entre narrativas na construção do estranho no corpo de professores gays. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica,4(11), p. 539-557. 10.31892/rbpab2525-426X.2019.v4.n11.p539-557

Rios, P. P. S.; Dias, A. F., Brazão, P. G. (2019). “Lembro-me de querer andar durinho, como se diz que homem deve ser”: a construção do corpo gay na escola. In: Revista Exitus, 9, p. 775-804.

https://doi.org/10.24065/2237-9460.2019v9n4ID1033.

Rios, P. P. S.; Dias, A. F. (2020) Currículo, diversidade sexual e de gênero: tecendo reflexões sobre a formação docente. Research, Society and Development, 9(10), 7573. 10.33448/rsd-v9i10.7573

Rios, P. P. S.; Dias, A. F. Vieira, A, R. L. (2020). Relações de gênero no recreio escolar: brinquedos, brincadeiras, construções sociais. Educação em Foco, 40, 273-293. https://doi.org/10.24934/eef.v23i40.3061

Rios, P. P. S.; Nascimento, S. L; Silva, T. O. (2021). Práticas de currículo em tempos de pandemia no território do Piemonte Norte do Itapicuru – Bahia. Interação, 21, 10.53660/inter-98-s117-p155-168.

Rios, P. P. S., Dias, A., & Brazão, P. (2019). “As brincadeiras denunciavam que eu era uma criança viada”: o gênero "fabricado" na infância. Revista Educação Em Questão, 57(54), 1-21.

https://doi.org/10.21680/1981-1802.2019v57n54ID18651

Rios, P. P. S. (2021). A universidade em trans-formação: acesso e permanência de pessoas transexuais no Ensino Superior. In.: RIOS, Pedro Paulo Souza (Org.) Gênero e sexualidade na educação: reflexões acerca do fazer pedagógico. Curitiba, Editora CRV.

Santos, I. M.M. dos; Santos, R. da S. (2008). A etapa de análise no método história de vida: Uma experiência de pesquisadores de enfermagem. Texto Contexto Enferm., 5, 12-24.

https://doi.org/10.1590/S0104-07072008000400012

Silva, T. T. da. (2005). Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica.

Silva, J. A. da (2010). A vida nas cores do arco-íris: a diversidade sexual e o espaço escolar na Educação de Jovens e Adultos. In: Seminário de Educação de Jovens e Adultos – PUC – RJ.

Souza, E. C. de. (2007). Memória e formação de professores. (Auto)biografia, histórias de vida e práticas de formação. Salvador: EDUFBA.

Publicado
2022-09-12
Como Citar
Rios, P. P. S. (2022). Youth and adult education, curriculum and sexual and gender diversity: weaving reflections. Revista Tempos E Espaços Em Educação, 15(34), e17559. https://doi.org/10.20952/revtee.v15i34.17559